Entenda o que são lipídios e sua função dentro do organismo

POR -

Conheça a função dos lipídios, a importância deles dentro da dieta, seu uso, seus benefícios e sobre colesterol bom e ruim

Lipídios, ou popularmente “gorduras” são biomoléculas compostas por elementos orgânicos insolúveis em água ou parcialmente solúveis.

Sempre que falamos sobre lipídios, tomamos como base a fonte mais comum da substância presente na dieta, que é o Triacilglicerol ou simplesmente TAG. Este é um composto de um glicerol ligado em três glicerol, sendo que cada um destes possui um radical diferente, obtendo assim a função ou o tipo do lipídio em questão.

Os lipídios podem ser classificados de diferentes formas, como por seu tamanho (lipídios de cadeia curta, média, longa e muito longa), por seu grau de saturação (saturados ou insaturados), por sua função, por seu grau de polaridade ou solubilidade (sendo que quanto maior o lipídio, menor será seu grau de solubilidade em água).

Porém, o enfoque aqui não é bioquímico, mas sim, funcional. Então, é prudente que conheçamos algumas propriedades dos lipídios na prática, desde seu consumo, até digestão e utilização no corpo.

[ad#2]Na dieta, os lipídios são encontrados em diversos alimentos em proporções diferentes. Todavia, as fontes mais comuns de lipídios são óleos e gorduras, lembrando que o que os diferencia são o estado físico em temperatura ambiente, visto que óleos são líquidos e gorduras são sólidas ou parcialmente sólidas.

Esses lipídios são consumidos e logo na boca há a primeira enzima digestiva de lipídios, a lípase lingual. Porém, esta enzima não atua muito bem na quebra das moléculas de lipídios, visto que ela fica pouco tempo em contato com a substância até que seja desnaturada no trato digestório inferior pelo ácido pH e também pela não emulsificação dos lipídios na boca. No estômago, a maior ação é da lípase gástrica, hidrolisando um pouco mais estas moléculas. Mas, efetivamente, é com a lípase pancreática (secretada no duodeno), presente no suco pancreático, que efetivamente ocorre a hidrólise dos lipídios. Isso porque, a ação dos sais biliares produzidos pelo fígado e liberado pela vesícula biliar (estimulada pela CCK) tem ação detergente nos lipídios, ou poder emulsificante. Esta ação forma dos lipídios o que chamamos de micelas, compostos com a parte apolar para dentro da substância e a parte polar, para fora, possibilitando assim que posam ultrapassar as membranas das células do intestino. E é lá que estes lipídios (em especial os ácidos graxos e os monoglicerídios) novamente são reagrupados (juntamente com o colesterol e fosfoluídios, que também são lipídios) formando os quilomicrons. Estes quilomícrons são transportados para o fígado pela corrente sanguínea e lá são convertidos em lipoproteínas que são estruturas de transporte de outros lipídios, conferindo assim o papel completo e suas determinadas funções no organismo humano.

A ingestão de lipídios é essencial e mais do que necessária para que possamos ter uma dieta equilibrada e para que possamos realizar os processos biológicos de maneira adequada. Isso porque essas moléculas não tem função unicamente energética mas, diversas outras funções como:

- Estrutural, participando das membranas celulares e de outras estruturas;
– Função térmica, ajudando na manutenção da temperatura corpórea;
– Função impermeabilizante, fazendo com que o meio interno fique melhor isolado ao meio externo;
– Matéria prima para produção de sais biliares (colesterol);
– Matéria prima para produção de prostaglandinas;
– Matéria prima para a produção de hormônios esteróides, como a testosterona, a progesterona e o estrógeno (colesterol);
– Produção de eicosanóides antiinflamatórios (e eventualmente inflamatórios) etc.

Vastamente, a utilização dos lipídios na dieta é algo de diferentes parâmetros e protocolos. Isso porque hoje, muitas dietas são adeptas de um consumo relativamente alta de lipídios, utilizando-os como fonte de energia no lugar da glicose. O fato é que esse tipo de dieta realmente não é muito correta, afinal, não serão usados apenas os lipídios para a via energética, mas os aminoácidos, após perderem seu radical amina. Todavia, não podemos deixar de dizer que o consumo de lipídios é sim necessário. Indivíduos que apresentam um consumo inadequado de lipídos podem apresentar deficiências hormonais, deficiências em produção de algumas substâncias no corpo, baixo peso, retardo no crescimento entre outros.

Banner Proteína da Carne Predators Prey

Porém, sabendo da importância do consumo de lipídios, devemos saber o quanto consumir e as principais fontes de cada lipídio, não é mesmo?

A recomendação que se tem hoje é de um consumo de 15%-30% do valor total da dieta. Isso é o que corresponde a mais ou menos 60g de lipídios nas quantidades máximas e 30g nas quantidades mínimas. Todavia, esse valor pode ser totalmente alterado de acordo com as necessidades individuais do indivíduo.

