• Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 receitas para Ganho de Massa Muscular e Perda de Gordura.

  • X

    Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 Receitas para Ganho de Massa e Perda de Gordura.

  • Cadastre seu e-mail, e receba todas nossas publicações   

    Musculação, suplementação e dieta na adolescência – Pt2

    Se você tem dúvidas quanto a musculação na adolescência, leia este artigo e saiba tudo sobre musculação, suplementação e dieta na infância/adolescência – Pt2

    Comprar Suplemento BCAA Optimum Nutrition

    Isto justifica talvez o porquê de não termos nascido para correr ou para nadar, mas sim, para realizar movimentos próprios que nosso corpo nos permite e isso, desde os primórdios. Aliás, imagine se com tamanha luta pela sobrevivência, na idade da pedra, o homem decidisse correr de um leopardo ao invés de utilizar alguma técnica para escapar do animal; provavelmente nem existiríamos hoje. Você já parou para observar a biomecânica e a sinergia entre sua coluna vertebral, o quadril e os joelhos (isso sem contar a musculatura que envolve toda essa região)? Fomos feitos para realizar movimento anatomicamente projetados para nosso corpo. E se você perceber, levantamentos básicos normalmente obedecem esses padrões pré-estabelecidos.

    [ad#2]O interessante nisso é ver como em muitas academias faz-se o incentivo da criança ou do adolescente na realização de atividades como futebol, atividades de alto impacto como corridas ou até mesmo atividades secundárias como o alongamento. Até mesmo atividades comuns da infância como subir em árvores, pular de lugares altos ou algum tipo de luta mal orientada entram nessa lista. O fato é que se pegarmos protocolos de fisioterapia e/ou ortopedia relacionado a lesões na prática esportiva, vamos observar que o esporte que mais possui pessoas lesionadas é o futebol e as principais lesões estão justamente na região do tornozelo e do joelho. É suficiente para mostrar como o impacto, propriamente dito ou o risco de contusão por choque é muito maior do que se executarmos um trabalho coerente de musculação? E isso, se estivermos falando unicamente dos riscos.

    É muito mais coerente e, diga-se de passagem uma criança assistida e orientada dentro de uma sala de musculação dentro de programas adequados do que deixá-la literalmente “a ver navios”.

    Cupom de Desconto DDM

    Mas e quanto ao crescimento ósseo ou desenvolvimento do corpo em si? Será que a musculação realmente pode atrapalhar em algo? Sinceramente, apesar de controverso, a ciência está mais para o lado de que ela é um benefício e não um malefício. Por exemplo, poderíamos começar falando sobre a formação dos ossos do carpo que terminam por volta dos 12 anos e a partir dali já tem-se uma segurança relativa em uma das regiões mais usadas do corpo. Além disso, quase 80% dos centros de ossificação aparecem por volta dos 6 anos de idade, chegando até os 12 anos, do osso pisiforme. Mas, gostaria de compartilhar com vocês um trecho de um livro pouco conhecido chamado FISIOLOGIA MÉDICA de pequenos fisiologistas, um americano e outro inglês chamados Arthur Guyton e Marshall Hall presente na página 764 do livro: “(…) Em primeiro lugar, o osso se adapta habitualmente sua força ao grau do estresse ósseo. Por conseguinte, os ossos sofrem espessamento quando submetidos a cargas pesadas. (…) a forma do osso pode ser reorganizada para a sustentação adequada das forças mecânicas. (…) O osso é depositado em porção à carga de compressão que ele deve suportar. Por exemplo, os ossos dos atletas ficam consideravelmente mais pesados que o de outras pessoas. (…)” Lendo isso, nos parece claro então que o que realmente estimula a remodelação óssea e o depósito de minerais (absorção óssea pelos osteoclastos) no osso é realmente a compressão, além dos estímulos endócrinos. Além disso, segundo Hejna et al, 1982 isto pode ser um ótimo preventivo de lesões futuras. Mais tarde afirmado por VALDIR BARBANTI no livro Dicionário de Educação Física e do Esporte (1ªEd.): “OS BENÉFICIOS DO TRINAMENTO DE FORÇA PARA A SAÚDE ÓSSEA SÃO MAIORES DO QUE OS RISCOS. Parece infundado de que o exercício de força seja prejudicial ao crescimento ósseo, pois é fato de que o exercício de força, pode ser o exercício mais poderoso de estímulo ao crescimento e desenvolvimento ósseo. Pode ocorrer lesões na utilização de levantamentos de pesos máximos mediante a técnicas e os programas de treinamentos inadequadas. Porém as técnicas e os programas de treinamento adequados podem reduzir muito o risco de lesões, e fornecer muitos benefícios físicos e psicológicos para a criança.”

    Leia as outras partes deste guia:

    Musculação, suplementação e dieta na adolescência – Pt3

    Musculação, suplementação e dieta na adolescência – Pt4

    Artigo escrito por Marcelo Sendon

    Um Comentário

    1. Douglas 5 anos atrás


    /* */