• Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 receitas para Ganho de Massa Muscular e Perda de Gordura.

  • X

    Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 Receitas para Ganho de Massa e Perda de Gordura.

  • Cadastre seu e-mail, e receba todas nossas publicações   

    Suplementos alimentares X Alimentos sólidos: Qual a melhor opção para o praticante de musculação?

    Entre a ingestão de suplementos alimentares e a ingestão de alimentos sólidos, qual é o melhor para nós, praticantes de musculação? Descubra a resposta neste artigo!

    A alimentação é algo extremamente importante para a o desenvolvimento, manutenção e continuidade da vida como um todo. Estejamos falando de seres do reino animal ou não, ela indispensavelmente exerce fatores mais do que vitais. Assim, todo ser vivo possui alguma forma de alimentar-se, a fim de gerar substratos os quais possam dar aporte suficiente para todas essas funções supracitadas. Sem sombra de dúvidas, se tratando do ser mais complexo na escala evolutiva, o ser humano exige ainda mais do que deva ingerir em sua alimentação. Enquanto alguns vegetais necessitam de gás carbônico, luz solar e alguns poucos outros compostos para existir, o ser humano necessita de macronutrientes, como os carboidratos, as proteínas e os lipídios, micronutrientes, como as vitaminas e minerais, oxigênio e a hidratação. Dessa forma, nos é claro perceber que essa complexidade exige um grau de importância relevante quando passamos a entender um pouco mais sobre a ciência da nutrição.

    suplemento-ou-alimento

    Hoje, passamos a entender a manipulação, as interações e outros aspectos os quais necessitamos e podemos fazer com esse ou aquele alimento. Hoje, sabemos que ingerir um peito de frango é ingerir proteínas, sabemos que o arroz é uma boa fonte de carboidrato, que nozes e os lipídios do abacate são essenciais para inúmeros processos celulares, que o colesterol é fundamental na síntese de testosterona, entre outros tantos aspectos. Isso mostra o quão singular é saber alimentar-se de maneira correta.

    Pensando não somente em suprir as necessidades dos praticantes de atividades físicas, criam-se então os suplementos alimentares, a princípio, visando suprir algo o qual a alimentação não poderia suprir ou que fosse requerido em grandes quantidades. Além disso, era necessário que eles facilitassem o consumo alimentar, como no caso de astronautas, por exemplo. Logicamente, esse meio foi difundido ao esporte também, ao perceberem que as demandas de um atleta também eram maiores e não seriam bem supridas apenas com a alimentação tradicional.

    Diante dessa grande difusão dos complementos e suplementos alimentares, seu consumo cada vez mais tornou-se exorbitante e grande, fazendo com que muitos passassem a substituir grande parte da alimentação por suplementação. A grosso modo, se ingerirmos um bife bovino ou ingerirmos uma dose de carnivor, estamos ingerindo proteínas as quais serão hidrolisadas em aminoácido no trato gastroinstestinal para serem posteriormente absorvidas. Porém, será que diante a inúmeros aspectos, como o custo X benefício, a bioeficiência, a biodisponibilidade, a digestibilidade e outros fatores, torna-se mais vantajoso o consumo de uma ou outra forma proteica? O que seria melhor, a alimentação sólida ou a suplementação? Isso dependeria da pessoa? Do caso e momento específico?

    Vamos tentar entender um pouco mais sobre esta questão que muitos tem duvidas…

    Os alimentos sólidos são a base da construção muscular

    balanceamento-entre-alimentos-solidos

    Que suplementos alimentares podem ser grandes aliados no processo de ganho de massa muscular, isso é algo sabido e incontestável. Entretanto, o que dizer de atletas do passado que dispunham apenas dos alimentos para construir seus corpos e que assim o faziam? O que dizer de atletas que dispunham de suplementos alimentares pífios e ruins e com uma boa alimentação atingiam seus resultados?

    Muitos indivíduos nos dias atuais, com tanta tecnologia disponível no mercado, dão importância a mínimas coisas, como 1g ou 2g a mais de carboidratos em uma porção de whey protein. Deixam então de consumi-lo, pagam R$50,00 ou R$100,00 a mais em um outro produto, só pela ausência desse 1g ou 2g a mais de carboidratos. Assim, ficam com menores possibilidades de gastar com uma alimentação adequada e deixam a dieta para segundo plano. Agora, imagine que ele ingira whey protein uma ou no máximo duas vezes ao dia. E o restante das 5 ou 7 refeições? Serão feitas com alimentos ruins? Serão feitas de maneira não adequada, devido a falta de condições financeiras?

