• Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 receitas para Ganho de Massa Muscular e Perda de Gordura.

  • X

    Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 Receitas para Ganho de Massa e Perda de Gordura.

  • Cadastre seu e-mail, e receba todas nossas publicações   

    O número ideal de repetições na musculação

    Qual o numero ideal de repetição para o meu treino? Saiba já o numero certo de repetições para chegar ao seu objetivo!

    Dentro das academias, podemos buscar centenas de objetivos e podemos visar diferentes metas, mas, a busca pelo desenvolvimento da musculatura hoje é uma das principais atividades dentro das mesmas, sendo que para isso, infinitas são as formas propostas e realizadas a essa finalidade. Hoje vamos entender melhor a questão de repetições dos exercícios, qual é o numero ideal?

    Comprar Whey Isolado VP2

    Inúmeros são os mecanismos que fazem a musculatura se desenvolver de diversas formas: No tamanho das células, no número de células (ainda há controversas), no controle neuromuscular, nas adaptações musculares diversas, entre muitas outras. Desta forma, cada uma delas segue um ou mais mecanismos envolvendo fatores tais quais os genéticos, por fatores fisiológicos, biológicos e até mesmo os externos como os propostos pelo (s) sistema (s) de treino (s), pela alimentação, pela periodização, pelo descanso, entre outros.

    Certamente, se há algo que de fato estimula o crescimento muscular, este pode ser considerado o treinamento e, se estivermos falando especificamente do crescimento máximo muscular, esse é o treinamento resistido com pesos. Apesar de, momentaneamente ser extremamente catabólico, é através dele que possibilitamos que esses mecanismos de desenvolvimento máximo muscular possam acontecer de maneira otimizada, atingindo então o objetivo final. Mas, diante de todos os métodos que existem de treinamento hoje propostos não só no mundo científico ou empírico, mas também no mercado (pois sim, sistemas de treinamento também viraram “produtos”), por qual deles optar? Qual realmente poderá oferecer o máximo estímulo e, frente aos fatores já citados, uma máxima recuperação e, consequentemente o máximo de resultados?

    Ao realizar um exercício nos primeiros dias de academia, uma das principais coisas que fazemos é nos importar não com o trabalho máximo, mas, com o número de repetições. E isso está implícito na mente humana do “quanto mais, melhor”. Portanto, muitos acreditarão que o mais sempre será o melhor. Porém, com o passar do tempo, percebemos que a coisa acontece de maneira teoricamente inversa. E muitos passam a achar que o “menos” (de menos) também seja melhor. E podem acabar pecando por isso também… Mas não é a toa que nos preocupemos tanto com o número de repetições, uma vez que o treinamento resistido basicamente é composto por exercícios com movimentos repetitivos visando a exaustão muscular, a grosso modo. Assim, é talvez conveniente ter uma média para que possamos, não trabalhar demais, oferecendo um trabalho aeróbio com pesos ao músculo (o que não é o melhor mecanismo de crescimento muscular) e nem um trabalho de menos para a mesma finalidade, podendo ser, neste caso, um trabalho submáximo ou um trabalho que vise aspectos mais relacionados a força bruta e explosiva.

    A relevância que há no número de repetições que devem ser realizadas, ainda é algo que gera certa controversa. Isso porque, alguns acreditam piamente que elas possam funcionar e, funcionar bem. Outros, preferem crer que uma média é algo mais seguro a ser feito e, por terceiro, ainda há os que desacreditam que contar repetições funcione de algo.

    O conceito de crescimento muscular hoje é algo muito amplo. Como dito, são muitos os mecanismos para isso acontecer. Entretanto, sabe-se que o principal deles é mesmo a hipertrofia, não um aumento no número de células (hiperplasia – que, repito, também é controverso) e tampouco um aumento no número de músculos em si. A hipertrofia, por sua vez hoje é definida basicamente em duas grandes vertentes, sendo elas a miofibrilar e/ou duradoura (aumento nas fibras musculares, propriamente ditas e supercompensação protéica) e hipertrofia sarcoplasmática e/ou não duradoura que consiste em sua maior parte no aumento de conteúdo intracelular e, de líquido no interstício. Apesar dessa divisão e, da antiga concepção que uma ou outra forma de treinar estimularia uma ou outra, sabe-se também que ambas ocorrem (porém, aí sim em proporções diferentes de acordo com o treinamento) simultaneamente. Isso deve-se a observação que, em atletas que possuíam um tipo de treinamento que teoricamente induziria a um tipo de hipertrofia, como corredores (hipertrofia sarcoplasmática no gastrocnêmio, por exemplo) também conseguiam hipertrofiar o mesmo grupamento muscular através da hipertrofia miofibrilar (que normalmente se era dada a treinamentos tensionais, com levantadores de peso, por exemplo).

