• Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 receitas para Ganho de Massa Muscular e Perda de Gordura.

  • X

    Ganhe de GRAÇA um E-book com 20 receitas

    Coloque seu e-mail ao lado e receba um e-book com 20 Receitas para Ganho de Massa e Perda de Gordura.

  • Cadastre seu e-mail, e receba todas nossas publicações   

    Treino, dieta e descanso é suficiente para ganho de massa muscular?

    Muitas acham que só treinar, comer e dormir já é o suficiente para se conseguir corpos como de um fisiculturista. Porém será que isso é a realidade?

    Indiscutivelmente, se existem três fatores que podem ser considerados primordiais para um fisiculturismo, estes podem ser considerados a dieta, o treino e o descanso, em proporções equivalentemente iguais para todos eles. Um bom profissional não consegue obter bons resultados unicamente com uma dieta equilibrada e um treino pífio. Assim como não consegue ter um belo corpo treinando monstruosamente bem e tendo uma má alimentação. Ou ainda, que treine ou coma bem e descanse inadequadamente. Aliás, mesmo fazendo duas dessas escolhas bem feitas e pecando em uma delas, os resultados não serão tão bons quanto o que deveríamos obter realizando-as de maneira correta.

    Comprar Suplemento BCAA Optimum Nutrition

    Fico as vezes me perguntando como grandes atletas tais quais Ronnie Coleman, Dorian Yates, Lee Haney ou até mesmo o próprio e atual Jay Cutler conseguiram e conseguem um corpo naquelas proporções de volume, densidade, baixo percentual de gordura e com uma qualidade e simetria imensuravelmente grandes. Muitos simplesmente diriam que esses atletas não perdem uma refeição faz anos, assim como não perdem seu precioso tempo de treino e, por que não citar as horas de descanso também? Todos esses aspectos certamente são o carro chefe para a nossa resposta na medida em que obviamente eles tem importância gigantesca. Mas a resposta não é somente essa. Aliás, a resposta pode estar muito além dos nossos olhos.

    É evidente que sem esses quesitos anteriores eles não chegariam ao nível ao qual estão. Mas se a resposta está além dos nossos olhos então, o que poderíamos deduzir? Uso de esteróides e suplementos de última geração? Sim, mas esse ainda não é o ponto que quero chegar. Ele vai além da evidência. Falo sobre os métodos e as técnicas aplicadas ao básico. Sim, isto mesmo: A utilização do básico incluídos a técnicas interessantes para cada um deles. “Mas espera! Aí já não é básico!” – Perguntando isso, devolvo a resposta com uma outra pergunta: O QUE É BÁSICO PARA VOCÊ? “3X15 para definir e 4X8 para crescer?” ou ainda “Comer frango com batata doce e fazer exercícios de levantamento básico.” Se essa for alguma de suas respostas ou se suas respostas beirarem isso, convido-te a tentar entender um pouco mais aonde quero chegar com esse assunto.

    [ad#2]Conceitualmente, básico quer dizer “serve de base”. Então, podemos muito bem utilizar a base (ou o básico) como alicerce para construir nosso corpo em cima dele, não é mesmo? É como, analogicamente, ter farinha, ovos, leite e fermento, óleo e mais alguns ingredientes e, a partir da massa de bolo, criar composições diferentes, ou seja, um bolo decorado, um bolo básico para café da tarde, um bolo recheado, etc etc etc Mas para que isso eventualmente possa acontecer é preciso conhecer as formas de transformar aquela massa simples de bolo em algo mais elaborado e que seja de agrado. Traduzindo: Isso não é absolutamente nada diferente com o corpo. A partir de conceitos básicos adaptamos nossas individualidades e métodos de treinamento, dieta, descanso e até mesmo uso de algum suplemento alimentar ou qualquer outra substância exógena.

