Publicado em 132 comentários

Sugestão de Dieta para Ganho de Massa para Pessoas de 60kg

dieta para ganhar massa muscular e hipertrofiaTempo de Leitura: 8 minutos

Não existe dieta para ganho de massa muscular estabelecidas de uma forma geral. É importante lembrarmos que cada pessoa possui suas necessidades nutricionais individuais as quais variam de acordo com seu peso, sua altura, sua idade, gênero, suas taxas metabólicas, seu percentual de gordura corpórea, seu percentual de massa magra, seus objetivos e sua rotina e nível de treinamento.

Todos esses fatores influenciam diretamente no ganho ou na perda de peso, uma vez que, quando bem calculadas, podem gerar resultados excelentes, seja para ganhar massa muscular ou definição muscular. A combinação dos macronutrientes, em quantidades, distribuições ao longo do dia e nos momentos corretos é o que define precisamente esses bons resultados.

Neste artigo, conheceremos uma estratégia de nutrição para uma pessoa de aproximadamente 60kg do sexo masculino, o qual possui em média 22-25 anos de idade, 1,75m de altura. O horário do treinamento deste indivíduo é em torno de 17:00h sendo que, isso também interfere em sua estrutura dietética, pois ela deve ser baseada no horário de seu treinamento.

Essa dieta é calculada com aproximadamente 57Kcal por kg corpóreo, totalizando 3420Kcal que é uma quantidade interessante para um processo de ganho de massa magra. O ratio de macronutrientes estará, em média com algo em torno de 40% carboidratos, 35% proteínas e 25% de lipídios.

Dieta para ganho de massa
Dieta para ganho de massa

Vamos lá?

Refeição 1 – 6h da manhã

Nesta primeira dieta para definição muscular refeição, buscamos uma densidade energética alta, para quebrar o tempo que ficamos em jejum quando dormimos. Para isso, usamos a aveia, que é fonte de carboidratos complexos, fibras alimentares e lipídios insaturados com a banana, para fornecer carboidratos de mais fácil assimilação pelo corpo. Ainda, a banana é rica em potássio, essencial na contração muscular.

No que tange as proteínas, fazemos uma combinação entre os ovos que são de alto valor biológico e fonte de micronutrientes muito importantes como a colina e o whey protein, a fim de fornecer maiores quantidades de aminoácidos de rápida digestão.

Os lipídios ficam mais por conta da aveia, como mencionado e das gemas dos ovos, que são fontes de lipídios saturados, essenciais na produção de hormônios esteroides, como é o caso da testosterona.

Esses lipídios também auxiliam na absorção de vitaminas lipossolúveis presentes na refeição.

– Carboidratos: 80g
– Proteínas: 55g
– Lipídios: 32g
– Calorias totais: 790Kcal

Refeição 2 – 9h da manhã

  • 150g de peito de frango
  • 100g de abacate
  • 75g de arroz

Agora, temos nossa segunda refeição, onde precisa entrar mais comida no corpo e de alto valor nutricional. Para isso, escolhemos o arroz branco como nossa principal fonte de carboidratos. Ele fornecerá carboidratos complexos, mas não tem uma quantidade muito alta de fibras alimentares, o que é ótimo para não deixar a digestão muito lenta ou mesmo causar desconfortos gastrointestinais.

Como fonte de proteínas, utilizamos o peito de frango. Todavia, caso você prefira, é possível usar também algum peixe branco magro como a tilápia, o bacalhau, o linguado e o pintado sem pele. O frango é usado numa quantidade moderada, porque não adianta nada, havendo disponibilidade energética ao corpo, fornecer quantidades exacerbadas de proteínas. Isso faz, inclusive, com que haja inibição na síntese protéica.

Por fim, como lipídios, usamos o avocado, ou o abacate. Prefiro o avocado porque, em termos nutricionais, ele é mais rico em gorduras. Ele é uma fonte de lipídios insaturados, mais monoinsaturados, o que os faz excelentes para a prevenção de doenças cardiovasculares, de problemas de dislipidemias entre outros. Tendo uma alta densidade energética, também conseguimos um bom fornecimento de calorias sem ter de desprender grandes quantidades de alimentos. De quebra, ele também fornece uma boa quantidade de fibras alimentares e de micronutrientes, especialmente o potássio.

– Carboidratos: 70g
– Proteínas: 39g
– Lipídios: 13g
– Calorias totais: 555Kcal

Refeição 3 – 12:00h (meio dia)

  • 75g de arroz
  • 25g de feijão
  • 150g de carne bovina
  • 100g de vegetais

Nesta terceira refeição, que muitos conhecem como “almoço”, temos uma refeição bem típica brasileira, o que já mostra tranquilamente que é possível comer vários tipos de alimentos os quais as pessoas costumam abolir de suas dietas, como é o caso do feijão.

Primeiramente, nossas fontes de carboidratos são o arroz e o feijão, sendo o arroz, o principal. Essa mistura, além dos carboidratos, fornece também proteínas de alto valor biológico. Mesmo se tratando de proteínas de origem vegetal, quando unidas, elas se complementam em seus aminogramas, o que as torna de alto valor biológico ao corpo. O feijão também atenua a digestão, melhorando assim a absorção dos nutrientes.

O arroz e o feijão também são ótimas fontes de micronutrientes: Zinco, ferro, magnésio e vitaminas do complexo B são alguns deles.

Para nossas proteínas, ninguém menos do que a carne vermelha! Sim, muitas pessoas parecem achar que dieta é só frango, mas, isso é um erro. Você não só pode como deve usar carnes vermelhas em sua dieta. Ela, além de fornecer proteínas de altíssimo valor biológico, também fornece cianocobalamina (vitamina B12) da melhor biodisponibilidade, ferro tipo heme que é o de melhor absorção para o corpo também e é rica em outras vitaminas do complexo B, além de fornecer creatina, que é um aminoácido o qual jamais pode ser negligenciado por praticantes de atividades físicas em geral, pois, ela está diretamente associada com a regeneração do ADP para ATP que é a nossa “moeda energética”.

Por fim, usamos vegetais, é claro! Eles são importantes no fornecimento de fibras insolúveis, em especial, e também de micronutrientes. Você pode usar temperos neles, só não use óleos ou molhos gordurosos.

– Carboidratos: 75g
– Proteínas: 45g
– Lipídios: 10g
– Calorias totais: 570Kcal

Refeição 4 – 15:00h (3h da tarde)

  • 400g de batata doce
  • 150g de filé de tilápia

Esse pode ser considerado nosso pré-treino sólido, logo, nada mais justo do que uma carga extra de energia, especialmente advinda dos carboidratos. Sim, usamos preferencialmente os carboidratos por sua facilidade de digestão. E é justamente por esse mesmo motivo que não usamos nem carnes gordas e nem gorduras adicionais nessa refeição. Além disso interferir no esvaziamento GI e, portanto, desviar o flux sanguíneo para lá ao invés dos músculos, estudos mostram que o consumo elevado de lipídios no pré-treino pode reduzir a secreção nos níveis de GH.

Como fonte de carboidratos, usamos a batata doce, por ter uma densidade energética maior. Ela fornecerá carboidratos complexos e, especialmente entre seus micronutrientes estão as vitaminas do complexo B que participam ativamente de todo metabolismo energético e são excelentes para serem consumidas antes do treino. A batata doce também não permitirá hiperinsulimias e nem mesmo hipoglicemias rebote e para manter o metabolismo acelerado .

De proteínas, vamos de tilápia. Por que não o frango? Simples! Tempo de digestão! Por ser muito menos fibrosa, a tilápia leva muito menos tempo para ser digerida e, portanto, é uma excelente opção quando precisamos de um esvaziamento gastrointestinal mais rápido, como antes do treino.

– Carboidratos: 112g
– Proteínas: 35g
– Lipídios: 4g
– Calorias totais: 624Kcal

Refeição 5 (pré-treino imediato) – 16:30h

  • 25g de L-Glutamina
  • 45g de Waxy Maize
  • 10g de BCAAs
  • 15g de whey protein hidrolisado
  • 5g de creatina

No nosso pré-treino, que ocorre pouco tempo antes do início do nosso treino, um shake rápido, contendo aminoácidos essenciais (incluindo os de cadeia ramificada), proteínas de alto valor biológico previamente digeridas (e, por isso a importância do whey ser hidrolisado) e carboidratos advindos do waxy maize que, apesar da fácil digestão, não eleva os níveis de insulina no corpo.

Ainda, contamos com a creatina e outros suplementos para ganhar massa muscular, para potencializar a síntese de ATP e com a L-Glutamina que é um excelente anticatabólico e reduz o impacto no sistema imune (visto que a atividade física deprime o sistema imune).

Não se esqueça de ingerir uma boa quantidade de água com este shake, pois, a hidratação também é essencial para uma boa performance e mesmo para a sua saúde. Cerca de 500-600ml de água neste momento já são suficientes.

Durante o treinamento, você deverá unicamente ingerir água. Não vejo vantagem no uso de intra-treinos e coisas do tipo para a maioria das pessoas.

– Carboidratos: 45g
– Proteínas: 12g
– Lipídios: 1g
– Total de calorias: 237Kcal

Refeição 6 (pós-treino imediato) – 18:00h

  • 45g de waxy maize ou vitargo
  • 30g de whey protein isolado
  • 10g de BCAAs
  • 5g de creatina
  • 25g de L-Glutamina

Novamente, temos basicamente o mesmo shake no período pós-treino. O que muda, na realidade, é a quantidade protéica, um pouco maior pela maior necessidade de sinalizações e mesmo de fornecimento de calorias ao corpo.

Vale salientar que é sabido na ciência que uma refeição líquida imediatamente consumida após o treino de musculação não demonstra ser essencial para a construção muscular, mas sim, o que determina isso é a quantidade de nutrientes e, claro, calorias consumidas ao longo do dia, em da semana, pois, a recuperação ocorre em dias, não em horas.

Também sabemos que o consumo de carboidratos imediatamente após o treino não irá elevar, por exemplo, suas taxas de síntese protéica. Acontece que, fazemos essa refeição neste caso meramente para fornecer calorias mais rapidamente ao corpo (em um momento oportuno) e para promover algumas sinalizações específicas, fazendo assim com que se consiga elevar os níveis de processos os quais gerem melhores índices de hipertrofia e, por hora, hiperplasia.

– Carboidratos: 45g
– Proteínas: 22g
– Lipídios: 2g
– Calorias totais: 286Kcal

Refeição 7 – 19:00 (7h da noite)

  • 440g de batata inglesa
  • 150g de carne bovina
  • 6g de óleo de côco
  • 200ml de suco de uva 100% natural

Nesta próxima refeição precisamos incrementar ainda mais calorias, porque trata-se do momento em que o corpo melhor irá aproveitá-las! Para isso, usamos carboidratos com uma facilidade maior de digestão, para não causar saciedade tão previamente e usamos fontes de proteínas que auxiliam no fornecimento de gorduras.

Em primeiro lugar, os carboidratos da batata inglesa, complexos (e permitidos na dieta, diferente do que muitos imaginam) além de serem mais facilmente digeridos, possuem uma configuração diferente dos carboidratos usados anteriormente, causando então um “choque” no corpo, para que ele tenha de trabalhar de maneira mais eficiente na metabolização destes nutrientes. Ela é rica também em potássio que deve ser resposto, visto as perdas que, provavelmente ocorreram durante seu treinamento.

Usamos também o suco de uva integral para fornecer uma quantidade significativa de nutrientes antioxidantes ao corpo, como o resveratrol e a vitamina C, além de uma boa quantidade de carboidratos para entrarem em conjunto com os fornecidos na batata.

Para a fonte de proteína, temos a carne bovina, novamente. Como mencionado, ela possui bons níveis de creatina e de micronutrientes. Além disso, ela fornecerá uma quantidade de lipídios maiores do que as encontradas em carnes de aves magras, por exemplo, o que melhorará o saldo energético. Caso você queira, é possível trocar a mesma quantidade de carne por salmão.

Por fim, sabemos que não há necessidade do consumo de grandes quantidades de lipídios no pós-treino, mas, podemos consumir um pouco de MCTs (neste caso, advindos do óleo de côco) para elevar os níveis energéticos e porque estes lipídios se assemelham muito aos carboidratos e não irão retardar o esvaziamento GI.

– Carboidratos: 105g
– Proteínas: 36g
– Lipídios: 19g
– Calorias totais: 735Kcal

Refeição 6 – 22:00h (10h da noite)

  • 4 ovos inteiros
  • 100g de queijo cottage
  • 15g castanhas do Brasil
  • 100g de vegetais

Para bons sonhos, nada melhor do que um ambiente anabólico presente no corpo. Para isso, nada melhor do que proteínas de alto valor biológico combinadas com lipídios, uma vez que iremos dormir e não precisamos de grandes quantidades de carboidratos.

Para as proteínas, temos os ovos inteiros, que também fornecem lipídios essenciais na produção de testosterona e o queijo cottage, que é fonte de caseína, também de AVB.

