• Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 receitas para Ganho de Massa Muscular e Perda de Gordura.

  • X

    Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 Receitas para Ganho de Massa e Perda de Gordura.

  • Cadastre seu e-mail, e receba todas nossas publicações   

    Entenda o que é treinamento funcional

    Entenda o que é o tão famoso treinamento funcional e se este tipo de treinamento é válido para praticantes de musculação.

    No último ano, o setor de economia brasileiro cresceu em torno de 2,7%, segundo algumas referências do Globo.com. E, com esse aumento na economia, um dos setores que mais vem se destacando na área da saúde é o dos Spas, acompanhado da indústria do bem-estar, envolvendo desde cosméticos, até produtos direcionados a estética, clínicas de estética e por que não dizer academias de ginástica também? Só na Metrópole São Paulo, foram abertas cerca de 2445 empresas relacionadas a estética e isso mostra a possível ascendência das classes sociais, cada vez mais evoluindo de nível e obtendo novas possibilidades.

    Acompanhada pouco a pouco neste crescimento, a necessidade da criação não somente de novos métodos, mas, principalmente de novas formas de atrair o consumidor para esse mercado (principalmente quando há diferenciais mais significativos) tornou-se maior, visto a concorrência. E não é a toa que hoje, esta necessidade é cada vez maior, visto que a cada esquina, encontramos facilmente mais um ginásio novo com métodos e diferenciais novos.

    Diante disso e, dentro disso, um dos diferenciais que mais vem sendo trabalhados e que, na verdade já existe a muito tempo, mas, diariamente passa por modificações e alterações em suas configurações (não necessariamente os deixando piores ou melhores) é o chamado “treinamento funcional”. Mas, do que se trata exatamente o treinamento funcional? Força? Hipertrofia? Resistência? Apenas um treino? Semana sim, semana não? Um tipo de treinamento que necessariamente fuja a regra?

    Ao desmembrarmos o nome “treinamento” e “funcional”, pelo dicionário, os significados de palavras que mais se adaptam e/ou encaixam neste contexto são “ato de treinar (adestrar, acostumar)” e “Algo prático; que funcione”. Assim, podemos chegar a conclusão que este treinamento funcional (ou estes) são na verdade formas de realizar trabalhos de adaptação quebrados dia-a-dia e que funcionem de maneira prática. Logo, a praticidade não pode interferir no fato do trabalho TER de funcionar, por definição. E isso já nos leva a imaginar o que realmente pode ou não ser efetivo na busca de determinado resultado.

    O treinamento funcional não é algo atual, por incrível que pareça. Podemos imaginar que, instintivamente, nossos antepassados já realizavam métodos projetados e específicos que pudessem aumentar sua aptidão física para algum objetivo específico: Caçar, conseguir alimentos em locais de difícil acessibilidade, construir suas moradias, fugir de algum tipo de perigo eminente etc. Portanto, cada dia mais, apenas modificamos o que já existe.

    Voltando ao que é o treinamento funcional, propriamente dito, este é um trabalho onde se busca, através de gestos específicos ou não movimentos que são utilizados em nosso dia-a-dia ou que fogem completamente do usual para de alguma forma otimizar nossas aptidões físicas (em especial as musculares), nossas aptidões de propiocepção e, principalmente neuromotoras (além da busca em geral pela saúde). Sendo o corpo humano, por conseguinte, um projeto que funciona sinergicamente com cascata de reações que acontecem perfeitamente e, mais externamente com uma sinergia mecânica extremamente complexa e muitas vezes até difícil de ser compreendida, este é controlado diretamente pelo sistema nervoso central que age concomitantemente e de maneira bastante eficaz tanto com as mínimas regiões e estruturas que compõe nosso corpo, até com as mais externas estruturas, como os músculos esqueléticos. Assim, esses gestos que são ou não comuns ao nosso cotidiano (puxar, correr, agarrar, empurrar, torcer etc) são adicionados com técnicas e equipamentos (que envolvem desde elásticos, a pesos, bolas, rolos, caneleiras, cordas etc etc etc) que possibilitam um aumento na dificuldade ou na funcionalidade dos mesmos, fazendo com que o corpo necessite cada vez mais se adaptar diante de novas situações.

    Difundido inicialmente nos Estados Unidos e, hoje no mundo todo, não sabemos ao certo quais ou qual foi o primeiro indivíduo a propositalmente elaborar um ou mais sistemas de treinamento funcional. Entretanto, sabemos que, de alguma forma ele tem tomado proporções cada vez maiores dentro dos ginásios. Proporção essa que muitas vezes até ultrapassa um pouco sua real FUNCIONALIDADE (do termo “funcionar”, lembra?).

    Mas, o treinamento funcional pode ter uma aplicação prática e eficaz para o praticante de musculação?

    Sendo assim, as vantagens que o treinamento funcional apresentam vão além dos fatores unicamente trabalhados na musculação. Mas, espere! Não estou dizendo que a musculação seja um esporte incompleto, muito pelo contrário. Sessões de musculação bem feitas são extremamente completas e valem para todos os músculos. Entretanto, se, podemos aperfeiçoes alguns destes que não são o enfoque principal da musculação, então ainda obteremos mais resultados e consequentemente um melhor desempenho da musculação em si, seja em quesitos de força, estabilidade, equilíbrio, melhora na respiração, melhora na coordenação motora, melhora da postura dentro e fora do exercício, formas de execução e também consciência corporal. Aliás, por falar justamente em consciência corporal, essa é uma das maiores vantagens que particularmente vejo no treinamento funcional: Ele nos faz conseguir enfocar conscientemente em algumas regiões do corpo com ou sem o uso de determinados equipamentos que naturalmente se quer sabemos que elas existem.

