• Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 receitas para Ganho de Massa Muscular e Perda de Gordura.

  • X

    Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 Receitas para Ganho de Massa e Perda de Gordura.

  • Cadastre seu e-mail, e receba todas nossas publicações   

    A recuperação muscular tem ligação com o biótipo corpóreo da pessoa?

    Compreenda se o biotipo do individuo influencia no tempo de recuperação do músculo ou não.

    Muito se fala sobre biótipos corpóreos, assim como a influência que eles têm sobre os caminhos que devemos seguir na musculação frente aos seus diferentes subgrupos. Em outras palavras, normalmente, costuma-se disseminar que o biótipo define a forma com que o indivíduo deva treinar, deva se alimentar e até mesmo descansar. E não é a toa que vemos frequentemente recomendações para “endomorfos inserirem aeróbios em sua rotina” ou para “ectomorfos adotarem um treinamento menos volumoso”, entre outras tantas.

    musculos-contraidos-e-recuperados

    Comprar Suplemento BCAA Optimum Nutrition

    Porém, se tratando especificamente do período de recuperação entre cada sessão, podemos dizer que o biótipo corpóreo possui essa influência? Até que ponto devemos descansar de acordo com ele? Aliás, será mesmo que o biótipo corpóreo seja o melhor indicador do caminho a ser seguido? Tentaremos responder essas e elucidar melhor a questão do biotipo e recuperação do corpo no decorrer do artigo.

    Os diferentes biótipos corpóreos

    Hoje, sabe-se que um indivíduo não possui apenas um biótipo, mas que ele é uma junção de diferentes grandes biótipos corpóreos conhecidos e uma ligação de característica entre eles. Isso basicamente implica que apesar de haver uma influência maior de um ou de outro tipo de corpo, esse indivíduo possui também características de outro. Porém, a grosso modo, pode-se dizer que as três grandes divisões são:

    Endomorfos: Indivíduos caracterizados por ossos largos, metabolismo mais lento, maior acúmulo de gordura subcutânea e maior dificuldade no ganho de massa muscular seca. Seu ganho de peso costuma ser rápido e sua qualidade muscular é mais difícil de ocorrer.

    Mesomorfos: Considerados o “tipo ideal para ganho de massa muscular”, eles possuem bom metabolismo, ossos densos e largos e estruturas grandes. Possuem uma boa linha muscular, mas, também podem vir a acumular gordura subcutânea com dieta e incorreta.

    Ectomorfos: Indivíduos de ossos finos, pequenos e franzinos. Com baixo percentual de gordura, também possuem baixa capacidade para ganho de massa muscular. Normalmente são indivíduos de baixo peso, mas, que com boa dieta podem apresentar ótima linha corpórea, devido também ao seu rápido metabolismo.

    biotipo-ectomorfo-mesomorfo-e-endomorfo

    Sendo assim, ninguém é puramente ectomorfo, endomorfo ou mesomorfo, mas podemos ter características ósseas de um grupo, metabólicas de outro, musculares de outro e etc.

    Para definir melhor seu biótipo, você deve entender quais são as PRINCIPAIS características de cada um que você tem e, as proporções com as quais elas ocorrem.

    As recomendações de treinamento para cada biótipo corpóreo

    Recomenda-se popularmente diferentes métodos de treino para cada biótipo corpóreo cru. Por exemplo, recomenda-se maior volume de treino para endomorfos, menor volume de treino para ectomorfos e treinamento denso para mesomorfos. Também recomenda-se a utilização de máximas cargas com ectomorfos e cargas medianas com endomorfos, a fim de empregar maior volume de treino. Isso, entre outras tantas predições.

    Cupom de Desconto DDM

    O mesmo se dá ao tempo de descanso e/ou recuperação entre as sessões de treinamento. Ectomorfos são sugeridos de descansarem mais do que endomorfos, e mesomorfos em uma proporção mediana. Mas, o que dizer de indivíduos que, por exemplo, apresentaram-se na história com grandes linhas de ectomorfismo e através de treinamentos volumosos obtiveram ótimos resultados? Ou o que dizer de indivíduos endomorfos que tiveram bons resultados com treinamentos breves e infrequentes? Estariam todas essas recomendações anteriores erradas?

    Na verdade não… Quando falamos de recuperação muscular, devemos entender que essa é uma questão muito mais pessoal do que teórica, entretanto sua teoria tem de ser existente para que haja uma base de início de seguimento. Por exemplo, analogicamente, quando temos um indivíduo que esteja fazendo uma dieta que está sendo eficaz para perda de gordura corpórea, mas nela está ingerindo muito mais carboidratos do que o “normalmente devido”, temos uma exceção à regra. Apesar de sabermos que há uma necessidade de redução de carboidratos para perder gordura de maneira eficiente, isso pode não ser válido para todo e qualquer indivíduo. Da mesma forma, indivíduos podem ter diferentes recuperações com diferentes estímulos e intensidades em seus treinamentos.

    Mas então, como saber qual deva ser seu melhor período de recuperação?

    Para saber qual é o seu melhor tipo de recuperação, nada melhor do que tentar, entretanto, o feeling é uma grande arma para analisar isso. Observe não somente a chamada dor tardia pós-treino, como muitos costumam levar em consideração, mas observe também aspectos como suas condições motivacionais mentais, sua progressão ou não no treinamento seguinte, uma resistência ao realizar o treinamento seguinte, possíveis dores e/ou desconfortos em tendões, ligamentos e articulações, entre outros pontos. É necessário que todos estes pontos estejam 100% para você estar REALMENTE recuperado.

    massagem-apos-treino

    Independentemente de qual seja seu biótipo, o importante é estar recuperado, pois, do contrário, você enfrentará problemas como queda de performance, overeaching, overtraining, chances de lesões, entre outros. Muitos negligenciam essa importância, pois pouco sabem o valor que ela tem para a progressão sempre contínua nos treinamentos.

    Conclusão:

    Concluímos que nem tudo o biotipo é um ditador de regras. Na recuperação pouco importa o tipo de biotipo, pois não existe uma recuperação adequada para cada tipo de biotipo. O que existe é uma recuperação adequada para cada tipo de pessoa. Existem pessoas que com 48h estarão bem, como existem pessoas que precisam de 96h, enfim, tudo varia e irá depender de como seu corpo irá responder. E essa resposta, só você saberá e só você descobrirá. Portanto, em tentativas e erros, consideremos as necessidades individuais e não as regras como principais agentes na hora de decidir o quanto nós devemos nos recuperar.

    Lembre-se que, independente do tempo, o importante é SEMPRE estar bem recuperado na próxima sessão de treino, visando assim novas adaptações e obtendo progressos lineares.

    Bons treinos!

    Artigo escrito por Marcelo Sendon (@marcelosendon)



    /* */