Quanto aos lipídios, focamos no consumo já presente nos ovos, mas, adicionamos um pouco de castanhas do Brasil, pois, elas são ricas em antioxidantes e nutrientes essenciais na proteção da tireóide e na produção de testosterona.

Os vegetais entram mais como forma de obter melhor saciedade, atenuar a digestão protéica e de fornecer micronutrientes e fibras alimentares ao corpo também.

– Carboidratos: 9g
– Proteínas: 44g
– Lipídios: 34g
– Calorias totais: 518Kcal

Conclusão

Neste artigo, portanto, foi possível conhecer um exemplo de dieta para um indivíduo de 60kg que deseja ganhar massa magra.

Porém lembre-se de que a adequação às suas necessidades individuais e a busca pro bons profissionais realmente fará a diferença em sua rotina. Bons treinos!

Publicado em 6 comentários

Deposteron: O Cipionato de Testosterona Mais Conhecido no Mundo!

deposteron cipionato de testosteronaTempo de Leitura: 8 minutos


A testosterona é o principal hormônio presente no corpo dos homens. Todos os anabolizantes são produzidos a partir das moléculas de testosterona. No entanto, eles se diferenciam de acordo com os estéres, que é o caso do Deposteron.

 

No entanto, “Deposteron” é apenas o nome comercial deste poderoso anabolizante que é tão utilizado por atletas do mundo inteiro, sejam eles profissionais ou amadores. Seu nome científico é Cipionato de testosterona.

É importante deixar claro que, as mulheres não devem utilizar esse anabolizante. Caso contrário, diversos efeitos colaterais podem surgir. Efeitos esse que são bastante notáveis, já que alteram de forma radical a aparência delas.

Se você quer saber absolutamente tudo sobre esse anabolizante, recomendo que continue comigo nesta leitura onde irei mostrar um guia completo sobre o Deposteron. Saiba o que é, como usar, efeitos colaterais e MUITO MAIS!

Vamos lá então?

A testosterona

A testosterona é um hormônio produzido em, principalmente, pelas gônadas humanas sob estímulo de 2 hormônios produzidos na hipófise anterior (adenohipófise) sendo ele o LH.

Porém, sabemos que é possível também que o FSH (que também é produzido na adenohipófise) tenha ligações com esta produção, ou melhor, com este estímulo.

Tudo isso se dá sob o eixo HPT. Homens, possuem maior produção de testosterona, mas, ela não é ausente em mulheres, sendo fundamental também, mas, produzida em quantidades bem menores.

testosterona

Sua fórmula molecular é a C19H25O2. Este, principal hormônio masculino desempenha papéis fundamentais no crescimento de tecidos diversos (especialmente os reprodutores e musculares).

Além de ter funções que a ligam com a produção de células reprodutoras. Sabe-se ainda que a testosterona tem forte relação com aspectos relacionados ao humor, a sensação de bem-estar e também com a agressividade.

A testosterona, além de ser produzida em meio endógeno, deve, em alguns casos, ser usada por via exógena, ou seja, por injeções de testosterona sintética. Normalmente isso se dá para indivíduos com andropausa ou deficiências nos níveis de testosterona.

Todavia, sabemos que hoje, devido aos fatores e características da testosterona gerados no corpo, ela é está entre as substâncias mais usadas no esporte, afinal, otimizar fatores como:

  • Aumento da massa muscular;
  • Redução da fadiga (cansaço);
  • Aumento da resistência;
  • Redução no percentual de gordura corporal;
  • Aumento do metabolismo;
  • Redução nos níveis de cortisol.

Porém, quando usada de maneira exógena, normalmente ela não é administrada em sua forma pura, uma vez que o tempo de duração (meia-vida) dela seria muito baixo no corpo.

[smartslider3 slider=”3″]

Assim, normalmente ela é ligada com um ”ester”, que é um composto que faz com que ela tenha ações por tempo prolongados no corpo, evitando assim que o indivíduo tenha de fazer administrações muito constantes de testosterona.

ENTENDA >>> Ésteres dos Anabolizantes: O que são, Para que Servem e Como Funcionam!

Entre os vários ésteres de testosterona, podemos citar o enantato, o propionato, o fenilproionato, o decanoato e, claro, o Cipionato, conhecido por alguns pelo seu nome comercial “Deposteron”.

Principais características do Deposteron

Antes de adentrarmos nesse assunto, temos que deixar uma coisa clara: O cipionato de testosterona não é mais forte do que outra testosterona ligada com outro éster como o enantato.

Ele apenas possui características notáveis as quais fazem com que ele seja mais interessante para algumas pessoas e, claro, em determinadas situações também.

O cipionato de testosterona é uma versão sintética da testosterona. Ela possui uma relação de anabolismo e androgenidade (características masculinas) de 100, ou seja, igual o da testosterona pura.

Ele é poderosamente anabólico e é um ótimo anabolizante para o aumento de força e de massa muscular, devido também ao aumento nos níveis de nitrogênio muscular.

tudo sobre o deposteron

Ele é capaz de elevar também os níveis de outro hormônio anabólico, o IGF-1 (fator de crescimento semelhante à insulina 1), aumentando assim seu poder anabólico.

Ele também aumenta os níveis de células satélites que, posteriormente poderão ser células musculares, além de se ligar no receptor androgênico, fazendo com que o corpo possa, por exemplo, queimar mais gordura também.

Esse anabolizante também estimula a oxigenação sanguínea, que é importantíssima para que haja uma perfeita distribuição de nutrientes aos diferentes tecidos do corpo (inclusive o tecido muscular)

Como quaisquer outros tipos de testosterona, o Deposteron também faz com que o metabolismo energético tenha maior velocidade e, claro, melhor aproveitamento também, gerando níveis maiores de ATP.

Assim, você terá menores chances de usar inadequadamente os macronutrientes que consumir, podendo assim otimizar a sua síntese protéica, a síntese de glicogênio e inibir hormônios catabólicos.

A ciência não nos explica de maneira muito precisa ainda, mas, na prática sabe-se que ésteres mais longos de testosterona, como o cipionato, fazem com que o corpo tenha maior capacidade de retenção de líquidos.

Isso pode ser benéfico, especialmente em offseason (período de aumento de massa), pois, faz com que haja um ambiente anabólico melhor, além de proteger também tendões, ligamentos e articulações.

Obviamente, em fase de cutting (perda de gordura corporal), isso pode não ser muito interessante, sendo então mais indicado o uso de ésteres curtos como o propionato de testosterona.

A meia-vida do cipionato de testosterona é em média 6 dias, porém, ele pode ser detectável no corpo por períodos bem maiores, portanto, para indivíduos que estão sujeitos a algum tipo de exame antidoping, talvez seja necessária uma atenção redobrada.

Por fim, vale lembrar que, devido ao aumento no metabolismo, o Deposteron pode aumentar a fome, o que é ótimo para indivíduos que estão em fase de ganho de massa muscular e precisam se alimentar em quantidades maiores.

A administração do Deposteron

O Deposteron é encontrado apenas na forma injetável, em forma de óleo. Seu uso como anabolizante para aumentar a performance e resultados melhores e mais rápidos é feito com dose de 400mg semanais (inicialmente).

No entanto, tudo pode depender das necessidades e características individuais de cada pessoa. Não difícil encontrarmos indivíduos que chegam a consumir mais do que 2g de cipionato de testosterona por dia.

Lembremos que, devido a meia-vida relativamente longa do cipionato de testosterona, ele pode ser administrado 1 vez na semana, apenas.

administração de deposteron

Porém, caso você se sinta mais confortável, poderá fazer 2 aplicações (metade da dose total semanal) por semana.

Por ser testosterona e, portanto, por ser altamente androgênico (que provoca características masculinas), as mulheres não devem usar esse anabolizante, devido aos altos riscos de virilização e mesmo pelo excesso de líquido que elas irão reter.

Ciclos com Deposteron

Normalmente, o Deposteron é usado em ciclos de bulking (ganho de massa) e ciclos mais longos podem ser interessantes para seu uso.

Por ser uma testosterona, base de quase todo tipo de ciclo, pode ser combinado com inúmeras outras substâncias como a boldenona, a nandrolona, o dianabol, o masteron, o primobolan, a trembolona etc.

Entretanto, por suas características relacionadas a retenção hídrica, ele não convém ser mesclado com anabolizantes que visam maior qualidade muscular como o stanozolol, o masteron e o primobolan.

Entretanto, anabolizantes mais poderosos para o bulking como a oximetolona (Hemogenin), o Dianabol, a nandrolona e a boldenona podem ser mais interessantes.

VEJA TAMBÉM >>> Ciclos de definição e ganho de massa muscular: Isso realmente existe?
[smartslider3 slider=”2″]

Efeitos colaterais

Os principais efeitos colaterais trazidos pelo Deposteron são:

  • Características masculinas (especialmente em mulheres)

A testosterona é altamente androgênica. Sendo assim, o engrossamento de voz, acne, pele oleosa, queda de cabelo (calvície), aumento da agressividade, crescimento excessivo de pelos entre outros, podem ocorrer.  Ainda, em mulheres, pode haver deformação da região genital e redução no tamanho das mamas.

  • Supressão do eixo HPT

Quando o corpo entende que há uma substância em excesso nele, a sua tendência é reduzí-la de alguma forma e, entre elas, está suprimindo a produção natural, no caso, de testosterona.

Sendo assim, o corpo suprime o eixo HPT e, portanto, hormônios tais quais o FSH e o LH são suprimidos. Consequentemente, não havendo estímulo às gônadas, elas não irão produzir testosterona.

  • Aromatização

Por estar em excesso no corpo, a testosterona pode ser convertida em estrógeno, especialmente pela enzima aromatase.

Dessa forma, problemas tais quais a retenção hídrica, o aumento de pressão arterial, o ganho de gordura, alterações ósseas e a ginecomastia (surgimento de mamas em homens) possam ocorrer.

  • Infertilidade

Devido a supressão ao eixo HPT, a testosterona exógena pode fazer com que o indivíduo desenvolva quadros de infertilidade, seja por conta da supressão do LH e do FSH, bem como, pela própria não resposta dos locais estimulados por estes 2 hormônios.

  • Atrofia testicular

Novamente, devido a supressão do eixo HPT, podemos ter quadros irreversíveis de atrofia testicular e/ou perda de suas funções.

  • Distúrbios de crescimento (em adolescentes)

A maturação sexual ocorre após cerca de 21 anos e quaisquer usos de esteroides anabolizantes antes disso podem prejudicar o crescimento e mesmo, alterarão a qualidade de sua maturação sexual, trazendo danos que podem ser irreversíveis.

  • Problemas nas aplicações

O Deposteron original de farmácia é comercializado em ampolas de 2ml de 200mg cada. Sendo assim, o indivíduo normalmente não tem problemas na aplicação, a não ser que ele não tome os devidos cuidados de assepsia e de técnicas de aplicação.

Entretanto, sabemos que a maioria dos laboratórios clandestino, utilizam concentrações maiores de 200mg a 300mg por ml.

Sendo assim, em alguns indivíduos mais sensíveis, isso pode resultar em problemas no local das aplicações e inflamações. Portanto, muita atenção nisso!

  • Descontrole do colesterol

O Deposteron pode causar aumento nos níveis de colesterol, reduzir o HDL (bom) e aumentar o LDL (ruim), gerando assim ricos de problemas cardiovasculares. É bom destacar a importância em uma boa dieta para controlar este efeito colateral!

CONHEÇA >>> Os Principais Efeitos Colaterais dos Anabolizantes!

Mulheres e Deposteron

O Deposteron é testosterona, ou seja, o principal hormônio androgênico masculino. Sendo assim, ele não é recomendado para mulheres, nem mesmo onde há necessidade de reposição de testosterona.

mulheres e anabolizantes

Isso porque, a dosagem por si só já é muito alta e os efeitos de longa duração no corpo também não são adequados. Isso pode causar vários problemas como:

  • Engrossamento de voz;
  • Aumento no crescimento de pelos (inclusive no rosto);
  • Deformação da região genital;
  • Redução no tamanho das mamas;
  • Infertilidade;
  • Entre outros.

Algumas mulheres de altíssimo nível competitivo da categoria de bodybuilding acabam fazendo o uso desta substância, mas, os efeitos colaterais listados são bastante notáveis na aparência delas.

Sendo assim, caso esses não sejam seus objetivos (inclusive de enfrentar os efeitos colaterais de virilização) esse não é um anabolizante para você mulher.

A comercialização de Deposteron

Hoje, o Deposteron pode ser encontrado em farmácias (vendido com receita médica) pelo laboratório Sigma Pharma, pela EMS entre outros.

Porém, devido a maior dificuldade em ter uma receita média em mãos, a maioria dos usuários optam por utilizar o deposteron vindo de laboratórios clandestinos.

Caso ele tenha devida procedência, não haverá diferenças e nem problemas no seu uso, entretanto, certifique-se sempre do produto que você irá usar (se é original).

