• Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 receitas para Ganho de Massa Muscular e Perda de Gordura.

  • X

    Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 Receitas para Ganho de Massa e Perda de Gordura.

  • Cadastre seu e-mail, e receba todas nossas publicações   

    Jack3D X Jack3D Micro: Eles são mesmo suplementos diferentes?

    Analise sobre a antiga fórmula do Jack3D e a nova fórmula do Jack3D Micro. Será que são produto semelhantes e com mesma eficácia?

    Uma das maiores febres mundiais nos últimos dois anos, não só relacionadas aos praticantes de atividades físicas, mas à mídia em geral, ao marketing e as empresas de suplementos alimentares, foi o lançado pela respeitada empresa que, diga-se de passagem, ancorou seu nome justamente por este produto, foi o Jack3D, de pronúncia “Jhéquedi” e não “Jhéque três dê” como muitos costumam dizer. Refiro-me a febre do suplemento, fazendo-o ficar conhecido, amado e odiado ao mesmo tempo pelas mais diferenciadas pessoas.

    jack3d-e-jack3d-micro-sao-suplementos-diferentes

    Banner_336x280_Jack3d

    Primeiramente, a USP Labs lançou aquele pequeno suplemento de pote que mais parecia com o rótulo de algo digital, o qual reservava um mistério a mais, intrigante ao ponto de fazer quaisquer pessoas quererem ao menos experimentar por um ou dois dias os efeitos daquele pó de sabor forte e bastante atípico, que era consumido em pequenas quantidades pelo alto nível de concentração do mesmo.

    Quando o uso tornou-se mais divulgado e conhecido, por conseguinte, Jack3D passou a ser um suplemento olhado com segundos olhos, na medida em que, suspeitosamente, alguns relatos maléficos do produto começaram a aparecer, improvando toda aquela inquestionável eficácia, até então. Relatos esses que ultrapassavam a ineficácia da ergogênese do produto, mas, que pouco a pouco foram evoluindo de pequenas agitações, insônias e outros para relatos de desmaios e, não demorou muito para caírem na mídia inúmeros indivíduos mortos e, aparentemente culpando o uso (talvez superuso) de Jack3D.

    Pouco demorou, até que Jack3D, que nunca foi liberado no Brasil e em inúmeros países, fosse proibido pela FDA ou, “Food and Drug Administration”, responsável pela qualificação e aprovação/reprovação de substâncias e compostos produzidos e, consequentemente administrados nos EUA. Mas, obviamente, a USP Labs não poderia deixar bandeira e, logo passou adiante, elaborando a nova fórmula do produto, o Jack3D Micro, o qual recentemente chegou ao mercado ilegal brasileiro também. Hoje, aprovado em apenas alguns países, Jack3D Micro também é um grande mistério. Mas, afinal, o que há de diferente nestes dois produtos?

    Para entendermos melhor isso, é interessante primeiramente que conheçamos os ingredientes básicos que compõe ambas as fórmulas e, as principais funções de cada, não é mesmo?

    Jack3D

    Foto do Produto Jack3d

    O primeiro ingrediente que compõe a o blend de Jack3D é o Synergistic Methylxanthine Matrix™ é a a cafeína, um milenar composto natural da família das xantinas. Este, além de ser um potente estimulante do sistema nervoso central, na medida em que, estimula a produção de catecolaminas como a noradrenalina, principalmente quando consumido dentro de protocolos corretos, possui efeitos diuréticos, depurativos, termogênicos e ao aumento de sudorese. Hoje, a cafeína é um dos compostos de maior eficácia relacionados à lipólise e ergogênese.

    O segundo ingrediente, também da família das xantinas e com efeitos próximos aos da cafeína, porém de depuração mais lenta é a Teofilina.

    Por sua vez, o terceiro ingrediente e, de maior polêmica, é a 1,3-Dimethylamylamine um ergogênico também da família das xantinas com altíssimo poder estimulante do sistema nervoso central. Este composto é encontrado na flor de Gerânio e possui efeitos muito próximos ao da efedrina, podendo, inclusive gerar malefícios referentes à dependência.

    Este composto foi responsabilizado por inúmeras mortes que ocorreram possivelmente devido ao uso do produto. Mas, agora, ei de indagar algo: Quanto desse suplemento foi consumido? Qual era o grau de tolerância do indivíduo? Quem recomendou a utilização de X suplemento na Y dosagem? O indivíduo mesmo era ciente dos riscos que corria ao ingerir uma dose ou algo acima do recomendado? Qual era a idade do indivíduo que usou o produto? O mesmo foi misturado com alguma outra substância, seja ergogênica, drogas recreativas ou até mesmo álcool? Vejam, não quero discutir o quão é ou não perigosa a 1,3-D (DMMA), mas sim, o que há por trás de toda essa má divulgação.

    Banner_600x300_Jack3d

    O próximo ingrediente do blend é o Dibenzo, um composto da família das Benzodiazepinas, substâncias essas capazes de diminuir a atividade cerebral. Este, por exemplo, está presente nos conhecidos Rivotril e Lexotan. Porém, apesar dessa diminuição, alguns fatores relacionados ao sistema simpático podem ocorrer, tais quais, agitações, ansiedade excessiva, euforia, confusão mental, sudorese, entre outros. Assim como a Teofilina, também pode causar dependência química e psicológica.

    Juntamente com o Dibenzo, o 2, 3, 4, 1, 2, 3-hexamethoxy-6,7-dimetil-1, 2,3,4-dibenzo-1,3-cyclooctadien-6-Ol , ou o Schizandrol A, auxilia na inibição do SNC. Este composto tem sido relacionado com problemas tais quais a depressão. A periculosidade desse composto é tão alta que, até mesmo as pesquisas com humanos são poucas.