Essa quantidade deve vir em maior parte de lipídios insaturados, podendo ser monoinsaturados, poliinsaturados etc. Normalmente estes lipídios estão presentes nos óleos vegetais em geral, nas oleaginosas, em alguns peixes (como a sardinha e o salmão) entre outros. Dentro desses lipídios, costumamos destacar a importância do consumo de ômega-3 que é deficiente na dieta ocidental. As recomendações são de 1g de ômega 3 para cada 6g de ômega-6. Isso para otimizar os processos enzimáticos e não saturar as enzimas (em especial as elongases e dessaturases) apenas com um tipo de lipídio. Essa recomendação a respeito dos dois lipídios essenciais (ou seja, que necessitamos comer), entre outras, é dada na medida em que, o ômega-3 é um ótimo lipído para a produção de eicosanóides antiinflamatórios, enquanto o ômega-6 (rico na dieta ocidental) para eicosanóides pró-inflamatórios. Além disso, alguns estudos mais recentes apontam o ômega-3 como um lipídio aliado ao emagrecimento, quando comparado com outros lipídios.

Muitos costumam condenar os lipídios saturados. E de fato em excesso eles não apresentam vantagens maiores que as desvantagens ao organismo. Hoje, tem-se como base o consumo médio de 10% da dieta em lipídios saturados (normalmente vindos de derivados de animais, óleo de côco e alimentos processados). Isso confere um balanço de produção hormonal otimizado ao corpo, inclusive.

Conclusivamente, devemos ter um aporte apropriado na quantidade equalidade dos lipídios, visando saúde, performance e um ótimo rendimento nos processos metabólicos do corpo, resultando em uma vida muito mais saudável.

LDL ruim e HDL bom?

Falando de lipídeos, fica impossível não lembrar da importância das lipoproteínas transportadoras de lipídios. Estas, são algumas como os quilomícrons, a LDL, o HDL, a VLDL e a IDL. Todavia, quando falamos de exames e de colesterolemia, as que mais nos interessam efetivamente é a LDL e a HDL.

Durante muito tempo e, ainda hoje, o termo “colesterol bom” ou “colesterol ruim” foi lançado aos menos entendidos. Mas vamos explicar, na verdade, o que ocorre. Mas será mesmo que o corpo teria a capacidade de produzir propositalmente algo que pudesse prejudicar a si mesmo? Não, com certeza não!

Em primeiro lugar, LDL e HDL NÃO são moléculas de colesterol, mas sim, como dito, são lipoproteínas que transportam lipídios. Em segundo lugar, o colesterol não é bom ou ruim, é uma substância importante para o corpo, que desempenha papel fundamental nas membranas, na formação de sais biliares, na produção hormonal etc. O que na verdade existe é a molécula de colesterol livre, e a molécula de colesterol esterificada, ou seja, menos solúvel em água.

Todavia, pela certa insolubilidade em água, o colesterol tanto endógeno quanto exógeno é transportado por essas lipoproteínas. Todavia, a LDL é a responsável por grande parte do transporte de colesterol exógeno, ou seja, vindo da dieta. Todavia, a ligação que ocorre entre a LDL e a molécula de colesterol é fraca, possibilitando que, na falta de uso de colesterol, ele seja “depositado” nas artérias (e na verdade nem é o colesterol que fica estocado, mas o que causa a tal obstrução arterial são os processos inflamatórios no local). E, simplesmente por isso, ela é conhecida como aterogênica (e claro que devemos assumir também que níveis altos de colesterol são extremamente prejudiciais à saúde, principalmente ao sistema cardiovascular.) Já a HDL tem a função de “transporte inverso”, ou seja, da ligação com o colesterol de maneira mais forte nas periferias e trazendo para o fígado, para que o mesmo exerça os processos metabólicos necessários.

Por isso, não devemos ter medo dessas lipoproteínas, mas sim, sempre estabelecer um equilíbrio para que as mesmas possuam um ótimo benefício na saúde.

Conclusão:

Sabendo quantificar e qualificar os lipídios na dieta, podemos manipular sua ingestão de acordo com nossos objetivos, visando físico, mas também saúde.

Artigo escrito por Marcelo Sendon


Você curtiu esse artigo?  

Suplementos em promoção

Comente usando seu perfil no facebook


9 comentários em Entenda o que são lipídios e sua função dentro do organismo

Deixe seu comentário



Importante
Nós do site Dicasdemusculacao.com, não recomendamos o uso de NENHUM medicamento e/ou suplemento alimentar sem a prévia recomendação de um médico ou nutricionista. Não comece nenhuma rotina de treino sem a supervisão de um profissional da área do esporte. Nós NÃO NOS RESPONSABILIZAMOS por nenhum dano que as informações contidas neste site venha a lhe causar. Usar sem uma consulta a um especialista na área, será colocar a sua vida em risco. Lembre-se disto!
x