Aprenda a montar ciclos completos de Deposteron e a fazer a TPC correta

Bom, se você chegou até aqui é porque está cansado da “mesmice” e quer resultados de verdade, certo? Pois bem, e se eu te apresentasse uma forma, ou melhor, uma fórmula para ter esses resultados de forma rápida e correta?

Estou falando do Fórmula dos Gigantes, um programa que eu compartilho mais de 20 anos de experiência no mundo da musculação e dos anabolizantes. Mais de 5.000 pessoas já conseguiram resultados surpreendentes, agora é a sua vez.

 

No programa você irá ter acesso a 20 ciclos prontos, cada um com a devida TPC. De acordo com o seu perfil (peso, altura, idade etc) você saberá qual é o ciclo ideal para você ficar gigante e eu ainda irei te ensinar como fazer o ciclo de forma correta.

Agora é com você! Se quiser ter resultados rápidos e de qualidade, CLIQUE AQUI para garantir logo a sua vaga (elas são limitas, então, não perca tempo!).

Conclusão

O Cipionato de testosterona, normalmente encontrado com o nome comercial de Deposteron, é um dos anabolizantes mais usados, especialmente em ciclos para bulking (ganho de massa).

Com características conhecidas pelo aumento de massa magra, força e performance, essa é uma substância bastante versátil a qual pode ser combinada com outros tantos anabolizantes.

Entretanto, devido aos seus possíveis efeitos colaterais, é interessante saber como prevenir-se adequadamente, bem como, driblar possíveis efeitos colaterais durante e após o seu uso.

Bons ciclos!

Publicado em 4 comentários

Conheça os Diferentes Tipos de Testosteronas (Anabolizantes)

Tempo de Leitura: 6 minutos


Tenho certeza que você já ouviu falar sobre a testosterona, não é mesmo? Se trata do principal hormônio presente no corpo dos homens e que também está presente no corpo das mulheres, porém em quantidades bem menores.

A testosterona é base para a criação de todos os anabolizantes existentes no mundo. Os ciclos de testosterona são utilizados por atletas (profissionais ou não) geralmente para alcançar o objetivo de aumentar os níveis de massa muscular.

No entanto, existem diversos tipos diferentes de testosterona, e é nessa variedade de tipos que muitas pessoas acabam se confundindo na hora de motar seu ciclo. Pois dependendo de cada tipo de éster (Aprenda O que São Ésters de Anabolizantes), a sua forma de uso, quantidade, TPC são alterados.

Sendo assim, para que você não tenha mais dúvidas sobre como utilizar cada uma das variações da testosterona, sugiro que leia até o final este artigo em que ensino como usar cada tipo de testosterona.

Aprenda qual a duração da meia-vida de cada um, tempo de uso, combinações com outros anabolizantes para potencializar os resultados, efeitos colaterais e MUITO MAIS!

Propionato de testosterona

O propionato de testosterona é uma das formas de testosterona com ésteres mais curtos. Ele possui uma meia-vida aproximada de 2 dias.

Ou seja, suas aplicações são mais frequentes para que ela seja mantida no organismo. As aplicações, normalmente são feitas dia sim, dia não.

propionato de testosterona

Ele tem como principais características um maior peso de base e uma ação bem mais rápida do que outros ésteres mais longos.

No entanto, seu tempo durabilidade também é menor. Assim, seu tempo de detecção no organismo também pode ser considerado relativamente menor.

Ele pode ser usado para inícios de ciclos ou para ciclos mais curtos (cerca de 4 semanas). Além disso, ele é um dos ésteres que menos causam retenção hídrica e gera menos danos ao eixo HPT.

Ele normalmente é usado em conjuntos com outros anabolizantes voltados para o aumento de massa muscular, como a Trembolona, o Primobolan e o Stanozolol.

Fenilpropionato de testosterona

O Fenilpropionato de testosterona possui características muito próximas ao propionato de testosterona. Ele possui uma meia-vida um pouquinho maior, sendo de 3 dias.

Logo, suas aplicações podem ser a cada 2 dias. Ele normalmente não é encontrado de forma isolada, mas em blends de testosterona.

Fenilpropionato de testosterona

Também causando pouca retenção hídrica, ele pode entrar em conjunto com anabolizantes, como o Primobolan, o Stanozolol, o Turinabol e a Trembolona.

Fempropionato de testosterona

Com uma meia vida de 2 à 3 dias, este também não é um éster muito utilizado sozinho, é especialmente é usado junto com o Durateston.

O Durateston é uma combinação de quatro ésteres diferentes de testosterona, ou seja, o propionato de testosterona, o fempropionato de testosterona, o isocaproato de testosterona e o decanoato de nandrolona.

Fempropionato de testosterona – durateston

O Fempropionato de testosterona também garante uma meia-vida interessante para o durateston, deixando esse anabolizante em ação por mais tempo no organismo (como é o seu principal objetivo).

Isocaproato de testosterona

Este é um éster que dificilmente você vai encontrar isolado. Normalmente ele está em conjuntos em blends de testosterona. Ele possui uma meia-vida média de 4 dias e suas aplicações, por exemplo, podem ser de 2 vezes na semana.

Isocaproato de testosterona

Ele também não causa grandes índices de retenção hídrica, no entanto, pode causar mais do que os outros ésteres que citamos anteriormente.

Normalmente, suas principais aplicações, são em ciclos médios de 6 à 8 semanas e, neste caso, ele já pode ser combinado com uma gama maior de anabolizantes, como Stanozolol, Primobolan, Turinabol, Trembolona e etc.

Enantato de testosterona

O enantato de testosterona é um dos ésteres de testosterona mais utilizados no mundo inteiro. Um dos motivos para isso acontecer, é que ele é relativamente mais acessível em relação à outros. 

enantato de tetosterona

Ele possui uma meia-vida de, mais ou menos, 5 dias e é um anabolizante muito bom para ciclos médios (cerca de 8 semanas), mas não é difícil vermos ciclos de 12 semanas ou mais feitos com o enantato de testosterona.

Cipionato de testosterona

Normalmente encontrado na forma de Deposteron (nome comercial), o cipionato de testosterona é uma das testosteronas mais comuns usadas para o bulking (período de ganho de massa).

Isso porque, ele possui uma  meia-vida mais longa, com cerca de 6 dias e possui efeitos mais relacionados com o ganho expressivo de peso (especialmente pelo incremento de retenção hídrica).

cipionato de testosterona

Sendo usado também em ciclos de 8 à 12 semanas, ele pode ser combinado com substâncias, como a Nandrolona, a Boldenona, a Oximetolona e o Dianabol.

Já os anabolizantes de maior qualidade, como a Trembolona e o Primobolan normalmente não são combinados com o cipionato de testosterona para não terem seus efeitos estéticos prejudicados.

Decanoato de testosterona

O Decanoato de testosterona também é normalmente encontrado em blends de testosterona e não em sua forma isolada apenas.

Sendo sua meia-vida de 7 dias, ele já possui uma meia-vida mais longa e deve ser usado em ciclos mais longos, acima de 8 semanas.

nandrolona decanoato

Suas aplicações podem ser feitas 1 vez na semana, ou 2 vezes na semana, de acordo como a pessoa ache mais interessante (particularmente, recomendo 2 vezes na semana para manter os níveis do hormônio mais estáveis no corpo).

Ele traz um pouco de retenção hídrica, devido suas alterações nos níveis de ADH. Além disso, ele é mais fácil de causar danos ao eixo HPT.

Levando em consideração suas características e meia-vida, ele é um anabolizante interessante de ser combinada com a Nandrolona, o Dianabol e a Oximetolona.

Ainda, por se tratar de uma substância com meia-vida longa e usada em ciclos longos, pode também combinar com a Boldenona.

Undecilato de testosterona

O undecilato de testosterona é normalmente encontrado no fármaco Nebido (nome comercial). Sua meia-vida é bastante longa, podendo chegar a 53 dias, mas nota-se que em 34 dias você já não tem uma ação tão eficiente dele.

Sendo assim, podemos dizer que esse é um dos anabolizantes ideais para pessoas as quais fazem ciclos extremamente longos.

Undecilato de testosterona

Ele pode ser usado em combinação com outras substâncias de meia-vida longa, entretanto, devemos considerar que demorará muito para começar a agir no corpo.

Sendo assim, pode ser necessário a combinação de uma testosterona de éster mais curto no começo do ciclo, como o proprionato ou o enantato de testosterona.

Aprenda como utilizar corretamente os diferentes tipos de testosterona

Agora que você aprendeu sobre cada tipo de testosterona, deve estar querendo saber como fazer para aplicar o conhecimento em um ciclo de verdade, não é mesmo?

Te convido a fazer parte do Programa Fórmula dos Gigantes! Se trata de um método criado por mim em que compartilho com meus alunos mais de 20 anos de experiência no mundo dos anabolizantes.

Dentro do Programa você irá conhecer tudo sobre o mundo dos anabolizantes e irá receber conteúdo todo mastigado, com ciclos já prontos e estruturados, com dosagens, forma de uso, tempo de uso, horários, proteções para cada ciclo, TPC de cada ciclo e muito mais!

Além de receber mais de 20 ciclos montados e estruturados, você também vai ter acesso a um módulo completo de Treino e Nutrição, para que você possa obter o máximo de resultados com o Programa!

Agora é com você, caso você queira se juntar a mais de 5.213 pessoas que tiverem resultados surpreendentes e de forma extremamente rápida, CLIQUE AQUI para ter mais informações.

Conclusão

Saber como e quando usar os diferentes tipos de testosterona disponíveis no mercado é essencial para garantir bons resultados nos seus ciclos.

Sendo assim, você conseguirá não só otimizar seus resultados, mas se prevenir de efeitos colaterais e e ficar cada vez mais próximo dos seus objetivos.

Bons ciclos!

Publicado em 95 comentários

Sugestão de Treino para Ectomorfo (Ganho de Massa Muscular)

Treino para ectomorfo

Tempo de Leitura: 7 minutos
Ectomorfo é um biotipo caracterizado por ter dificuldade no aumento da massa muscular e no ganho de peso, devido a seus aspectos físicos, características metabólicas e as suas taxas hormonais. Por isso, para que uma pessoa com esse biotipo tenha excelentes resultados, ela precisa ter um excelente treino para ectomorfo e uma dieta bastante ajustada,  pois o indivíduo ectomorfo não costuma ter muito apetite, o que prejudica ainda mais os resultados de ganho de massa muscular.

Apesar de ser um biotipo com dificuldades você pode usar suplementos para ganho de massa muscular, quando o treino para ectomorfo e sua dieta estão bem ajustados, eles são excelentes para construir um corpo com baixa porcentagem de gordura. Diferente, dos endomorfos, por exemplo, que conseguem ganhar bastante massa e peso, mas com muita gordura junta.

LEIA >>> Conheça Melhor as Características de um Ectomorfo!

O treino para ectomorfo precisa ser muito bem ajustado com exercicios para ganhar massa muscular, pois são indivíduos que possuem maiores chances de entrar em estados catabólicos com alguns treinamentos mais longos, e suas chances de entrar também em overreaching e overtraining são tremendas.

Portanto, um bom ajuste de volume e intensidade no treino e um descanso adequado é o que poderão promover resultados positivos a ele.

Sendo assim, neste artigo quero trazer uma proposta de treinamento para ectomorfo, a fim de que ele possa ter bons resultados e se surpreender com as mudanças necessárias para que consiga eficiência na musculação. Vamos lá?

Visão geral do treino para ectomorfo

Um ectomorfo precisa de um treino breve, árduo e que possibilite estímulos especialmente miofibrilares.

Normalmente, trabalhamos com um baixo número de séries, repetições e com poucos exercícios, deixando de lado técnicas, como os supersets e séries combinadas, que podem acabar necessitando de muita energia para um indivíduo que já tem um gasto calórico alto.

Usamos de exercícios básicos, para que o treino seja reduzido em volume (este tipo de exercício executa vários músculos), e para que você consiga estimular uma quantidade de fibras maiores e também consiga trabalhar melhor o sistema neuromotor.

Por fim, recomendamos que o treinamento não ultrapasse algo em torno de 50 minutos a 60 minutos.

Dia 1 – Segunda-Feira: Deltoides e tríceps

  • Exercício 1: Desenvolvimento com halteres sentado – 2X12-15 (aquecimento); 1X8; 1X6;
  • Exercício 2: Elevação lateral sentado com halteres – 1X12 (aquecimento); 1X8; 1X6;
  • Exercício 3: Elevação lateral unilateral com cabos em pé – 1X8 (para cada lado);
  • Exercício 4: Extensão de cotovelos na polia com puxador reto – 1X12-15 (aquecimento); 2X6;
  • Exercício 5: Francês com halter – 1X8; 1X6;
  • Exercício 6: Coice unilateral com cabos (usar pegada reversa) – 1X8 (para cada lado);
  • Exercício 7: Encolhimento com barra pela frente – 1X12 (aquecimento); 1X10; 2X8.