    Voltando ao fato do número de repetições, diante de cada método de treino, observamos um número chave de repetições por set, exercício, grupamento muscular ou treino. Números esses que variam das formas mais absurdas possíveis. E qual dizer que está certo ou errado?

    Se observarmos na literatura proposta, por exemplo, em 1992 por Michel Yessis, PhD, obteremos uma tabela que nos permite entender um pouco mais sobre a relevância que há entre as repetições e as possíveis finalidades ocorridas.

    Mas, este ou quaisquer outros protocolos realmente podem ser levados em consideração? Para parâmetros, podemos dizer que sim, porém, na prática ele pode ser um tremendo fracasso para muitos atletas, principalmente os de níveis profissionais que possuem adaptações musculares extremamente diferentes umas das outras e, principalmente cada vez mais resistentes (pelo decorrer dos anos seguidos da prática).

    Cupom de Desconto DDM

    Teoricamente, se quiséssemos trabalhar em um padrão para hipertrofiar a musculatura, deveríamos trabalhar entre 70-95% de nossa capacidade máxima de carga com cerca de 8-15 repetições e, variando as velocidades e descansos como propostos na tabela. Mas, agora, pergunto a você: Sabendo que os mecanismos de hipertrofia não envolvem apenas um fator, será que podemos considerar essa média realmente válida? Pesquisas recentes, por exemplo, vem demonstrando que é possível e, diga-se de passagem, é conveniente que treinos tensionais sejam realizados para que, através do estímulo e consequentemente da supercompensação protéica e estímulos hormonais a musculatura se desenvolva de melhor forma e, forma essa duradoura. E esses treinos tensionais, por exemplo, na tabela, estariam entre os itens 6 e 7, por incrível que pareça, sendo os itens seguintes considerados um tanto quanto submáximos. Por outro lado, não podemos dizer que essas pesquisas não possam parecer um tanto quanto céticas, pois, inúmeros foram e são os atletas que também obtém ótimos resultados segundo protocolos dos itens acima do 6. Contraditório? Diria eu que não…

    Em primeiro lugar, porque quando analisamos essas tabelas gerais, observamos que muitos dos estudos são feitos com pessoas que não são atletas e, tampouco atletas competitivos e/ou de alto padrão. Assim, isso até pode aplicar-se de maneira geral para a população GERAL como uma base ou média a ser seguida.

    Entretanto, a musculação, se bem observarmos pela palavra, significa a ação do músculo. Essa ação, não necessariamente precisa visar algo estético. Portanto, a musculação está presente em nosso dia-a-dia a todo momento e, incluo como praticantes de “ação” muscular os que não praticam algum esporte relacionado a musculação. Desta forma, cremos que não é a ação do músculo em si que o desenvolverá a proporções nas quais nós bodybuilders queremos e objetivamos, mas sim, um trabalho específico para isso, envolvendo não só a atividade física, mas também alimentação, fatores genéticos, descanso, etc. A definição disto, por conseguinte é que esse trabalho é primordialmente específico para cada atleta. Ora, se cada atleta possui uma individualidade fisiobiológica específica, se cada atleta possui necessidades nutricionais específicas, então porque achar que esses atletas também não possuam individualidades em seus treinamentos? Concordo que alguns protocolos científicos podem ser tidos sim como uma forma de tentar otimizar os resultados da maneira mais rápida possível, apenas. Assim, as adaptações que acontecem perante ao treinamento serão sempre variáveis não podendo haver uma única regra.

    Um dos fatores que faz com que tudo isso aconteça, segundo algumas fontes referenciais é a presença dos diferentes tipos de miofibrilas do corpo humano e, de cada indivíduo.

    As miofibrilas, pela literatura são definidas em diversas, porém, essas definições são um tanto quanto contraditórias, mas, para que possamos entender um pouco a respeito do que estou falando, é prudente que conheçamos os principais e mais aceitos tipos que são:

    Slow-Twitch ou Fibras do tipo I, que possuem metabolismo aeróbio, uma atividade baixa da enzima miosina ATPase, baixa velocidade na liberação de cálcio durante a contração muscular, capacidade glicolítica menor, maior número de mitocôndrias e outras organelas, alta concentração de mioglobina combinadas com mitocôndrias e citocromos (responsáveis por sua cor característica), maior metabolismo aeróbio. Essas fibras, normalmente estão envolvidas com o exercício prolongado.

