• Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 receitas para Ganho de Massa Muscular e Perda de Gordura.

  • X

    Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 Receitas para Ganho de Massa e Perda de Gordura.

  • Cadastre seu e-mail, e receba todas nossas publicações   

    Aprenda a pensar como um fisiculturista – Pt1

    Aprenda a pensar como um fisiculturista e ache os erros em seu treino e dieta, assim melhorando seus ganhos musculares – Pt1

    Durante o decorrer da última semana, decidi parar, refletir e ver porque, pesar de estar obtendo bons ganhos, eles ainda eram inferiores do que o que eu pretendia. Tudo bem, eu seria ingrato se dissesse que não estou tendo ótimos ganhos. Mas eu acredito que eles poderiam ser otimizados. Aliás, essa é a regra número 1 para se atingir um objetivo GRANDE: Ver sempre o que falta e tentar ser cada dia melhor.

    Você quer ser gigante? Quais são seus objetivos? Você realmente possui uma ampla visão? Descubra neste artigo!

    [ad#2]Passei a observar meus métodos de treinamento, os exercícios e principalmente a dieta. Comecei a observar o que poderia ser feito para melhorar os ganhos. O treino estava recém-mudado e acredito que o problema não estava necessariamente ali. Todavia, decidi ser um pouco mais prudente pela fase em que me encontro: Repetições baixas (4-8) com uma série de aquecimento (10-12 repetições) e uma série final de drop set chegando até a falha. As repetições em todos os casos eram feitas com o máximo de precisão e amplitude, sem se importar com o peso levantado (que diga-se de passagem caiu muito) e concentrando muito a fase excêntrica (mas não a ponto de ser um HIT da vida). A última série de drop (realizada apenas em um exercício composto) as repetições eram feitas com 50% da carga de início das séries pesadas e repetições extremamente rápidas. Por fim, geralmente um exercício articulado ou unilateral visando repetições altas, que variam de 8-15 (nunca mais que 15). Exemplificando melhor o que comecei a fazer foi, por exemplo, no treino de tríceps (treinado individualmente uma vez na semana) a seguinte rotina:

    Extensão de tríceps testa com barra EZ– 12-10-8-6 (concentrando a fase excêntrica);

    Rosca francesa com as duas mãos – 10-8-6-4

    Extensão de tríceps no pulley – 8-6-6-4 + Drop set com 10 repetições

    Extensão de tríceps unilateral na máquina – 15-12-10-9

    Parece volumoso, mas certamente percebi que começou a dar muito certo para mim. Comecei a perceber que conseguia forçar uma sobrecarga de resistência e ao mesmo tempo tensional na musculatura e que ela começara a responder muito bem no sentido qualidade, principalmente. De certa forma, eu estava começando a me conformar com os ganhos, pois sempre fui a favor de ganhar peso com uma certa qualidade…

    Tudo bem, revendo o treino, refiz minha rotina e decidi optar por mais volume ainda (mesmo correndo chances de entrar em OT). Todavia, decidi fracionar o máximo possível os grupos musculares, para diminuir a duração dos treinos, que não passam de 40 minutos.

    Mas, se o treino estava respondendo bem, porque os ganhos ainda não eram como esperados? Simples! Dieta!

    Minha antiga dieta estava com aproximadamente 4500 kcal. Um número bom, mas relativamente baixo. Certificava-me de manter cerca de 3g de proteína por kg, 1g de lipídios por kg e o restante, de carboidratos. A qualidade muscular aumentou bruscamente num período de 2 semanas. Mas o volume que é bom, nada…

    Decidi deixar a dieta com aproximadamente 5000 Kcal. Todavia, não aumentei as quantidades protéicas e sim, em carboidratos e lipídios. E qual foi o incrível resultado? Menos peso na balança e mais qualidade. Medidas superiores as mesmas e menos 1cm na circunferência abdominal. Para muitos, seria uma vitória, mas volto a repetir que o problema é o tamanho muscular que eu buscava e, continuo buscando.

    Mas, o que fazer em uma situação onde se come cerca de 5000 Kcal e ainda sim, o peso diminui? Simplesmente a dilatação estomacal era grande, a fome inexistente e cada refeição, era um novo tormento (e mais inchaço no estômago). Um bom hipercalórico foi a solução.

    Segunda parte do artigo: Aprenda a pensar como um fisiculturista – Pt2

    Terceira parte do artigo: Aprenda a pensar como um fisiculturista – Pt3

    Artigo escrito por Marcelo Sendon

    3 Comentários

    1. joao victor 3 semanas atrás
    2. Victor 5 anos atrás
    3. Gustavo Costa 5 anos atrás


    /* */