O treino se inicia com movimento básicos e fundamentais para os deltoides e, por fim, utiliza um exercício unilateral isolador. Fazemos o mesmo com os tríceps braquiais, enfatizando o trabalho adequado de suas diferentes porções, assim como fizemos anteriormente com os deltoides.

exercicios treino deltoides triceps

É importante que nas séries de aquecimento, você NÃO CHEGUE na falha, pois elas são apenas aquecimento. As falhas máximas devem ser atingidas nas séries de trabalho. Nelas, você deverá colocar todo seu esforço, toda sua garra! São poucas séries, poucas repetições e você precisa fazer com que elas valham a pena!

Na elevação lateral (tanto com halteres quanto com cabo), realize a fase excêntrica do movimento (subida) com 4 segundos de duração e faça a concêntrica (descida) explosiva.

O mesmo deve ocorrer em todos os exercícios para os tríceps braquiais.

No encolhimento, você deverá ainda segurar 2 segundos no pico máximo de contração.

  • Descanso entre as séries: 60 segundos.
  • Descanso entre os exercícios: 90 segundos.

Dia 2 – Terça-Feira: Pernas e panturrilhas

  • Exercício 1: Cadeira extensora – 2X12 (aquecimento); 1X8; 1X6;
  • Exercício 2: Agachamento livre com barra – 1X12; 1X10 (aquecimento); 1X8; 1X6;
  • Exercício 3: Leg Press 45º – 1X10 (aquecimento); 2X8;
  • Exercício 4: Mesa flexora – 1X12; 1X10 (aquecimento); 1X8; 1X6;
  • Exercício 5: Stiff com barra – 1X12 (aquecimento); 1X8; 1X6;
  • Exercício 6: Flexão plantar em pé – 1X12 (aquecimento); 1X10; 2X8.

No segundo dia, treinaremos os membros inferiores, ou seja, coxas e pernas. Neste dia, o desgaste é muito grande, portanto, recomendo que você faça uma boa refeição livre no seu pós-treino.

O primeiro exercício será a cadeira extensora, para preparar os quadríceps e os joelhos e prevenir lesões. Neste primeiro exercício, no pico máximo de contração, você deve segurar 2 segundos.

exercícios pernas panturrilhas

No agachamento livre, a principal dica é: Utilize o cinto! Ele é muito importante na estabilização do core, especialmente quando temos de dar tudo de nós em uma série.

O terceiro exercício é o leg press 45º, que além de usar os músculos anteriores da coxa, trabalha também os isquiotibiais, e os glúteos, em parte.

Logo em seguida, passamos para a mesa flexora que é básica para a construção de bons posteriores de coxa, o Stiff que será voltado para os glúteos e, finalizamos com as panturrilhas, com o exercício Flexão Plantar em pé, que mais recruta fibras musculares tanto do sóleo, quanto do plantar, quanto do gastrocnêmico.

  • Descanso entre as séries: 90 segundos.
  • Descanso entre os exercícios: 120 segundos.

Dia 3: Quarta-Feira: Off

Descanse e coma (muito)! Isso será essencial para que você possa se desenvolver adequadamente!

Mesmo nos dias em que você não treina, faz-se necessário uma boa ingestão energética e adequada de macronutrientes, afinal, seu EPOC ainda está elevado e suas sínteses estão “há mil”.

Diferente de outros indivíduos, não recomendo que ectomorfos baixem o valor de ingestão energética ou mesmo de carboidratos. A única coisa que ele não deverá consumir, caso haja, é o shake pré e pós-treino, bem como suplementos pré-treino.

Dia 4: Quinta-Feira: Peito e Abdômen

  • Exercício 1: Supino inclinado com barra – 1X12 (aquecimento); 1X10 (aquecimento); 1X8; 1X6;
  • Exercício 2: Crucifixo reto com halteres – 1X12 (aquecimento); 1X8; 1X6;
  • Exercício 3: Supino reto com halteres – 1X8; 1X6;
  • Exercício 4: Crucifixo inclinado com halteres – 1X8; 1X6;
  • Exercício 5: Abdominal na polia com corda – 3X15; bi-set com Exercício 6: Abdominal na prancha – 3X20;
  • Exercício 7: Elevação de pernas paraquedas – 4X20.

O primeiro exercício é voltado para a parte superior do peitoral maior, sendo que ela é a maior parte e que mais deve ser destacada no peitoral. Durante o supino inclinado, faça a fase excêntrica (descida) bem controlada com aproximadamente 2 segundos de duração. Não faça pegadas muito abertas, pois irá fazer com que seus ombros trabalhem mais que o peitoral, na mesma direção dos ombros é o limite.

O segundo exercício é o crucifixo reto com halteres,  é um excelente exercício, que trabalha o peitoral de forma completa, devido a angulação do banco (reto). Ele também serve como “pré-exaustão” para o próximo movimento que é o supino reto.

exercícios peitoral abdomen

No caso do supino reto, optamos pelo uso dos halteres ao invés da barra, porque os stress articulares são bem menores quando utilizamos halteres. A amplitude de movimento consegue ser maior também e os movimentos são muito mais anatômicos. Novamente, durante a fase excêntrica (descida) do movimento, procure manter o máximo de controle possível.

Para finalizamos o treinamento de peitoral, escolhemos o crucifixo inclinado com halteres. Ele trabalha bem a porção superior do peitoral. Lembre-se sempre de, durante este exercício, estabilizar bem as escápulas para que seus ombros não sejam mais solicitados do que o peitoral. Os halteres devem descer na linha do peitoral (um pouco acima dos mamilos) e não dos ombros, como a maioria costuma fazer.

Para finalizar o treinamento, partimos para um bi-set de abdominal (abdominal na polia com corda com abdominal na prancha), destinado para a parte superior do abdômen e um único exercício para a região inferior (elevação de pernas paraquedas).

Apesar do abdômen ser sempre solicitado em muitos exercícios, dividir as porções pode estimulá-lo de maneira diferente, exibindo assim maior progresso. No caso de ectomorfos, o treino de abdômen 1X ou 2X semanas, no máximo, é o indicado. Lembre-se de que o abdômen é um grupamento que está o tempo todo sendo trabalhado como estabilizador em todos os outros movimentos.

  • Descanso entre as séries: 60 segundos.
  • Descanso entre os exercícios: 90 segundos.

Dia 5: Sexta-Feira – Dorsais (costas) e bíceps

  • Exercício 1: Levantamento Terra – 1X12 (aquecimento); 1X10 (aquecimento); 1X6; 1X4;
  • Exercício 2: Barra fixa – Barra 50;
  • Exercício 3: Remada curvada com barra – 2X10 (aquecimento); 1X8; 1X6;
  • Exercício 4: Remada baixa com puxador triangular – 1X10 (aquecimento); 1X8; 1X6;
  • Exercício 5: Rosca direta com barra reta – 1X12 1X10 (aquecimento); 1X8; 1X6;
  • Exercício 6: Rosca martelo com halteres em pé (simultânea) – 1X10 (aquecimento); 2X8.

No treinamento de dorsais (costas), iniciamos com um dos três grandes da musculação, o levantamento terra, a fim de aquecer todo o corpo e, ao mesmo tempo, trabalhar sua pegada também. É importantíssimo que o levantamento terra seja sempre realizado com o máximo de perfeição e com a técnica correta. Boa parte das pessoas acabam se lesionando com esse movimento por NÃO SABEREM fazê-lo da forma correta. Ainda, com o uso de maiores cargas, não esqueça o cinto.

exercicios costas biceps

Passamos então para a barra fixa. Ela é bem mais difícil do que o pulley e nos permite trabalhar a força, o sistema neuromuscular e adquirir aptidões, como controle, coordenação motora e equilíbrio. Neste movimento, executaremos quantas séries forem necessárias até completar 50 repetições. O descanso entre uma série e outra deve ser somente de 45 segundos.

Adiante, temos a remada com barra, também básica para os dorsais e que faremos com a pegada supinada, para exigir menos força de pegada, que já estará fadigada com os dois exercícios anteriores.

Por fim, finalizamos o treino de dorsal com a remada baixa com puxador triangular, a qual auxiliará a trabalhar o miolo das costas.

Iniciamos o treinamento de bíceps com o uso da rosca direta que é o movimento mais clássico para os bíceps. Não há grande segredo para executá-la. Apenas mantenha o controle, especialmente na fase excêntrica (descida) do movimento e não faça balanços com a lombar na fase concêntrica (subida).

Finalizamos então o treino com a rosca martelo, destinada para o trabalho dos braquiais e também os braquiorradiais. É muito comum vermos pessoas “puxando” o halter ao invés de flexionar os cotovelos e mantê-los levemente voltados para frente, isolando melhor assim os braços e antebraços, que é a forma correta.

  • Descanso entre as séries: 60 segundos.
  • Descanso entre os exercícios: 90 segundos.

Conclusão

Neste artigo pudemos conhecer uma sugestão de treino para ecotmorfos.

CONHEÇA >>> 6 Dicas Essenciais para um Ectomorfo obter bons Resultados no Ganho de Massa!

Entretanto, observe sempre suas necessidades individuais e faça as adaptações necessárias quanto aos exercícios, pois sabemos que nem todo mundo consegue executar todos os tipos de exercícios.

Certamente, seguindo esse treino e levando seu treino ao máximo de intensidade, descansando e se nutrindo adequadamente, você conseguirá resultados exponenciais.

Bons treinos!

Publicado em 2 comentários

Conheça os Melhores Anabolizantes para Perda de Peso (Cutting)

ciclo para cutting e definição muscularTempo de Leitura: 6 minutos


A redução de gordura corporal é um objetivo cada vez mais almejado no mundo esportivo, seja por homens ou mulheres, profissionais ou amadores. Esse período é conhecido como cutting, e é um dos períodos “mais difíceis”, pois as restrições são muito grandes. Para ajudar, muitos recorrem ao uso de anabolizantes, e neste artigo vamos mostrar quais são os 3 melhores anabolizantes para perda de peso.

O período de cutting, ou perda de peso, é um dos mais complicado, seja para profissionais ou amadores, pois é um período onde se exige muito não só do seu físico, mas também da sua mente e psicológico, pois qualquer falha em sua dieta, pode arruinar seus resultados.

Como sabemos que muitos amadores tem a tendencia a copiar profissionais, resolvi escrever este artigo para falar sobre os 3 melhores anabolizantes para perda de gordura. Assim iremos fazer com que menos pessoas cometam erros e arrisquem a sua vida durante o uso destes ergogênico.Por isso, muitos profissionais recorrem ao uso de anabolizantes para ajudar durante esse período, dando um pouco mais de liberdade na dieta e melhorando aspectos, como força, tônus muscular e etc, que são perdidos durante o período de perda de peso.

Obs: É importante deixar claro que apesar de comentarmos sobre substâncias para períodos de perda de peso, todos os esteroides anabolizantes são destinados para o aumento da massa muscular e não especificamente para a queima de gordura.

Sendo assim, iremos apresentar substâncias com melhores efeitos em ganhos sem aromatização, sem altos índices de retenção de líquidos e, principalmente, que possam ter alguma relação de maneira mais indireta com a queima de gordura.

Agora sim, vamos lá?

1- Trembolona

Sem sombra de dúvidas, um dos anabolizantes mais poderosos já criados no mundo dos esportes foi a trembolona, um 19-NOR, ou seja, uma molécula de testosterona a qual sofreu modificações em seu carbono 19.

Essa modificação faz com que ela tenha efeitos únicos e possa ser interessantíssima no cutting. Contudo ela é indicada apenas para homens, visto que essa é uma substância relativamente androgênica (que dá características masculinas).

trembolona um dos melhores anabolizantes para cutting

Dessa forma, as mulheres não devem, de forma alguma, fazer o uso dessa substância, caso contrário, podem surgir efeitos colaterais bastantes severos, tais como: voz grossa, surgimento de pelos, diminuição das mamas, entre outros.

Em primeiro lugar, a trembolona é infinitamente mais poderosa do que a testosterona e, talvez, entre os anabolizantes mais conhecidos e usados, foi o mais poderoso já criado (tanto em termos de efeitos, quanto de efeitos colaterais).

Em termos de anabolismo, ela é 5 vezes mais anabólica do que a testosterona. Ela também se ligar fortemente ao receptor androgênico, fazendo assim com que, indiretamente, haja uma maior queima de gordura corpórea.

Em termos gerais, tanto o fato de ela se ligar ao receptor androgênico, quanto seu poder anabólico, aceleram o metabolismo, fazendo com que você naturalmente consuma mais calorias.

Ainda, visto que a intensidade do seu treino irá aumentar de forma gigantesca, há um maior gasto energético e também um bom aumento do EPOC (é quando após o exercício, o organismo continua queimando calorias).

A trembolona também é bastante incompatível ao cortisol (hormônio que pode gerar o catabolismo), é capaz de aumentar os níveis de IGF-1 (proteína produzida fígado importante para o desenvolvimento muscular) e o número de disponibilização de células satélites (células capazes de aumentar as fibras musculares).

LEIA MAIS E APRENDA SOBRE >>> Trembolona: Anabolizante mais forte do Mundo!

