• Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 receitas para Ganho de Massa Muscular e Perda de Gordura.

  • X

    Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 Receitas para Ganho de Massa e Perda de Gordura.

  • Cadastre seu e-mail, e receba todas nossas publicações   

    Conheça melhor o aminoácido glicina

    Você sabe qual a importância do aminoácido glicina para o seu organismo? Conheça melhor lendo este artigo

    Desta vez, este post vai em resposta ao Vinícius Vieira, que acompanha o Dicas de musculação e pediu para que eu explorasse um pouco mais um aminoácido pouco conhecido por nós.

    Comprar Suplemento BCAA Optimum Nutrition

    A Glicina é um aminoácido composto por dois átomos de carbono, cinco átomos de hidrogênio, um átomo de nitrogênio e duas de oxigênio derivado de hidrocarboneto insolúvel e não essencial, o que significa que nosso corpo é capaz de sintetizá-la não necessitando naturalmente de grandes quantidades vindas do meio exógeno.

    A sua síntese é a partir do aminoácido Serina sendo catalizada pela enzima hidroximetiltransferase.

    [ad#2]O aminoácido de nome derivado do grego que significa “doce” está presente na composição de grande parte das proteínas, dando ênfase para o colágeno que possui em sua cadeia de ligações peptídicas primária diversas glicinas.

    Do ponto de vista funcional, a Glicina possui alguns aspectos básicos (olhando do ponto de vista biológico) que são:

    – Intermediação de algumas biossínteses: A Glicina está presente indiretamente em diversas biossínteses (sínteses de compostos de nosso corpo) tais quais precursores de profirinas (quando se liga a um composto intermediário do ciclo de Krebs que é responsável por ajudar na “fábrica de energia” no corpo humano, chamado succinil-COA, derivando do Acetil-COA) que são de extrema importância por exemplo para o transporte de oxigênio através de seu grupo heme ou para a coloração da secreção biliar;

    – Participa da síntese de purinas, responsáveis por exemplo pelos ácidos nucléicos e de biomoléculas como AMP;

    – Precursora da fosfocreatina quando se liga inicialmente com a arginina;

    – Formação do oxalato (equilíbrio ácido-base);

    – Pode ser degradada a piruvado, um importante composto de vias metabólicas energéticas;

    – Atua também como neurotransmissor (que é uma biosubstância produzida para estimulara despolarização dos neurônios e gerar potenciais de ação), sendo que, no caso da glicina, na verdade ela causa uma inibição do neurônio, através da entrada de íons de cloro na célula;

    Cupom de Desconto DDM

    – Como já dito, possui também importância na formação estrutural de algumas regiões através de suas ligações com outros aminoácidos.

    E não é só isso: A Glicina também é usada na indústria farmacêutica e dermatológica, como agente hetático, antialérgico, relacionado a dermatites e outros. Atualmente algumas pesquisas tem sido feitas para o uso da glicina em pacientes que sofrem de enterocoline necrosante neonatal que é uma doença que expressa sinais gastrointestinais e consequentemente a necrose e coagulação do trato gastrointestinal. E claro, não poderia deixar de citar sua importância no ramo nutricional, na medida em que ela atua como conservante (devido a sua ação antibacteriana) e como agente otimizador de sabor.

    Mas apesar de todas essas funções básicas, você deve estar se perguntando se a Glicina faz parte de algum benefício dentro do esporte, que é o nosso foco, não é mesmo? A resposta primária é: Sim, ela pode. Então, vamos explanar um pouco.

    A Glicina é usada pelo corpo para converter glicose em energia (por isso do nome conhecido como aminoácido glicogênico). – Inclusive, falando de glicose e energia, a glicina ainda é apontada como um agente que auxilia no controle glicêmico do corpo. Além disso, ela ajuda a musculatura, ou as proteínas que compõe o músculo a não entrar em uma via proteolítica através também dos níveis elevados de creatina no músculo, favorecendo o fornecimento de energia. Para se ter uma idéia da sua importância na construção muscular e, vou além, em outros tecidos, o corpo NÃO conseguiria refazer tecidos básicos sem a presença desde aminoácido.

    Apesar de sua importância, a glicina não é um aminoácido de difícil acesso, como por exemplo a L-Leucina que é encontrada na alimentação humana, apenas em derivados animais, além de que o corpo não necessita de quantidades exorbitantes deste aminoácido. Fazendo uma leve comparação entre arroz integral, carne vermelha e ovos, percebemos que em 100g de cada um deles, conseguimos a dosagem de 114mg, 1679mg e 467mg, respectivamente. Assim, conclusivamente, a Glicina é ingerida normalmente em quantidades adequadas desde que se tenha uma dieta equilibrada e variada.

    Alguns dados técnicos da Glicina:

    Nome sistemático (IUPAC): Ácido Aminoetanóico

    Abreviatura/Símbolo: G / Gly

    Fórmula química: C2H5NO2

    Massa Molecular: 75,06

    Ponto de fusão: 233 °C (decompõe-se)

    Densidade: 1,1607 g/cm3

    Artigo escrito por Marcelo Sendon

    4 Comentários

    1. Mariane 3 anos atrás
    2. drica 3 anos atrás
    3. Massa Muscular Agora 5 anos atrás
    4. Humberto 5 anos atrás


    /* */