    Um outro bom fator a ser observado é que a suplementação muitas vezes não fornece os nutrientes na mesma disponibilidade que os alimentos fornece, mais do que isso, muitos suplementos não podem de maneira isolada fornecer um ou mais nutrientes, apenas uma porção deles. Por exemplo, um hipercalórico com 90g de carboidratos, 30g de proteínas e 10g de lipídios em sua porção, não podemos aumentar isoladamente um nutriente. Se em uma refeição formos usa-lo e necessitarmos de 90g de carboidratos, mas 45g de proteínas, isso fica impossível, pois para conseguirmos os 45g de proteínas teremos de ingerir mais produto, o que resultará em um consumo de 135g e carboidratos, superiores ao que necessitamos. É diferente, por exemplo, se estivermos falando do consumo de frango e arroz, por exemplo. Para essa quantidade, manteríamos cerca de 112g de arroz e ao invés de 150g de frango, 200g de frango, seria a porção.

    Percebem como torna-se mais fácil manipular e ingerir os nutrientes necessários através da alimentação? Isso, sem contar que diferente do hipercalórico, estamos contando com fibras alimentares, podemos escolher o tipo de impacto glicêmico na refeição, contamos com a adição de vitaminas e sais minerais, com a adição de antioxidantes e assim por diante.

    Podendo optar pelo uso de alimentos, essa será sempre a opção primária, pois lembre-se que fomos projetados para tal consumo, não apenas de suplementos.

    Mas então, quando usar os suplementos alimentares?

    Os suplementos alimentares, como citados, são de bom grado para otimizar os resultados. Dessa forma, sua primeira utilização pode ser para a facilitação do consumo alimentar de algum nutrientes ou de mais de um deles. Por exemplo, as vitaminas do complexo B, as quais são facilmente excretadas pelo corpo, participam de inúmeras reações energéticas e podem necessitar de um consumo extra. O mesmo vale para o magnésio ou o selênio, que muitas vezes não são inteiramente supridos na dieta. As deficiências diversas também podem ter auxílio com suplementações, como a carência de cálcio em um intolerante à lactose ou de um alérgico à caseína.

    variedade-de-suplementos-alimentares

    Um segundo caso que bastante pode ser auxiliado por suplementos alimentares são os momentos os quais a alimentação sólida torna-se inviável. Por exemplo, imagine um indivíduo que trabalhe com vendas externas e passe a maior parte do tempo andando, em transportes coletivos e sem possibilidades de parar para se alimentar. Assim, o uso de shakes, barras proteicas e afins pode facilitar o consumo alimentar. Da mesma forma, imagine um indivíduo que treina nas primeiras horas do dia: a alimentação sólida neste instante pode causar desconfortos gástricos durante o treinamento e nem mesmo ser devidamente absorvida. O uso de shakes, proteínas hidrolisadas ou até mesmo aminoácidos pode ser de grande vantagem.

    Os suplementos alimentares ainda podem ser grandes amigos quando não conseguimos fornecer nutrientes ergogênicos através da alimentação. Na verdade, esses suplementos não seriam nem alimentares, mas sim, ergogênicos, propriamente ditos. É o caso da cafeína, da creatina e outros. Para atingirmos uma dosagem de míseros 300mg de cafeína, necessitaríamos de pelo menos 300ml de café forte, enquanto com 1 ou 2 capsulas de suplemento, ultrapassamos esse valor. O mesmo vale para o licopeno, para atingirmos um valor significativo do licopeno da melancia, necessitaríamos comer, em média 10kg do alimento, quando com algumas cápsulas desse antioxidante conseguimos dosagens bem superiores.

    Como é possível observar, o uso de suplementos deve ser evidenciado não como principais compostos da dieta, mas como coadjuvantes a fim de complementar a alimentação sólida.

    A visão da maioria dos bodybuilders a respeito de suplementos X alimentos

    Apesar de grande parte dos profissionais famosos serem patrocinados por alguma empresa de suplementação, acho bastante interessante a opinião que exercem sobre o uso de suplementos na dieta. A maioria tem uma opinião incisiva de que o alimento deve ser a prioridade e quando você faz as coisas corretamente com a dieta, isso é, quando consegue mantê-la sólida e adequada as suas demandas, aí sim os suplementos podem apresentar vantagens e auxiliar nos ganhos.

    Arnold se alimentando com comida

    Não é por acaso que constantemente vemos bodybuilders profissionais alimentando-se com arroz e carne no pós-treino imediato, enquanto muitos de nós estamos preocupados com a marca de nosso whey protein e waxy maize… E no final, fica a pergunta: Quem obtém os melhores ganhos? A resposta da pergunta prova que fundamentalmente é o alimento o verdadeiro construtor de um corpo objetivado.

    Conclusão:

    Os suplementos alimentares podem auxiliar e serem de grande ajuda na dieta. Entretanto, o uso de alimentos sólidos não deve ser negligenciado e deve ser nosso foco primário na busca de bons resultados.

    Lembre-se que suplementos servem para complementar algo existente (no caso, a dieta), dessa forma é errado pensar que sem ter uma dieta, algo possa ser complementado. Portanto, prefira os alimentos e apenas alie alguns suplementos para a otimização dos processos requeridos.

    Bons alimentação!

    Artigo escrito por Marcelo Sendon (@marcelosendon)



    /* */