2- Testosterona (ésteres curtos como propionato)

A testosterona normalmente é a mãe de quaisquer ciclos, inclusive quando falamos no período de perda de gordura corporal.

Se a testosterona estiver em quantidades adequadas, com uma dieta adequada e for de éster curto, a retenção de líquidos não irá ocorrer, ou ocorrerá em escalas praticamente insignificantes.

propinato de testosterona

Apesar de não existir nada científico, na prática, percebe-se que ésteres mais curtos costumam ocasionar menores índices de retenção de líquidos, como é o caso do propionato. E, ésteres mais longos, maiores quantidades de retenção de líquidos, como no caso do cipionato. Obviamente por isso é que usamos o proprionato no período de cutting.

Nos ciclos de perda de peso, a testosterona é responsável pela manutenção da massa muscular (visto que não ocorrerá se houver deficiência da massa muscular).

Ela também ajudará a melhorar a disposição e a recuperação, aumentar a força e irá promover um aumento indireto no metabolismo, potencializando ainda mais a queima de gordura.

Apesar de não se ligar de maneira tão forte ao receptor androgênico como a trembolona, a testosterona também se liga e, dessa forma, pode aumentar ainda mais a queima da gordura armazenada no corpo.

Do contrário, efeitos colaterais pode surgir como: acnes (espinhas), engrossamento da voz, crescimento excessivo de pelos, distorção da região genital, redução das mamas, alterações no ciclo menstrual, infertilidade e perda de libido nos períodos pós-ciclo.Assim como no caso da trembolona, a testosterona não deve ser usada por mulheres em ciclos. A única aplicação realmente válida da testosterona para mulheres é em caso de déficit desse hormônio e com as dosagens bem baixas, afim apenas de repor as perdas do hormônio no organismo.

APRENDA MAIS SOBRE >>> Testosterona: A base de todos os Ciclos de Anabolizantes!

3- Propionato de Drostanolona (Masteron)

O Masteron, nome comercial do propionato de drostanolona, é um dos anabolizantes mais utilizados em períodos próximos da finalização de preparações de atletas de fisiculturismo, com algo em torno de 4 a 6 semanas antes do campeonato.

Isso porque, ele não é um anabolizante com efeitos significativos a longo prazo, e seus efeitos colaterais podem ser maiores que seus efeitos desejados quando usado por muito tempo.

O masteron é um esteroide derivado do DHT (Diidrotestosterona) que é um produto da testosterona altamente androgênico (características masculinas).

masteron um dos melhores anabolizantes para cutting

Por isso mesmo é que não recomendamos que ele seja usado por mulheres. As chances de efeitos colaterais, como: crescimento excessivo de pelos, engrossamento da voz, perda de libido, redução das mamas, distorção da região genital e até mesmo infertilidade, são certas de ocorrerem.

Sendo um derivado de DHT, o masteron, além de bastante androgênico, é também um esteroide bastante anabólico. Porém, não a longo prazo. Ele promove o aumento de força, aumento da massa muscular e também, não aromatiza e não causa retenção de líquidos. Dessa forma, ele contribui, e muito, para o crescimento muscular de forma mais definida.

Além disso, por se ligar ao receptor androgênico, ele pode potencializar a queima de gordura corporal e auxiliar no período de cutting.

O próprio aumento da massa magra causado pelo uso do masteron também é importante para acelerar o metabolismo e para fazer com que seu corpo consiga queimar mais calorias naturalmente.

Outro efeito bastante desejável do masteron é que ele é um poderoso anti-esterogênico, ou seja, combate níveis altos de estrógeno e, com isso, faz com que o corpo não desenvolva aqueles efeitos colaterais, como a retenção de líquidos, criação de mamas (ginecomastia) e etc.

Isso o torna essencial para minimizar possíveis retenções trazidas pela testosterona, por exemplo. Ainda, ele pode reduzir um pouco a SHBG, disponibilizando assim maiores quantidades de testosterona livre ao corpo.

Apesar de seus benefícios, efeitos colaterais como, supressão do eixo HTP, problemas relacionados ao androgênismo (câncer de próstata, acne etc) podem ocorrer.

CONHEÇA MELHOR >>> Masteron: Excelente Anabolizante para Definição Muscular!

Dica extra: Vale a pena usar o GH para queimar gordura corporal?

O GH não é um esteroide anabolizante e sim um peptídeo. Se trata de um hormônio que possui funções muito importantes no corpo, mas que também é usado nos esportes, tanto por sua capacidade de modificações corporais quanto por sua capacidade de melhorar a performance e a recuperação.

tudo sobre o hormonio gh

Naturalmente secretado pela hipófise anterior, o GH é também um hormônio contra-regulador de outros hormônios e que é importante no crescimento de tecidos, como o muscular e o ósseo, além de órgãos (tecido muscular liso).

Entre os efeitos mais buscados por quem usa o GH (de forma injetável) o de queima de gordura e de eliminação da célula adiposa (que armazenam gordura). Sendo assim, o GH consegue não só “desidratar” a célula adiposa, mas consegue destruí-la fazendo com que as chances de você “enchê-la” novamente não existam.

Parece até que este é o melhor esteroide para a queima de gordura, não é mesmo? Mas nem tudo são flores…

Infelizmente não é tão fácil assim utilizar o GH. Primeiramente, o custo é altíssimo (você não irá gastar menos do que 3000 reais por mês) e, ele exige ser feito por longos períodos em protocolos bastante específicos (normalmente pelo menos 4 ou 6 meses). Imagine ter que gastar, em média, R$3.000,00 (três mil reais) por mês para manter esse ciclo… Isso é para poucos.

Além disso, é necessário tomar cuidado, pois maioria dos produtos do mercado é adulterado, falsificado ou, quando é original, não é armazenado e transportado da maneira correta.

Dessa forma, o produto chega na mão do consumidor final totalmente sem sua eficiência. Devemos lembrar que o GH é sensível a temperaturas, sensível a impactos, entre outras sensibilidades.

RECOMENDADO A LEITURA >>> GH: Aprenda tudo sobre o Hormônio do Crescimento!

Conclusão

Pudemos conhecer alguns dos principais anabolizantes para o período de perda de peso. Como mencionado, nenhum esteroide irá queimar gordura, propriamente dita, mas poderá auxiliar nesse processo de maneira eficiente por diferentes mecanismos.

Porém, para que tudo isso seja eficiente e para aproveitar melhor o seu período de cutting, é necessário uma rotina de ciclos bem estruturada, um bom treino e uma boa dieta.

Bons ciclos!

Publicado em 3 comentários

Descubra as diferenças dos Tipos de Pegada no Puxador (Pulley) e Na Barra Fixa

Tempo de Leitura: 6 minutos
O treino de dorsais (costas) talvez seja o mais complexo entre todos os grupamentos musculares. Isso porque, este é um grupamento o qual está fora do nosso campo de visão, dificultando a execução dos exercícios e a correção, caso estejamos fazendo algo errado. Muitas pessoas possuem um desenvolvimento ruim de sua região dorsal pela falta de estímulo adequado e/ou pela falta de conhecimento em princípios biomecânicos os quais podem interferir diretamente nos resultados pretendidos.

Um dos grandes problemas no treino de dorsais são as diferenças das pegadas nos puxadores e como eles podem interferir diretamente com que uma região das costas seja mais ativada do que a outra. Sabendo como utilizar bem os diferentes tipos de puxadores e as pegadas nestes puxadores, já será mais de 50% na melhora do seu treino de dorsais.

Um exemplo claro de que o posicionamento das mãos e dos braços pode interferir no treino de costas é no movimento escapular. Dependendo da forma com que você pega o puxador nos exercícios de Pulley ou na Barra Fixa, por exemplo, diferentes regiões das suas costas serão ativadas e isso pode significar uma melhora em seu treino ou um total fracasso.

Isso ocorre em todos os exercícios de dorsais, mas como os exercícios no puxador (pulley) e a barra fixa são os mais comuns e usados, neste artigo, falaremos a respeito deles. Porém, você pode utilizar algumas dessas ideias para os exercícios de remada também.

Neste artigo iremos abordar as pegadas mais tradicionais para que você possa compreender o básico e o princípio do assunto, mas saiba que existem outras muitas possibilidades as quais podem ser consideradas e aplicadas, ok?

É possível isolar um músculo ou uma região dorsal?

Costumo dizer que leigo é aquele que pensa que seja possível “isolar um músculo”. Sabemos que, na prática, isso é impossível, pois movimentos ocorrem em cadeias musculares e só seria possível promover a contração de um único músculo de maneira isolada caso estivéssemos em laboratório e fizéssemos uma secção do mesmo.

Não poderia ser diferente com os músculos dorsais. Quaisquer exercícios que envolvam puxadas, necessariamente irão ativar grupamentos musculares dessa região. Seria longo demais para esse artigo falarmos a função de cada um desses músculos, mas você pode conferir isso em qualquer bom livro de anatomia e/ou biomecânica. Porém saiba que, de uma forma geral, todos eles estão diretamente, ou indiretamente, envolvidos com a retração escapular, que é o principal movimento a ser considerado no trabalho de dorsais.

Mas, se sabemos que fica impossível isolar um músculo seja em qual exercício for, seria perda de tempo então variar diferentes tipos de pegadas e angulações nos treinamentos de dorsais? A resposta é que NÃO!

Apesar de não conseguimos isolar um músculo ou outro durante a execução do exercício, as diferenças entre as pegadas nos permitem dar mais enfase em uma região ou outra dos dorsais. Posicionar os braços e os antebraços de maneira com que uma região seja mais, ou menos, ativada faz com que tenhamos a possibilidade de promover maiores aspectos de densidade, maiores aspectos de largura, atingir pontos deficientes nos músculos dorsais, entre outras muitas possibilidades.

Sendo assim, vamos aprender então sobre os principais tipos de pegadas existentes no trabalho dos músculos dorsais.

CONHEÇA >>> As diferenças entre a Pegada Pronada, Supina e Neutra.

Pegada pronada (aberta e fechada) pela frente

A pegada aberta é a mais comum e típica. Normalmente ela se dá um pouco maior do que a largura dos ombros, mas muitas vezes alguns indivíduos preferem usá-la mais fechada, mais ou menos na largura dos ombros. Isso está mais relacionado com o conforto da pessoa do que com outra coisa.

Essa é uma pegada bastante básica e que solicita o latíssimo dorsal em especial, pois esse é um músculo responsável por aduzir as escápulas e também deprimir o ombro, que são os principais movimentos da puxada pela frente.

A pegada aberta nos permite um trabalho maior da região inferior do latíssimo dorsal. Normalmente, este é um exercício para “largura dos dorsais” ao invés de “espessura”. Quanto mais aberta a pegada, mais você estará trabalhando a região inferior e lateral do grande dorsal.

É importante salientar que se você realizar pegadas abertas demais, estará agredindo demais a cápsula articular dos seus ombros e isso causará também uma compressão desnecessária no manguito rotador. Portanto não use muito fora da largura de seus ombros.

Pegada pronada por trás (nuca)

Muito parecida com a puxada anterior, a diferença entre ela e a primeira é que realizamos esta por trás da nuca. Qual a vantagem nisso? Alguns diriam que nenhuma, pois a compressão nos ombros e no manguito rotador é gigante.

Porém, se o indivíduo não tem déficits de flexibilidade e também tem um fortalecimento adequado dos ombros, não há nada mal nisso. Mesmo indivíduos avançados NECESSITAM estabilizar bem as escápulas para conseguirem ter sucesso nesse movimento e evitar lesões.

A vantagem de usar essa puxada é fazer com que não haja roubos com a região lombar, nos trancos de coluna na fase concêntrica (puxada para baixo) do movimento.

Na solicitação muscular, ela atinge um pouco mais os romboides, porque este é um movimento que exige uma adução maior das escápulas. Junto também são trabalhados mais músculos da região medial dos dorsais como os redondos (maior e menor) e também o subescapular.

Pegada aberta pela frente com barra D

A barra D ou barra Romana, tem praticamente a mesma largura da barra que usamos para a puxada pela frente pronada, sendo a maior diferença que suas mãos estarão em posição neutra.

Como a pegada continua aberta, conseguimos recrutar a parte lateral do latíssimo dorsal, mas de maneira ainda mais efetiva na medida em que tiramos de jogo um pouco mais os músculos mediais da região dorsal.

Além disso, essa pode ser uma opção para pessoas as quais não têm pronação e/ou supinção completa dos antebraços, fazendo com que estresses desnecessários sejam evitados.

Pegada supinada (pegada inversa ou pegada fechada)

A pegada inversa é uma variação da pegada pronada pela frente: Ela é realizada com as palmas das mãos voltadas para si e não para frente.

Isso permite com que você tenha uma amplitude maior de movimento (tanto na fase excêntrica quanto na fase concêntrica) e consiga deprimir ainda mais as suas escápulas. Com isso, conseguimos de maneira única trabalhar bem aquela região final e medial do grande dorsal, próximo da sua cintura. O músculo grande dorsal é extremamente grande e esta pegada nos permite trabalha-lo por completo.