    Vamos exemplificar bem o que costumo ver dentro de academias e até mesmo nos fóruns de musculação:

    O indivíduo é magro, obeso, tem sobrepeso ou até mesmo está em estado de eutrofia. Mas, ele que ganhar massa muscular, definir melhor a musculatura através da redução do seu percentual de gordura e ainda adquirir um pouco de resistência física. Tudo bem, todos os objetivos são plausíveis e podem ser alcançados pouco a pouco. Indiscutivelmente, ele inicia seus treinamentos e, através de uma dieta coerente, um treino adequado, descanso proporcional ao estímulo dado e uso de suplementos, nos primeiros anos ele se desenvolve a notoriamente. Então, ele passa a gostar tanto do esporte que começa a não tê-lo unicamente como hobbie, mas também deseja ser, de fato um competidor. Aliado a isso, as dificuldades começam a aparecer e ele procura um médico que indica alguns esteróides anabolizantes. Ele cresce e chega em um patamar incrível nos primeiros 7 anos de treino com todo esse apoio.

    A primeira observação que tenho a fazer é que estamos falando de um indivíduo teórico e perfeito. Em 99,9% dos casos NÃO É ASSIM QUE ACONTECE. O indivíduo na verdade entra na academia, se entope de porcarias, não tem instrução nutricional e física adequada, vai pra balada todo dia e não se preocupa com o descanso, obtém ganhos pífios e seu título é o Mr. Bombadinho da balada, no máximo. Mas, não é sobre isso que quero discutir, então, vamos continuar com o nosso indivíduo teoricamente perfeito.

    Cupom de Desconto DDM

    Pois bem, apesar de todo apoio, dedicação, investimento, acompanhamento e outros milhões de aspectos e, apesar de seu nível altíssimo de bodybuilder ele não está apto para ser comparado com grandes nomes do fisiculturismo. Aí você me diz que o motivo é o tempo de treino, inferior. Afinal, ele tem 10 anos de treino enquanto Ronnie Coleman nos seus últimos títulos tinha 25 anos de treio. Ok, vamos então supor que ele continue se dedicando como se dedicava antes. Será que ele realmente conseguiria chegar a esse nível? O que seria necessário para quebrar esses platôs? Talvez (pelo menos no caso dele, digo talvez, mas no da maioria, o termo mais correto e aplicável seria o “com certeza”!) o mesmo que falte para os atletas de menor nível hoje para alcançarem metas maiores. E é o que falta também para os mesmos 99,9% da academia toda: MÉTODOS APLICADOS AO BÁSICO!

    Treinar de maneira básica, comer de maneira básica e descansar periodicamente são importantes, mas não podemos “abusar” disto. Se me entendem bem, um indivíduo que treina em sistema ABC ou ABCDE e varia os exercícios, assim como mantém uma dieta hipercalórica a base de alimentos conhecidos por nós culturistas como proteínas limpas (frango, peixe, carnes, ovos), carboidratos complexos (batata doce, arroz, macarrão) e fonte de lipídios (ovos inteiros, óleo de linhaça, azeite), pode sim ter ganhos, mas ganhos limitados. Agora, se ele decide treinar em sistema ABC com técnicas, sejam elas desde as mais comuns como rest-pause ou drop sets até mais avançadas como alongamentos entre as séries, cadências, pré-exaustões, tipos de exercícios e outras milhões, aliando a uma dieta com alguns truques, sejam eles no pré-treino, no uso de alguns suplementos ou até mesmo alimentos em momentos adequados e sistemas de descanso desde os mais simples “descansos no final de semana” até sistemas de 2X1 ou 4X1 a coisa muda completamente de figura. Por um lado, ele encontra-se fazendo o básico, mas por outro incrementa a esse básico alguns “pulos do gato” que certamente terão uma grande valia em seu desenvolvimento.

    Mas, o que basicamente vemos é que os “pulos do gato” são sempre os mesmos e o sujeito ainda insiste que tem mudado periodicamente seus métodos para obter ganhos, quando na verdade sempre está trocando seis por meia-dúzia e causando adaptações cada vez mais freqüentes em seu corpo.

