• Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 receitas para Ganho de Massa Muscular e Perda de Gordura.

  • X

    Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 Receitas para Ganho de Massa e Perda de Gordura.

  • Cadastre seu e-mail, e receba todas nossas publicações   

    A suplementação exagerada de L-Leucina NÃO é eficaz na síntese proteica

    Estudos de 2012 mostram que a suplementação em excesso da L-Leucina não é eficaz na síntese protéica.

    Os aminoácidos, constituídos de elementos químicos orgânicos, representam grande parte do que conhecemos por “vida”. Eles são os responsáveis pela existência das proteínas, visto que, através do que conhecemos como “ligação peptídica”, ou seja, ligações entre aminoácidos, em diversas formas, conformações, formatos de cadeia, combinações e outros fatores formam-se as proteínas que, efetivamente desempenharão basicamente todos os processos biológicos que conhecemos.

    O uso exagerado do aminoácido L-Leucina não é eficaz

    Comprar Suplemento de Cafeína Pura

    Entre as inúmeras classificações dos aminoácidos, referente ao seu nível de acidez (pH), sua solubilidade em água, sua polaridade, e outras tantas características, uma das que são mais conhecidas e mais importantes para nós humanos, na prática é a referente a produção de aminoácidos por nossa própria conta e/ou a dependência de alguns eles vindos de meio exógeno, visto a nossa incapacidade em produzí-los. Assim, aminoácidos podem também ser classificados como essenciais ou não-essenciais, sendo os essenciais, necessários de consumo exógeno e os não-essenciais, não necessariamente (apesar de ingerirmos boas quantidades dos mesmos, o que, por hora é também necessário, olhando o processo como um todo).

    Entre os aminoácidos essenciais, encontram-se os de cadeia ramificada ou o que conhecemos como BCAAs que são formados pela L-Valina, L-Isoleucina e, o mais importante deles, a L-Leucina, uma das principais responsáveis pela sinalização de síntese protéica no corpo. Os aminoácidos de cadeia ramificada, possuem inúmeras funções, mas, as que podem receber destaque é sua capacidade em fornecimento de energia ao músculo, são sinalizadores metabólicos, como dito anteriormente e são ótimos substratos energéticos durante a atividade física, principalmente. Mas espere! Anteriormente, disse eu, “síntese protéica através da L-Leucina?” Então, devemos passar a ingerir quantidades extras desse aminoácido para, de alguma forma conseguir uma maior síntese proteica e, consequentemente um melhor desenvolvimento na massa muscular magra? Até alguns poucos (menos de 5) anos atrás, isso era tido como uma verdade e, mesmo hoje ainda é tido como verdade e, por muitos céticos ultrapassados, irrefutável e absoluta!

    Cupom de Desconto DDM

    Entretanto, neste ano de 2012, em um dos jornais mais respeitados no mundo científico, o da “Nutrition & Metabolism”, publicou-se um longo estudo de revisão com inúmeros artigos de pesquisadores, o quais NÃO COMPROVAM a eficácia da suplementação extra com L-Leucina em relação à síntese protéica e, tampouco protéica muscular. Katsanos e alguns colegas em 2006, publicaram na “Physiology Endocrinology Metabolism”, por exemplo, que 6.7g misturados de BCAAs, sendo 26% só de L-Leucina não aumentaram a síntese protéica em senhores de idade praticantes de atividades físicas. Entretanto, em jovens, aumentou em 41%. Logo, a L-Leucina não poderia estar correlacionada necessariamente e unicamente com a síntese protéica, levando-os a acreditar que o consumo e o ratio total do consumo protéico na dieta era muito mais influente do que a suplementação de aminoácidos essenciais em si. Ao decorrer de 2009, Verhoeven e colegas, examinaram por um período relativamente longo, de 12 semanas, a suplementação protéica de L-Leucina em senhores de idade, sendo que, isto também não obteve bons proveitos relacionados com a L-Leucina, seja em aumento da massa muscular ou aumento de força. Isso porque, foram adicionadas altas quantidades de L-Leucina nas refeições (7,5g/dia).

    Mas então, o que pode estar envolvido com o real estímulo a síntese protéica? Como dito, a quantidade de proteína presente na dieta. Lembre-se que, uma proteína para ser formada e exercer suas funções como devido deve obter diversos aminoácidos ligados em ligação peptídica, na devida ordem e conformação e não unicamente de um ou dois aminoácidos. Então, ingerir proteínas biologicamente completas é muito mais interessante do que suplementar adicionais gramas de L-Leucina ou tampouco utilizar L-Leucina de maneira isolada, sem o consumo protéico devido.

    O que estamos falando aqui é que o EXAGERO de L-Leucina, não trará nenhum beneficio, mas que a L-Leucina em si, usada de maneira correta e em quantidades satisfatórias as suas necessidades, sim, essas irão trabalhar bem a sua síntese protéica. Portanto para as pessoas que usavam L-Leucina em quase todas as refeições, podem parar, pois esta comprovado que o uso em excesso da mesma não irá melhorar em nada a sua síntese protéica.

    Assim, pode-se concluir que, se por um lado, a falta de L-Leucina pode apresentar deficiências de síntese protéica, por outro lado, adicionar quantidades extras é totalmente ineficaz. Portanto, se iremos investir, realmente em um suplemento, principalmente pós-treino, que esse seja um bom whey protein isolado e, isso já será mais do que suficiente.

    Bons treinos e ótima nutrição!

    Artigo escrito por Marcelo Sendon

    4 Comentários

    1. João Victor Carvalho 4 meses atrás
    2. Bruno 2 anos atrás
    3. Lucas 4 anos atrás
    4. Charles 4 anos atrás


    /* */