A pegada supinada também permite o uso de uma quantidade maior de força, fazendo com que a carga seja bastante valorizada aqui. Obviamente, você deve manter controle sobre ela, especialmente na fase excêntrica (volta do exercício ao inicio) do movimento para não perder os benefícios do exercício e ao mesmo tempo evitar possíveis lesões, como rupturas nos bíceps braquiais.

Pegada fechada com puxador triangular

A pegada fechada com puxador triangular é também um excelente movimento para empregar força, pois estamos com os bíceps em uma posição que eles são mais fortes e isso auxiliará no movimento. Devo apenas lembra-los de que os bíceps não devem ser os principais músculos do movimento, apenas coadjuvantes.

Pegada no Puxador Triângulo

 

A puxada com triangulo é um típico exercício de espessura dos dorsais. Ela permite que você trabalhe bem os romboides e a parte medial do grande dorsal. Tendo uma amplitude muito boa, ela pode recrutar mais a parte média das costas ou a parte baixa.

Para as pessoas com menos experiência, o respeito pela forma tradicional de execução deve ser prioridade, mas para pessoas mais avançadas, algumas variações podem ser aplicadas, como: a execução invertido no pulley (para solicitar melhor a parte medial das costas), a execução com o corpo fora do pulley (para solicitar melhor a parte baixa das costas), entre outras.

Barras fixas

Todos esses princípios mencionados acima valem também para a barra fixa. A grande diferença que há é o grau de dificuldade (maior na barra fixa), pela necessidade de equilíbrio. Além disso, pessoas com menor força e/ou mais pesadas podem ter ainda mais dificuldades na barra fixa.

Portanto, é importante que ela seja inserida progressivamente para te conferir também um complemento de trabalho básico e que é essencial para várias capacidades do corpo (equilíbrio, controle etc), além do próprio desenvolvimento físico, é claro.

Conclusão

Neste artigo conhecemos as diferentes tipos de pegadas para se usar nos treinos de dorsais e pudemos entender melhor como trabalhar o nosso músculo das costas de maneira mais ampla e completa.

Sabendo quais são as regiões mais ativadas por cada tipo de pegada você poderá trabalhar melhor o seu treino de dorsais e corrigir eventuais falhas que ele possa ter.

Agora faça uma avaliação do seu shape analisando as suas costas e veja qual é a região que mais precisa ser desenvolvida e escolha o tipo certo de pegada! Você poderá já ver bons resultados em seu próximo treino!

Bons treinos!

Publicado em 71 comentários

Dianabol (Metandrostenolona): O anabolizante mais utilizado para ganho de massa muscular!

Dianabol para que serve e beneficios cicloTempo de Leitura: 15 minutos


O que é Dianabol , também conhecido pelo nome de metandrostenolona, é um dos anabolizantes mais conhecidos e utilizados entre os praticantes de musculação. Isso porque, ele foi o segundo anabolizante feito em laboratórios a partir da testosterona, um dos hormônios mais produzidos pelos homens.

Por seus efeitos anabólicos serem enormes e muito mais rápidos, o dianabol é muito procurado por pessoas que desejam aumentar a massa muscular e a força, para que o rendimento nos treinos seja muito maior, melhorando seus resultados de forma rápida e expressiva.

Os benefícios do Dianabol são bastantes conhecidos (não é atoa que muitos desejam), mas além desses efeitos desejáveis, há também alguns efeitos colaterais específicos desse anabolizante. Precisamos conhecer os dois lados e ver se compensa ou não o seu uso.

Nesse artigo, preparamos um guia completo sobre o Dianabol : seus principais benefícios, seus efeitos colaterais (tanto para homens, quanto para mulheres), formas de uso, possíveis combinações e muito mais!

 

História do Dianabol

A metandrostenolona, ou dianabol, foi descrita pela primeira vez em 1955. Foi lançada no mercado de medicamentos prescritos nos Estados Unidos em 1958, sob a marca Dianabol da Ciba Pharmaceuticals. A Ciba desenvolveu a metandrostenolona com a ajuda do Dr. John Ziegler, que era o médico de várias equipes olímpicas dos EUA, incluindo o levantamento de peso.

Ziegler percebeu que os russos estavam abusando fortemente de testosterona em seus atletas de força (desde sempre, né). De acordo com Ziegler, o hormônio estava tendo efeitos colaterais visíveis, e um atleta teve um aumento tão profundo da próstata que ele foi forçado a urinar com a ajuda de um cateter.

Enquanto trabalhava com a Ciba, a empresa testou um esteróide (sintetizado anteriormente) que reduziu a androgenicidade se comparado com a testosterona, mas com a propriedade de construção de massa mantida (anabolismo). Isso foi feito alterando-se a estrutura química básica da testosterona de uma forma que alterou o seu metabolismo e disposição no corpo. Com a ajuda do Dr. Ziegler, a Ciba trouxe para o mercado um dos “mais eficazes anabolizantes” orais e medicamentos a base de esteroides já conhecidos: a metandrostenolona, mais conhecido como Dianabol (diana para os íntimos).

O sucesso da droga foi rápido e de grande alcance. Os atletas do Dr. Ziegler estavam rapidamente tendo ótimos avanços em suas carreiras competitivas com a ajuda do medicamento. Segundo os relatórios, Ziegler também parecia estar muito impressionado, pelo menos por um tempo .

Mas, no início da década de 1960, estava começando a parecer que Dianabol havia provocado uma grande onda de abuso de esteróides em esportes competitivos. As primeiras recomendações de Ziegler sugeriam apenas 5 mg por dia ou até 15mg, no máximo. Porém essas recomendações foram ignoradas, em grande parte por atletas, que desenvolveram sua própria estratégia de dosagem (e potencialmente perigosas). O dr. Ziegler logo se tornou desconfortável com o uso indevido da droga e tornou-se uma voz de oposição ao doping esportivo. O dianabol foi tipo um Frankstein dos esteroides: seu criador perdeu o controle sobre suas ações.

Em 1967, aproximadamente 10 anos após a primeira introdução do dianabol aos atletas, a FDA condenou categoricamente o uso de esteróides anabolizantes nos esportes. Já em 1965, o dianabol estava começando a cair na “malha fina” da Food and Drug Administration (FDA), que pediu que a Ciba esclarecesse o uso médico do dianabol, que foram declarados como “ajuda para pacientes em estados debilitados”.

Em 1970, A FDA aceitou que o dianabol era “provavelmente eficaz” em tratamento de osteoporose pós-menopausa, deficiência pituitária e nanismo. Essas mudanças foram refletidas nas recomendações de prescrição de drogas durante a década de 1970, e a Ciba foi autorizada a continuar vendendo e estudando o agente.

No início dos anos 80, a FDA havia retirado o seu “provavelmente eficaz” no nanismo e deficiência da glândula pituitária e continuou pressionando a Ciba para mais esclarecimentos, os quais nunca vieram, e, então, em 1983, a Ciba oficialmente retirou o dianabol do mercado dos EUA.

Talvez o desinteresse financeiro tenha dado uma mãozinha para o seu abandono, pois a Ciba teria que investir uma grana para manter o medicamento aprovado. A FDA retirou todos os genéricos e formas de metandrostenolona do mercado dos EUA em 1985, uma época em que a maioria das nações ocidentais também estavam eliminando a droga, achando sua existência justificada principalmente por doping esportivo. A metandrostenolona ainda é produzida hoje, mas tipicamente em países com regulamentos mais “liberais” para medicamentos prescritos, e por empresas que ainda preferem atender a um mercado esportivo underground.

O que é Dianabol?

Quimicamente, a molécula de dianabol nada mais é do que a molécula de testosterona com uma dupla ligação no carbono 2, fazendo com que ela tenha menos efeitos masculinos, mas mantenha suas propriedades anabólicas.

Além disso, foi adicionado um grupo methyl no carbono 17 para que ela pudesse passar pelo metabolismo hepático e, após isso, exercer suas funções.

Portanto, a Dianabol oral e mesmo a dianabol injetável são anabolizantes conhecidos como 17-aa.

A relação de androgênico (características masculinas) da Dianabol é de 40-60, tendo então uma baixa afinidade com o receptor androgênico quando comparada com a testosterona.

Tabela nutricional, ingredientes e composição

Dianabol Tabela Nutricional Efeitos Colaterais
Dianabol Tabela Nutricional Efeitos Colaterais

Benefícios do Dianabol

O Dianabol é um derivado de testosterona. Sendo assim, ele possui um potencial anabólico por alguns fatores os quais a testosterona também promove.

O primeiro deles é pelo significativo aumento na síntese proteica. Agindo no núcleo celular, o dianabol aumenta sinalizações para que sínteses ocorram numa velocidade muito mais elevada. Sendo assim, o tecido muscular sofre maiores sínteses, melhora sua recuperação e se adapta mais rápido aos estímulos, promovendo não somente a hipertrofia, mas a hiperplasia (aumento de alguns orgãos ) também. Junto a isto, há um grande aumento nos níveis de retenção de nitrogênio no músculo, propiciando um ótimo ambiente anabólico.

O segundo ponto é que o Dianabol reduz os níveis de glicogenólise, ou seja, da quebra de glicogênio. Sendo o glicogênio um dos responsáveis pelo volume muscular, pela retenção de água no tecido muscular e também pelo fornecimento de energia os músculos, certamente, com maiores concentrações dele no ambiente muscular, conseguimos resultados mais satisfatórios.

O Dianabol também é um anabolizante conhecido por aumentar os potenciais de força e de retenção de líquidos, auxiliando na prevenção de danos articulares, que podem ser causados pelo  aumento de força.

Ciclos de dianabol costumam proporcionar resultados em muito pouco tempo, o que também é um benefício. Por exemplo, com 4 semanas de uso de dianabol, conseguem-se ganhos de 4-6kg. É justamente por essa característica de promover ganhos tão rapidamente que o Dianabol é usado no começo de algum ciclo.

Para que serve o Dianabol?

O Dianabol normalmente é usado de maneira inicial no ciclo, como um “start up. As dosagens médias para um ciclo inicial de Dianabol são de 50-60mg por dia, sendo que, para indivíduos mais avançados, doses de 100-150mg por dia são relativamente comuns.

Apesar de ser tipicamente usada em ciclos de bulking (ganho de massa), ela pode ser estrategicamente usada também por pessoas que estejam em período de cutting (perda de gordura).

Dentro do cutting, pode ser para hidratar o plasma (substância orgânica presente no sangue) e melhor receber outras substâncias. Nestes casos, a dianabol é usada em dosagens bastante baixas, algo em torno de 20-40mg por dia por 3-4 semanas. Também pode ser usada em casos onde a dieta está restrita e por pessoas as quais não possuem tanta facilidade de subir o seu peso, já que ela ajuda na retenção de líquidos e pode ser usada para que se sinta mais “cheio”, com uma aparência de melhor densidade muscular.

Quando usada para bulking, pode ser combinada com outros anabolizantes, como a: nandrolona ou a oximetolona (apesar de não ser recomendável usar dois 17-aa no mesmo ciclo).

Independentemente de qual seja seu ciclo, a presença de alguma testosterona (normalmente de éster longo no bulking e éster médio ou curto no cutting) é essencial, uma vez que o Dianabol pode causar séria supressão ao eixo HTP. Saiba mais para que serve Dianabol.

Como a metandrostenolona é encontrada hoje em dia?

A metandrostenolona está disponível tanto para humanos, quanto para os animais (uso veterinário). Composição e dosagem podem variar de acordo com o país e o fabricante.

A metandrostenolona foi concebida como um anabolizante esteroide oral contendo 2,5 mg ou 5 mg de esteróide por comprimido (dianabol original). As marcas modernas geralmente contêm 5 mg ou 10 mg por comprimido.

A metandrostenolona também pode ser encontrada em preparações veterinárias injetáveis. Estes são tipicamente baseados em soluções oleosas que contém 25 mg / ml de esteróides.

Saiba mais onde comprar Dianabol.

Efeitos colaterais

Sabemos que o dianabol possui muito benefícios, mas juntos dele, também existem alguns efeitos colaterais. E por isso precisamos saber quais são, para entendermos se vale a pena, ou não, o uso deste anabolizante.

Vamos a eles:

Estrogênicos

Dianabol tem um efeitos estrogênico notável, ou seja, ele pode fazer com que os níveis de hormônios femininos aumentem muito durante seu uso e após o seu uso também.

A metandrostenolona é um esteroide moderadamente estrogênico. A ginecomastia é, muitas vezes, uma preocupação durante o ciclo e pode apresentar-se bastante cedo (particularmente quando doses mais elevadas são usadas).

Ao mesmo tempo, a retenção de água pode se tornar um problema, causando uma notável perda de definição muscular. Pessoas sensíveis podem, portanto, querer manter o estrogênio sob controle com a adição de um anti-estrogênio como Nolvadex ou Proviron. Uma outra alternativa é usar um inibidor de aromatase como Arimidex (Anastrozol), que é um remédio mais efetivo para controle de estrogênio. Os inibidores da aromatase, no entanto, podem ser bastante caros e ter um efeito negativo nos lipídios sanguíneos.