    Analogicamente, quando iniciamos na musculação, um dos grupamentos que mais demoramos para notar algum tipo de dor tardia pós-treino são os dorsais. Isso porque, apesar de utilizados constantemente, não são músculos que recebem uma atenção consciente nossa e, tampouco ações relacionadas a contrações máximas. Porém, com o desenvolver do tamanho dos mesmos (fibras musculares) e da propriocepção que começa a se criar com os mesmos após algum tempo de musculação, então não só passamos a observar algum tipo de dor pós-treino, como no exemplo, mas, implicitamente também trabalhá-los melhor durante a execução dos movimentos para tais.

    Vamos imaginar a seguinte situação: Se imagine em um banco de supino reto com um par de halteres de 40kg em cada mão. Você deita no banco e executa 8 movimentos em boa forma sem grandes dificuldades. Agora, imagine exatamente a mesma situação, mas, ao invés de você estar deitado em um banco plano de supino, você encontra-se em um banco com angulação de 45º, ou o que chamamos de supino inclinado e com a mesma carga. O movimento é facilitado ou dificultado? Pela biomecânica do exercício e pelo grau de isolamento no peitoral, ele será dificultado. Logo, você ou realizará menos repetições, ou realizará repetições parcialmente completas ou terá de diminuir o peso. Agora, imaginemos uma terceira situação: Você, ao invés de realizar o supino em um banco, seja ele reto ou inclinado, onde você tem todo um apoio e suporte, focando no músculo específico alvo (apesar de simultaneamente estar trabalhando diversos outros músculos auxiliares e sinérgicos também), você está em uma bola daquelas de Pilattes que toda academia tem. Será que você, se quer conseguiria realizar o movimento com esta carga? Eu, particularmente duvido! Mas, por que isso ocorre? Simplesmente porque causamos uma desestabilidade no corpo, forçando-o a trabalhar e ativar outros grupamentos musculares, além, claro do grupamento alvo principal. Isso faz com que mais energia seja desprendida para o controle, equilíbrio e força, faz com que você fique ainda menos relaxado e então, através dessa desestabilidade é que começamos a obter certa estabilidade. Isso fará com que posteriormente isso possa ter algum tipo de aplicação no treino básico com pesos. Imagine que, dificilmente um atleta que realiza 10 repetições de chest press em um banco de supino com halteres de 40kg realizará a mesma façanha em uma bola de Pilates, assim como, acho muito mais provável que um atleta que realize essas repetições na bola de Pilates consiga fazer o mesmo no banco de supino e, se brincar muito mais facilmente, com mais carga e talvez mais repetições. Claro que os benefícios não param por aí: Muitas vezes esquecemos de até mesmo respirar corretamente quando trabalhamos com altas cargas na musculação clássica (tanto porque, na maioria dos casos o que vemos são apenas apneias) e, o corpo necessita de uma boa oxigenação nos tecidos para continuar com máxima eficiência no exercício físico. O treinamento funcional muitas vezes pode auxiliar neste processo, favorecendo um pouco as condições cardiovasculares do atleta no treino clássico.

    Mas é óbvio: Para quem deseja hipertrofia máxima, a regra é SEMPRE dar preferência aos pesos básicos.

    A aplicabilidade do treinamento funcional também pode envolver a readaptação e/ou a recuperação de indivíduos e atletas que se encontram em estado de lesão. Muitas vezes, esses atletas são impedidos de realizar determinado movimento ou até mesmo podem realizá-lo, mas, sem gerar lá grande sobrecarga. Assim, no caso do fisiculturismo especificamente, necessitamos exercitar e estimular aquele grupamento da melhor maneira possível e, claro, da forma mais intensa possível. E é aí que podem entrar alguns princípios de treinos e técnicas funcionais. Grandes nomes do Bodybuilding como Charless Glass são bastante adeptos a isso.

    Assim, não vejo o treinamento funcional como substituto da musculação para um indivíduo sadio, apesar de achar a musculação um substituto para o treinamento funcional. Mas, o vejo como um complemento que pode ser aliado em algumas épocas/fases, otimizando ainda mais os ganhos. Porém, cabe ao praticante da modalidade ao optar por um método ou por outro pesquisando a respeito e ouvindo a opinião dos mais diferenciados profissionais possíveis, fazendo com que o aval seja dado diante do que melhor lhe for encaixado e conveniente, respeitando os limites do corpo, as preferências pessoas etc. Por isso, MUITA ATENÇÃO NESSES MÉTODOS QUE SÃO DIA-A-DIA LANÇADOS. A indústria do bem-estar na verdade pode ser uma faca de dois gumes e você certamente vai querer sempre o seu MELHOR, não é mesmo?

    Bons Treinos!

    Artigo escrito por Marcelo Sendon (@marcelosendon)

    5 Comentários

    1. Wanderley 4 anos atrás
    2. clelia gean 4 anos atrás
    3. Medeiros 5 anos atrás
    4. Tonny Douglas 5 anos atrás
    5. Márcio Lucas 5 anos atrás


    /* */