• Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 receitas para Ganho de Massa Muscular e Perda de Gordura.

  • X

    Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 Receitas para Ganho de Massa e Perda de Gordura.

  • Cadastre seu e-mail, e receba todas nossas publicações   

    Comer e beber faz mal?

    A ingestão de líquido durante as refeições pode nos prejudicar? Será que engorda? Ou até pode ser prejudicial à absorção de nutrientes?

    Uma dúvida que muitas pessoas possuem e que poucas conseguem obter explicações coerentes é relativo ao uso de líquidos durante as refeições. E esses líquidos podem ser das mais diferentes naturezas, variando desde água pura, até bebidas industrializadas a base de xantinas, sucos ou até mesmo bebidas alcoólicas.

    Comprar Whey Isolado VP2

    Mas afinal, comer e beber traz algum prejuízo a quem o faz? Pode engordar? Pode prejudicar a absorção dos nutrientes?

    Em primeiro lugar, para entendermos o impacto da bebida durante a alimentação, devemos avaliar qual líquido estará sendo ingerido. Provavelmente bebidas que contém calorias, representarão valores energéticos na dieta e, se não condizerem com o balanço energético total, acarretarão no ganho ou na perda de peso, o que pode ser um benefício ou um malefício, de acordo com o que se deseja.

    [ad#2]A grosso modo, diferente do que muitos pensam, um suco de laranja mesmo sem açúcar tem poder energético (e portanto pode engordar), enquanto 1 mesmo copo de refrigerante dietético, certamente não. Porém, essas calorias do suco de laranja estão aliadas a nutrientes importantíssimos presentes no suco, como a própria vitamina C e alguns minerais, enquanto no refrigerante, basicamente ingerimos sódio com água, adoçantes, corantes e gás.

    Cupom de Desconto DDM

    O segundo ponto a ser avaliado é a quantidade do líquido que está sendo ingerido. Sabe-se que o estômago tem capacidade média de 1,5L de volume (pode, claro, suportar muito mais do que isso, visto que ele é extremamente elástico e flexível). Assim, em uma refeição, consumimos em torno de 400-500g de comida, sobrando espaço. Consumir 200ml ou até 500ml dependendo do consenso e da literatura aderida, não causarão malefícios na absorção dos nutrientes e também não alterará sifnigicativamente a concentração dos suco pancreático ou até mesmo dos sais biliares. Algumas referências inclusive dizem que, consumindo pouco líquido durante as refeições, auxiliaremos o trabalho de mistura do quimo no estômago. Em contrapartida, não há na literatura muitos estudos sobre isso, assim, creio que o bom senso ainda deve prevalecer.

    O terceiro lugar que deve e muito ser avaliado é a dilatação estomacal do indivíduo. Isso porque com o líquido somado ao alimento, ingerimos uma quantidade significativa de ar durante a refeição. Além disso, líquidos com gás podem deixar a situação ainda mais crítica. Para pacientes que apresentam gastrite, por exemplo, essa distensão estomacal pode ser sinônimo de dor e muito desconforto. Em casos mais extremos, o desconforto pode ser tão grande que a pessoa necessita ser levada para uma unidade hospitalar.

    Consumir líquidos entre as refeições também não ajuda significativamente na resposta a saciedade, visto que o esvaziamento gástrico da água é muito rápido. Por isso, não conte com essa estratégia.

    Finalmente, a um consenso, não há mal no consumo moderado de líquidos durante as refeições, desde que eles respeitem a capacidade fisiobiológica do indivíduo e, caso seja fonte energética, respeite as necessidades individuais da dieta do mesmo indivíduo.

    Artigo escrito por Marcelo Sendon

    11 Comentários

    1. Daniela 4 anos atrás
    2. Daniela 4 anos atrás
    3. Glauco 5 anos atrás
    4. Glauco 5 anos atrás
    5. EMERSON DE SILLOS 5 anos atrás
    6. CAROXX 5 anos atrás
    7. Iranildo 5 anos atrás
    8. fernando 5 anos atrás
    9. bob 6 anos atrás
    10. BEL©rei 7 anos atrás
    11. Marcelo Sendon 7 anos atrás


    /* */