Androgênicos

Embora classificado como um esteroide anabólico, os efeitos referentes ao lado androgênico (características masculinas) ainda são comuns com esta substância.

Isso pode incluir pele oleosa, acne e crescimento de pelos no corpo e rosto. Os esteroides anabolizantes e androgênicos também podem agravar a perda de cabelo nos meninos. Indivíduos sensíveis aos efeitos androgênicos da metandrostenolona podem usar um anabolizante mais suave, como Deca-Durabolin (nandrolona).

As mulheres também devem ser avisadas dos potenciais efeitos virilizantes de esteroides anabolizantes androgênicos, que podem incluir um engrossamento da voz, irregularidades menstruais, mudanças na textura da pele, pelos no rosto e aumento do clitóris.

Hepatotoxicidade

A metandrostenolona é um composto c17-alfa alquilado. Esta alteração protege o medicamento da desativação pelo fígado, permitindo uma porcentagem muito alta da entrada dessa substância na circulação sanguínea após a administração oral. Esse tipo de esteroidepode ser muito hepatotóxico, ou seja, trazer problemas ao fígado.

Uma exposição prolongada ou alta dosagem pode resultar em dano no fígado e, em casos muito raros, com risco de vida. É aconselhável consultar um médico periodicamente durante cada ciclo para monitorar a função do fígado.

Não é recomendável que se misture a Dianabol com algum outro anabolizante que seja 17-aa, como stanozolol ou oxandrolona. Além disso, o uso de protetores hepáticos e a realização de exames periódicos tornam-se fundamental.

Entre esses protetores hepáticos, podemos citar a silimarina (200mg por dia). Hepatoprotetores mais naturais, como chá de boldo, chá de alcachofra e chá de espinheira santa também podem ajudar.

Uma boa dieta e um consumo adequado de água também são fundamentais para a saúde de seu fígado.

Cardiovasculares

Os esteroides anabolizantes e androgênicos podem ter efeitos prejudiciais sobre o colesterol. Isso inclui uma tendência a reduzir o HDL (colesterol bom) e aumentar o LDL (colesterol ruim).

A metandrostenolona tem um forte efeito sobre o controle do colesterol hepático devido à sua resistência estrutural á degradação do fígado e à via de administração. Os esteroides anabolizantes e androgênicos também podem afetar negativamente a pressão sanguínea e triglicerídeos, reduzir o relaxamento do endotélio e ajudar na hipertrofia ventricular esquerda, todos fatores potenciais no aumento do risco de doença cardiovascular e infarto do miocárdio.

Além disso, o aumento da pressão arterial pode ocorrer, especialmente em pessoas pré-dispostas através do aumento da retenção de líquidos.

Para ajudar a reduzir a tensão cardiovascular, é aconselhável que se mantenha um programa ativo de exercícios cardiovasculares, sempre prescrito por um profissional de Educação Física, e minimizar a ingestão de gorduras saturadas, colesterol e carboidratos simples durante a administração da droga, complementando a dieta com ômega-3 e um antioxidante, como Lipid Stabil ou um produto similar.

Supressão de testosterona

Todos os esteroides anabolizantes e androgênicos quando tomados em doses suficientes para promover o ganho muscular suprimem (diminuem) a produção endógena (natural) de testosterona, isso é inevitável. A metandrostenolona não é uma exceção, e é conhecida por sua forte influência sobre o eixo HPT (hipotálamo-pituitaria-testicular).

Estudos clínicos que submeteram 15 mg por dia em homens durante 8 semanas fizeram o nível de testosterona no sangue cair em 69%. Sem a intervenção de substâncias estimuladoras da testosterona, os níveis devem voltar ao normal dentro de 1-4 meses a partir do término do uso.

Por isso é que se recomenda o uso de dianabol SEMPRE acompanhada de uma testosterona, mesmo em doses baixas. Após o ciclo de dianabol, é necessário fazer TPC (terpia pós-ciclo). E há de se salientar que o HCG é altamente aplicável para estimular novamente a produção de LH e de FSH que são responsáveis por sua vez em estimular as gônadas a produzirem testosterona e espermatozoides.

Efeitos no sistema gastrointestinal

O Dianabol pode proporcionar alguns desconfortos gástricos em indivíduos mais sensíveis ou que tenham algum tipo de doença, como a úlcera ou gastrite (mesmo que nervosa).

Esses indivíduos devem se atentar a não usar a Dianabol em jejum e mesmo assim, devem buscar algum protetor da parede gástrica caso sintam desconfortos, como o omeprazol. Porém, estes medicamentem devem apenas se usados se houver desconforto.

Como usar o Dianabol?

Estudos demonstraram que tomar um esteroide anabolizante oral com alimentos pode diminuir sua biodisponibilidade. Isso é causado pela natureza solúvel em gordura dos hormônios esteroides, que pode permitir que alguma droga se dissolva com a gordura dietética não digerida, reduzindo sua absorção no trato gastrointestinal. Para uma utilização máxima, este esteroide deve ser tomado com o estômago vazio.

A meia-vida do dianabol é de apenas 3 a 5 horas. O esquema de dosagem diária única (tomado apenas uma vez) produzirá uma concentração da droga variável a nível sanguíneo, com altos e baixos ao longo do dia. O usuário deve dividir a ingestão dos comprimidos durante o dia ao invés de ingerir todos ao mesmo tempo para tentar regular a concentração no sangue.

Normalmente, doses de 15mg por dia já conseguem mostrar efeitos notáveis, porém, é mais eficiente para ganho de massa muscular o uso de algo entre 25mg-30mg por dia. Na prática, pessoas podem chegar a usar de 50-150mg por dia de dianabol, porém os riscos de colaterais aumentam demais e não é recomendado sem acompanhamento médico e exames.

O dianabol combina bem com uma variedade de outros anabolizantes, mas mostrou-se muito interessante ao misturar-se com Deca-Durabolin (nandrolona). Juntos, pode-se esperar ganhos excepcionais de músculo e força, com efeitos colaterais não muito piores do que seria com o dianabol sozinho. Para ganhos de massa pura, um éster de testosterona de ação prolongada como o enantato ou cipionato pode ser usado.

O tempo de detecção do dianabol em seu organismo é de aproximadamente 6 semanas após a ingestão da ultima dose do anabolizantes. Saiba mais como tomar Dianabol.

Como montar ciclo de Dianabol?

A montagem de um ciclo é uma das partes mais dificis para quem decidiu utilizar anabolizantes e que obter o máximo dos resultados, mas sem os efeitos colaterais. O mais correto seria procurar um médico e ser orientado, mas sabemos que no Brasil isso é complicado. A maioria não sabe nada sobe o uso de anabolizantes e os que sabem não indicam por ética profissional.

Por isso eu resolvi criar o Programa Fórmula dos Gigantes, onde eu ensino aos meus alunos sobre o uso correto, eficaz e seguro dos anabolizantes.

No Fórmula dos Gigantes você vai aprender como montar seu ciclo, como misturar os anabolizantes e vai ter tudo mastigadinho para você. Ciclos prontos, com dosagens, tempo de uso, horário de uso, formas de uso, proteções de cada ciclo, TPC de cada ciclo e muito mais. Tudo para que você possa fazer um uso consciente e eficaz.

Além disso, receberá também dietas prontas e treinos prontos, para maximizar ainda mais os seus ganhos de resultados!

Uso de Dianabol por Mulheres

Não há muitos relatos sobre o uso de dianabol por mulheres, mas ele está longe de ser um anabolizante indicado, pois seus efeitos androgênicos (características masculinas) causarão grande virilização, como o crescimento de pelos, engrossamento de voz, redução das mamas, alterações das genitálias, infertilidade e etc.

O Dianabol também é uma substância que promove ganhos de retenção de líquidos, ou seja, para a maioria das mulheres isso significará acabar com os fatores estéticos os quais a maioria deseja.

De uma forma geral, podemos considerar que o dianabol é um anabolizante muito forte para mulheres, por maiores que sejam os ganhos e objetivos de cada uma delas. Opções como a oxandrolona, stanozolol ou a nandrolona parecem ser mais viáveis e menos arriscados para as mulheres.

Portanto, não considere o uso de dianabol caso você seja mulher!

Onde comprar a metandrostenolona/dianabol com o melhor preço ?

Formas farmacêuticas legítimas da metandrostenolona são raras. A medicina ocidental removeu completamente este esteroide, alegando não possuir real valor terapêutico. Sua existência potencial é vista apenas para uso estético e atlético e, portanto, você não vai encontrar dianabol legítimo sendo produzido nos EUA, Canadá ou Europa Ocidental. Esta droga é feita exclusivamente em áreas como a Ásia, América do Sul (limitada) e Europa Oriental. Ignore qualquer coisa rotulada como italiano ou espanhol, é uma cilada! Eles não serão legítimos!

Em relação a alguns dos produtores de drogas legítimas no mercado negro, você encontra os famosos comprimidos da Tailândia, com o nome de Anabol (British Dispensary). Devido à falsificação desenfreada, o fabricante instituiu três formas de segurança. A primeira é um adesivo holográfico. A segunda, os próprios comprimidos são impressos com a forma da cobra da empresa. Por fim, a embalagem de 1000 comprimidos traz o logotipo da empresa na tampa de plástico.

Note-se que a Anabol está em tão alta demanda que alguns falsificadores avançados estão duplicando os hologramas da British Dispensary, com corantes personalizados para os comprimidos e potes de plástico impressos com o logo da empresa. Eles parecem muito com o produto original, mas todos, até agora, falharam em pequenos detalhes. Certifique-se de comparar os recursos do seu produto com o Anabol real nas fotos originais disponíveis na internet. Observe que o produto traz um número de lote impresso pelo computador e data de validade.

A British Dispensary também fabrica uma versão de 10 mg chamado Anabol 10. Este produto traz as mesmas características de segurança do produto regular, mas em um pacote menor, amarelo e branco, com comprimidos idênticos, na forma, à versão de 5 mg, e também carregam o logotipo da empresa impressa neles. A única diferença é a sua cor, que é amarela em vez de rosa.

O genérico “Russian D-Bol” (METAHAPOCTEHOROH) ainda é produzido na Rússia por Akrikhin (o nome parece ser Akpnxnh em cirílico). A caixa atual é de cor roxa e carrega 10 tiras de 10 comprimidos cada. Essa foi muito popular no Brasil na década de 90, conhecida como o famoso “dianabol russo” e, como tal, também foi uma falsificação regular. A maioria das falsificações foram pequenas cópias do original, muitas vezes vindo em potes de comprimidos soltos em vez de blister.

Isso não quer dizer que a versão em tiras de comprimidos assegura uma compra segura, no entanto, tome cuidado em comparar seu produto com as fotos originais. O fabricante começou a fazer uma versão deste produto para o mercado ucraniano e o nome que aparece na embalagem é Akpixih. Alguns “especialistas sem noção” identificaram erroneamente esta grafia como falha, acreditando que isso fosse um erro ao se escrever Akpnxnh, mas não é.

Methandon e Melic da Tailândia são itens legítimos, e vêm embalados em recipientes de 1.000 comprimidos cada. Ambos os produtos são relativamente raros no mercado negro, embora acredite-se que ambos estejam em produção. Ambos os produtos têm 5 lados (pentágono) são rosas e são muito semelhantes. O Methandon (que antigamente era um comprimido branco liso) carrega as letras “ES” gravadas neles.

O Naposim, versão da Romênia ainda está disponível. Ele vem em uma caixa branca, contendo 10 comprimidos triangulares. Observe que o Naposim real tem data e número de lote em ambas as extremidades. Algumas falsificações no passado ignoraram isso, colocando-os apenas em uma extremidade. Além disso, há uma pequena “ponta” (formando um pequeno mamilo) no centro de cada bolha de comprimidos no Naposim real.

Fakes deste produto foram fabricados sem essa ponta e são lisos nas bolhas de comprimidos. Além disso, certifique-se de que o triângulo em seus comprimidos é afiado e uniforme. Uma fake recente foi visto e se parece mais com emblemas da Star Trek do que com triângulos. Além disso, note que algumas tiras são encontradas com o nome genérico metandienona em vez de metandienonum, simplesmente como a empresa rotula o produto para exportar.

Danabol DS da Body Research / March Pharmaceutical, uma empresa na Tailândia também está disponível. Os comprimidos são feitos sob a forma de diferentes corações, com comprimido azul pequeno.

O Anabolex 3mg da República Dominicana é uma compra segura. Note-se que cada comprimido contém um adicional de 1,5 mg de Periactin, usado como estimulante do apetite. É um anti-histamínico e pode causar sonolência.

Metanabol da Polônia é outra marca legítima, mas tenha certeza de comprar estas só em tiras de 20 comprimidos, como se mostra na biblioteca de imagens na internet.