    Fast-Twitch ou Fibras tipo II, que possuem alta capacidade de transmissão eletroquímica dos potenciais de ação na contração muscular, alta atividade da miosina ATPase, liberação de cálcio mais rápida, quando comparada a Slow-Twitch, maior velocidade de contração, melhor sistema glicolítico e metabolismo primariamente anaeróbio. Essas fibras, são recrutadas, principalmente em treinamentos de alta intensidade (como os tensionais).

    Além dessas, ainda podemos encontrar outros subgrupos de fibras musculares, que ao meu ver, são “mesclas” entre um tipo de fibra muscular e outro. Essas, são divididas em:

    Tipo IIA, com contração e capacidade aeróbia moderada;
    Tipo IIB, com um maio potencial anaeróbio, sendo portanto considerada a verdadeira Fast-Twitch FG (fast glicolytic);
    E, por fim, mas, que não será de extrema aplicabilidade para nós aqui, as fibras tipo IIC, envolvidas na inervação motora, pouco diferenciada das outras e rara.

    Assim, através destes mecanismos de crescimento muscular e das adaptações musculares, ainda é controverso acreditar que uma fibra de determinado tipo possa ser mudada para de outro tipo. Ao que tudo indica de mais correto, o treinamento pode induzir mudanças perante ao aumento da capacidade das Fast-Twitch ou vice-versa, compactuando então com o que já discutimos sobre hipertrofia sarcoplasmática e miofibrilar e o tempo com que cada uma delas acontece (simultaneamente).

    Um último conceito que poderíamos trabalhar é então um conceito proposto por Mike Mentzer que, se adaptado, pode ser muito bem utilizado: Mentzer propunha, segundo estudos baseados em fisiologia que, o músculo é hipertrofiado de melhor maneira quando realizado um trabalho entre 30-90 segundos, sendo a melhor média a de 60 segundos. Por conseguinte, cada indivíduo diante de seu método deveria ter um treinamento com os tempos de durações e contrações musculares diferentes, variando aí, através de algumas fórmulas o quanto cada indivíduo deveria realizar de trabalho anaeróbio (e não aeróbio e tampouco submáximo) em cada set. Isso possibilitava definir também que, cada indivíduo poderia geneticamente ter predominância de tipos de fibras musculares em determinada musculatura. Por exemplo, alguns indivíduos predominantemente com fibras do tipo I nas pernas necessitariam de um número X maior de repetições para realmente trabalhar as pernas de maneira eficaz, ou, no caso de um indivíduo predominantemente com fibras do tipo IIb, um número X de repetições, menores.

    Creio que, talvez essa não seja de fato a maior aplicabilidade, mas, nos permite mostrar o quão individualizado pode ser o trabalho necessário para se atingir o objetivo proposto.

    Conclusão

    Conclusivamente, podemos dizer que não há uma regra específica para o número de repetições que devem ser realizados para cada grupo muscular, para cada treinamento ou tampouco para cada indivíduo, principalmente se estivermos falando de atletas. Entretanto, o conhecimento científico pode ser tido como um parâmetro para, de certa forma, conseguir errar menos e otimizar os resultados. Por fim, ao que tudo indica, o resultado final realmente virá da mescla empírica científica, uma complementando a outra de indivíduo para indivíduo, tornando a musculação não um esporte geral, mas, extremamente específico, fazendo com que o que possa funciona muito bem para alguns indivíduos, seja um fracasso para outros ou vice-versa.

    Bons treinos.

    Artigo escrito por Marcelo Sendon (@marcelosendon)

    13 Comentários

    1. Jorge amado 3 anos atrás
    2. Jorge amado 3 anos atrás
    3. will 4 anos atrás
    4. Philipe 4 anos atrás
    5. Driely 4 anos atrás
    6. JULIANA 4 anos atrás
    7. Vivianne 4 anos atrás
    8. Elaine 4 anos atrás
    9. gerro 4 anos atrás
    10. eliane da silva menezes 4 anos atrás
    11. Tonny Douglas 4 anos atrás
    12. Geovane 4 anos atrás
    13. Glauco 4 anos atrás


    /* */