    Entre as substâncias não perigosas presentes na fórmula e de caráter mais nutricional está a creatina, responsável por aumentar os níveis de restauração de ATP no músculo, a Beta-Alanina, responsável por, quando hidrolisada liberar a Carnosina, capaz de regular o pH muscular durante a atividade física, a arginina, de caráter contraditório quanto a ergogênese em pesquisas científicas relacionadas à produção de óxido nítrico e síntese proteica e o Alfa-Cetoglutarato, responsável na participação da formação de energia celular, além de participar de processos relacionados ao sistema imunológico.

    Como podemos observar, Jack3D, em sua versão antiga é um suplemento capaz de provar ergogênese e, ao mesmo tempo, por seu caráter de compostos nutricionais ergogênicos seguros, de ser um bom produto, se não fossem por alguns dos primeiros ingredientes como o Dibenzo e o Schizandrol A.

    Jack3D esta sendo fabricado em sua versão sem o DMAA e está foi liberada para vendas no Brasil, agora você pode comprar em lojas brasileiras e a primeira a venda é nossa parceira! CLIQUE AQUIe peça já o seu.

    Jack3D Micro

    Foto do produto Jack3d Micro

    Para quem acredita que a mudança de Jack3D em sua antiga fórmula, para Jack3D Micro, foi apenas a retirada da maioria dos sabores do produto (restando apenas o ponche de frutas e o Lima limão), além de uma absorção um pouco mais rápida, recomendo que não pare de ler por aqui…

    A USP Labs, não poderia deixar seu nome comprometido e tampouco deixar de continuar seu sucesso obtido com seus ótimos produtos. Então, desta forma, decidiu entrar nos conformes, segundo as regras e obrigações estabelecidas pela FDA e lançar o Jack3D Micro, uma fórmula evoluída e, aparentemente sem os mesmos riscos os quais Jack3d em sua antiga forma apresentava.

    Oficialmente lançado em agosto de 2012, Jack3d Micro, entre as principais alterações, teve a retirada (obviamente) da DMMA. Além dessa, todas as substâncias de alta periculosidade e risco de dependência tais quais o Dibenzo e o S.A. foram retirados ou substituídos por compostos muito menos prejudiciais.

    Basicamente, ele foi todo reformulado e, o que sobrou mesmo da fórmula antiga a respeito de estimulantes foi a cafeína, tendo por conseguinte, a adição de Norcloclaurina, um composto encontrado em algumas plantas, frutos e raízes, a qual possui a capacidade de aumentar a sensibilidade dos receptores beta-2 adrenérgicos, responsáveis, entre outros por fazer com que se elevem os níveis de cAMP e, consequentemente, se formem maiores sinalizações lipolíticas. Então, assim como a cafeína, estimulará a produção de catecolaminas, a nocorclaurina terá a função de aumentar a sensibilidade dos receptores destes, formando um ótimo complexo.

    Quanto a formação de óxido nítrico, o produto insistiu na controversa arginina, mas, além dela, adicionou a L-Citrulina, também indutora do óxido nítrico.

    Infelizmente, por alguma razão pela qual não sei ao certo, retiraram os principais ingredientes anabólicos da fórmula, sendo eles a creatina, em primeiríssimo lugar e, em segundo lugar a Beta-Alanina, suplementos de alta eficácia e inúmeros estudos que são pertinentes e que os aprovam. Isso faz do produto um tanto quanto contraditório, na medida em que, apostam, por um lado em um suplemento duvidoso de arginina e não se concentram no que é cientificamente comprovado.

    Uma última, mas, alteração importante feita no produto, ou, pelo menos, na recomendação do uso do produto é que ele seja ingerido cerca de 30-40 minutos antes do treino, diferente da anterior fórmula que propunha algo em torno de PELO MENOS 2h, dando uma grande janela entre a alimentação, uso do produto e o treino, o que poderia, largamente, prejudicar o rendimento em geral do treinamento, principalmente falando de treinamentos que visam a performance anaeróbia.

    O Jack3D Micro não tem registro na ANVISA e por isso não pode ser comercializado no Brasil. Mas você pode comprá-lo de fora do país e receber em sua casa, basta CLICAR AQUI.

    Conclusão:

    Pelo que podemos observar nesta analise, foi de que estes são suplementos quase que totalmente diferentes. Onde um é um suplemento eficaz, porém perigoso e já sua nova fórmula onde foi totalmente restruturado e retirado os potentes estimulantes, utiliza-se de algumas substâncias que são duvidosas e retira os principais ingredientes anabólicos.

    Enquanto, por um lado, obtinha-se um suplemento a base de potentes estimulantes do sistema nervoso central, aliado a uma fórmula anabólica e de melhora de performance, hoje, temos mais um suplemento que lembra a composição e a finalidade de um termogênico do que um suplemento construtor muscular.

    Pois bem, acima de tudo, recomenda-se que o uso do mesmo, assim como de quaisquer outros suplementos alimentares, proibidos ou não no Brasil apenas por recomendação profissional (apesar de que, eticamente, o profissional NÃO deve prescrever quaisquer substâncias proibidas, mas, devemos nos ater a realidade também!).

    Lembre-se que, acima de quaisquer suplementos, para obter bons ganhos, sejam eles de massa muscular, resistência ou definição corpórea, nutrição, treinamento e descanso ainda são a chave do sucesso!

    Bons treinos e valorize sua saúde!

    Artigo escrito por Marcelo Sendon

    3 Comentários

    1. Pedro Damasceno 4 anos atrás
    2. HPMF 4 anos atrás
    3. Alan Guimarães 4 anos atrás


    /* */