    Posso começar com um exemplo básico? Quando se fala em suplemento de aumento de performance, qual é o primeiro grupo que vem em sua mente? NO2, com quase toda certeza. Mas será que ele é sempre uma boa opção? Por que não tentar outros métodos muito mais eficazes, porém pouco conhecidos como o uso de Vitamina D, Beta-Alanina ou W-3 que indiretamente ajudam no processo de ganho muscular? Pode deixar, eu respondo: SIMPLESMENTE PORQUE MUITAS VEZES NÃO CONHECEMOS O PODER DESSAS SUBSTÂNCIAS, ISTO É, QUANDO AS CONHECEMOS.

    E a coisa não para por aí. Quando um indivíduo que treina 5 ou 6 vezes semanais, seja com pelo menos 5 exercícios diários de 3 ou 4, chegando a 5 séries por exercício, me fala que não obtém ganhos e, aparentemente o problema não é nutricional, a primeira coisa que penso é justamente no volume de treino aliado a um descanso inadequado. Que tal então sugerir um programa semanal com 3 ou 4 dias de treino e 3 ou 4 exercícios de 3, 2 ou quem sabe uma série em cada um deles? Para os mesmos indivíduos de mente um tanto quanto mais limitada e que estão acostumados com certo volume de treino, rotinas assim realmente são assustadoras e a primeira impressão é mesmo de não aceitação. Isso porque, mesmo sabendo que para se gerar uma força muscular submáxima cada vez mais superior é necessário diminuir a quantidade de estímulo dado e, posteriormente, claro, aumentar a intensidade do mesmo. Mas é aí a grande confusão dos indivíduos que insistem em achar que a produção de lactato e íons de hidrogênio significam estresse muscular efetivo, ou seja, que funciona para o objetivo almejado. Mais do que isso, a discussão não é sobre qual método é melhor, mas sim, sobre a utilização de poucos ou, pasme, apenas um método no desenvolvimento muscular (que acaba se tornando um pseudo-desenvolvimento muscular, não é mesmo?)

    É aí que entra a teoria da adaptação neuromuscular e esquelética (quando adotamos sempre as mesmas maneiras de treinar) e, como ouvi um fisiculturista falar e, diga-se de passagem, falou muito bem, a adaptação do corpo em receber nutrientes sempre iguais. Isso mesmo! A adaptação pode ocorrer aí sim.

    Vejo que muitos ao ano mantém uma dieta extremamente legal: Aveia, batata e arroz como carboidratos , frango, ovos e whey protein como proteína e azeite e gemas como lipídios. Ótimo, mas será que o corpo não tenderá a carecer por fontes diferentes de carboidratos, aminogramas diferentes (em altas nos diferentes tipos de aminoácidos) e na configuração lipídica, lembrando a importância de ácidos graxos como o W-3, EPA e DHA? Claro que sim! E é por isso que seguir a risca apenas uma estratégia nunca dará na certa.

    Pois bem, equivalentemente, não vale a pena apenas, comer, treinar e descansar. Mais do que isso, é necessário comer com estratégias, treinar com estratégias e descansar em cima de estratégias diferentes! Estude seu esporte, afinal, conhecimento é poder!

    Bons treinos!

    Artigo escrito por Marcelo Sendon

    12 Comentários

    1. Silas Prado 4 anos atrás
    2. Wadson 4 anos atrás
    3. Julio 4 anos atrás
    4. Sendon 4 anos atrás
    5. Léo 4 anos atrás
    6. fernando 5 anos atrás
    7. atho 5 anos atrás
    8. Alexandre Abdalla 5 anos atrás
    9. douglas 5 anos atrás
    10. Rogelio Raimundo Dosouto 5 anos atrás
    11. Lucas Tulio 5 anos atrás
    12. Tiago 5 anos atrás


    /* */