Balkan Pharmaceuticals na Moldávia faz um metandrostenolona chamado Danabol. Vem em blisters de plástico de 20 comprimidos cada.

Jinan Pharmaceuticals faz uma versão de 10 mg na China para exportação, chamada Anahexia. Ele vem em folhas e tiras plásticas de 20 comprimidos cada.

Vídeo com Review sobre Dianabol

Esse vídeo foi gravado pelo Jason, e não por mim. Ele explica um pouco sobre o Dianabol (metandrostenolona), de forma mais reduzida e sem entrar em muitos detalhes, como entrei no artigo. Porém para quem não gosta de ler muito, pode ser uma oportunidade de aprender sobre a Droga.

Prometo que em breve irei gravar um vídeo bem detalhado (como este artigo) e colocarei a disposição de vocês no canal do Dicas de Musculação no youtube.

Perfil da metandrostenolona

Nome molecular: [17a-methyl-17b-hydroxy-1,4-androstadien-3-one]
Peso molecular: 300.44
Fórmula: C20H28O2
Ponto de fusão: N/A
Produtor: Ciba (Originalmente)
Data de criação oficial: 1956
Dose efetiva: 25-50mgs (doses abaixo de 5mg e acima de 100mg são relatadas)
Meia-Vida: 6-8 horas na forma oral. E entre 48-72h na forma injetável.
Tempo de detecção no corpo: Maior do que 6 semanas
Índice Anabólico/Androgênico (Variação): 90-210:40-60
Hepatotóxica: Sim
Aromatiza: Sim
Converte-se em DHT: Não
Acne: Sim
Retenção hídrica: Sim
Pressão Alta: Sim

Conclusão:

Esse anabolizante de origem Russa, mas oficialmente fabricada no EUA, foi um dos anabolizantes mais importantes depois da testosterona, e foi de grande auxílio para atletas nas Olimpíadas que ocorreram na segunda guerra mundial. Aliás, foi justamente ela, a segunda droga anabólica a ser criada depois da testosterona.

Apresentando efeitos colaterais de médio porte, seu uso hoje é feito pelos mais diferentes atletas e esportistas, principalmente visando o aumento de massa muscular e em curto período, assim com o de força também. Saiba Mais sobre efeitos colaterais Dianabol.

Entretanto, em altas doses, o Dianabol pode ser uma droga extremamente tóxica (e de fato já é, por tratar-se de um 17aa) e apresentar uma forte opressão a produção hormonal de LH, FSH, Testosterona e outros importantes hormônios.

Lembre-se: O site dicas de musculação não recomenda qualquer uso de quaisquer substâncias! Consulte sempre um profissional competente. Este artigo é apenas para conhecimento da droga.

Saiba mais sobre preço Dianabol.

Publicado em 83 comentários

Oximetolona (hemogenin): o anabolizante para ganho de massa

Hemogenin Oximetolona

Tempo de Leitura: 12 minutosUm dos anabolizantes mais procurados por quem quer ganhar massa muscular, é o Hemogenin (Oximetolona). Este é o “Deus” do ganho muscular é um dos mais procurados pelos novatos de academia, que não tem paciência para tentar ganhar massa muscular de forma definitiva e saudável, partindo assim para esteroides.

Porém o hemogenin é um produto com muitas polemicas. Algumas pessoas dizem que ganharam 10kg em pouco tempo, outros dizem que depois do uso perderam tudo, alguns dizem que ele é o anabolizante que possui colaterais mais forte, enfim, são muitos os dizeres.

Neste artigo vamos conhecer melhor este esteroide anabolizante e entender do que ele realmente é capaz, seus efeitos colaterais, exemplos de uso e muito mais.

O que é a Oximetolona?

A oximetolona, mais conhecido como hemogenin, é um potente esteróide anabolizante oral derivado da dihidrotestosterona, especificamente, “primo” da metildihidrotestosterona (mestanolona), diferindo apenas pela adição de um grupo 2-hidroximetileno.

Isso cria um esteróide com atividade consideravelmente diferente da mestanolona, ​de modo que é muito difícil de fazer comparações entre os dois esteroides. Para iniciantes, o hemogenin é um hormônio anabólico muito potente. A dihidrotestosterona e a mestanolona são anabólicos muito fracos devido ao fato de que essas moléculas não são muito estáveis na enzima hidroxiesteróide 3-alfa desidrogenase do tecido muscular.

A oximetolona permanece altamente ativa, como é relatado em testes de ensaio de animais que demonstram atividade anabólica significativamente maior do que a testosterona ou metiltestosterona. Esses ensaios sugerem que a androgenicidade da oximetolona é muito baixa.

O hemogenin é considerado por muitos como sendo o esteroide oral mais poderoso, comercialmente disponível. Um novato no ramo dos esteroides, o popular “chassi de grilo”, pode experimentar, com este agente, provavelmente, ganhos em torno de 10kg ou mais em apenas 6 semanas de uso.

Este esteróide provoca muita retenção de água, então uma boa parcela desse ganho será o peso da água (o “retidão” da academia, que se acha forte, mas tem o braço mais roliço que uma peça de mortadela pendurada no açougue). Isso, no entanto, muitas vezes, é de pouca importância para o usuário, que pode estar se sentindo muito grande e forte ao tomar o medicamento e não estar nem aí pra sua avaliação criteriosa.

Caixa do Oxybolone

Embora o aspecto que resulte de retenção de água muitas vezes não seja atraente, pode ajudar um pouco no nível de tamanho e força adquirida. O músculo fica mais visualmente completo, terá uma contração muscular melhorada e proporcionará um nível de proteção as lesões em forma de água extra mantida dentro e ao redor da conectividade dos tecidos. Isso permitirá uma maior elasticidade, e diminuirá as chances de lesões ao levantar cargas muito pesadas.

Devemos notar, no entanto, que um ganho muito rápido em massa pode também colocar muito estresse em suas articulações. Portanto: muito cuidado!

História da Oximetolona

Oximetolona foi descrita pela primeira vez em 1959. O agente foi lançado nos Estados Unidos como um medicamento durante o início da década de 1960, vendido sob a marca Anadrol-50 (Syntex) e Androyd (Parke Davis & Co.). A Syntex desenvolveu o agente e era a detentora de direitos de patente até a expiração, muitos anos depois.

A droga era originalmente aprovada para uso em condições onde a ação de anabolizantes era necessária e suas utilizações indicadas incluíram geriatria, debilitação, estados de baixo peso crônico, preservação pré e  pós-operatória da massa magra, convalescença, doença gastrointestinal, osteoporose e condições catabólicas gerais. A dose recomendada para tais usos eram geralmente de 2,5 mg três vezes por dia.

O medicamento foi originalmente fornecido em um comprimido de 2,5 mg, 5 mg ou 10 mg. Apesar dos muitos usos terapêuticos potenciais ou de uma forte atividade anabólica desta droga, a FDA logo reduziu estritamente os usos indicados da oximetolona.

A Food and Drug Administration (FDA) é uma agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, um dos departamentos executivos federais dos Estados Unidos. A FDA é responsável pela proteção e promoção da saúde pública através do controle e supervisão da segurança alimentar, produtos de tabaco, suplementos dietéticos, medicamentos farmacêuticos, vacinas, biofarmacêuticos, transfusões de sangue, dispositivos médicos, radiação eletromagnética (ERED), cosméticos e alimentos para animais e produtos veterinários.

Em meados da década de 1970, a droga foi aprovada pela FDA apenas para tratamento de anemia caracterizada por deficiência de produção de glóbulos vermelhos (RBC). É certo que a estimulação de eritropoiese (produção de glóbulos vermelhos) é característico de quase todos os esteróides anabólicos que tendem a aumentar as concentrações de RBC. A oximetolona, no entanto, parecia bastante confiável a este respeito, demonstrando um aumento dos níveis de eritropoietina até 5 vezes. Isto levou a sua adoção para esse uso médico relativamente novo, bem como à instituição de uma dosagem mais elevada (50 mg) com o produto Anadrol-50 atualizado, necessário para um reforço na contagem de glóbulos vermelhos no sangue.

A Parke Davis não adotou a dosagem mais elevada, no entanto, e a produção foi interrompida. Nos últimos anos, usaram-se substitutos para o tratamentos de anemia, principalmente Epogen (recombinante Eritropoietina) e péptidos eritropoiéticos relacionados. As drogas imitam diretamente os glóbulos vermelhos naturais do corpo, e, como tal, fornecem muito mais formas de terapia focalizada, com menores efeitos que a oximetolona.

Embora o Anadrol tenha sido visto como uma droga eficaz para este propósito, as vendas agora estavam caindo. O desinteresse financeiro finalmente levou a Syntex a interromper a produção nos EUA em 1993, que foi quando também decidiram deixar de fabricar esse item em um grande número de países estrangeiros: Plenastril da Suíça e Áustria foi abandonada; depois foi a vez da Oxitosona da Espanha.

Durante meados da década de 1990, muitos atletas temiam que a oximetolona iria acabar. Em julho de 1997, a Syntex vendeu todos os direitos sobre o Anadrol-50 nos EUA, Canadá e México para Unimed Pharmaceuticals. A Unimed reintroduziu o Anadrol-50 no mercado norte-americano em 1998, para pacientes com HIV/AIDS. Pacientes com HIV são comumente anêmicos, muitas vezes causada pela própria doença, infecções oportunistas ou medicamentos anti-retrovirais usados para tratar a doença. A anemia em pacientes com HIV é tipicamente categorizado pela diminuição da produção de glóbulos vermelhos na medula óssea, a indicação aprovada pelo FDA para uso de oximetolona.

Adicionando-se a isso, a oximetolona foi mostrando grande promessa nos estudos de combate ao HIV. A Unimed iniciou os ensaios de Fase II / III para a síndrome de HIV, e continuou a pesquisa para tratar doenças crônicas como doença pulmonar obstrutiva e lipodistrofia (uma desordem caracterizada por uma perda seletiva de gordura corporal, resistência à insulina, diabetes, níveis elevados de triglicerídeos e gordura no fígado).

Em abril de 2006, a Solvay Pharmaceuticals (empresa-mãe da Unimed) vendeu os direitos de Anadrol-50 para a Alaven Pharmaceutical, LLC. A Alaven continua a comercializar a droga nos Estados Unidos, embora ainda seja desconhecido se a empresa planeja prosseguir com a oximetolona. No momento, a única indicação aprovada pela FDA continua a ser a de tratar a anemia.

Oximetolona para que serve
Oximetolona para que serve

Como é fornecida

A oximetolona (hemogenin) está disponível em determinados mercados de drogas e a composição e dosagem podem variar de acordo com o país e fabricante. A maioria das marcas contém 50 mg de esteróides por comprimido.

Características estruturais

É, como dito anteriormente, uma forma modificada de di-hidrotestosterona, que difere da mesma em (1) a adição de um grupo metilo no carbono 17alfa, que ajuda a proteger o hormônio durante a administração oral e (2) a introdução de um grupo 2-hidroximetileno que inibe seu metabolismo pela enzima 3-hsd e aumenta grandemente o anabolizante e atividade biológica se comparada a metildihidrotestosterona.

Fórmula da Oximetolona

Efeitos colaterais

Alguns dos efeitos colaterais que o hemogenin pode trazer são:

  • Altos danos ao figado;
  • Ginecomastia;
  • Acne;
  • Perda de cabelo;
  • Irritabilidade;
  • Retenção hídrica (inchaço);
  • Pressão arterial;
  • Características masculinas (para mulheres);
  • Aumenta o colesterol;

Vamos falar mais detalhadamente sobre eles nos tópicos abaixo, relatando sobre cada um deles e como tentar se prevenir durante o ciclo.

Estrogênicos

É um esteróide altamente estrogênico. A ginecomastia é frequentemente uma preocupação durante o uso e pode aparecer bastante cedo em um ciclo (particularmente quando são utilizadas doses mais elevadas). Ao mesmo tempo, a retenção de água pode se tornar um problema, causando uma notável perda de definição muscular como consequência da retenção hídrica subcutânea e aumento dos níveis de gordura. Para evitar fortes efeitos colaterais estrogênicos, pode ser necessário usar um antiestrogênio como Nolvadex ou Clomid.

É importante notar que este esteróide é um derivado de dihidrotestosterona e, como tal, não pode ser aromatizado. Compostos anti-aromatase como Cytadren e Arimidex, da mesma forma, não afetará a relativa estrogenicidade deste esteróide. Alguns sugeriram que o alto nível de atividade estrogênica na oximetolona é, na verdade, devido à droga atuar como progestina, semelhante à nandrolona. Os efeitos colaterais dos estrogênios e das progestinas podem ser muito parecidas, o que pode fazer com que essa explicação seja plausível, no entanto, nenhuma atividade desse tipo está presente no medicamento.

Androgênicos

Embora a oximetolona (hemogenin) seja classificada como anabolizante esteróide, os efeitos colaterais androgênicos ainda são possíveis com essa substância.

Estes podem incluir pele oleosa, acne e crescimento de pelos no corpo e face. As doses mais elevadas são mais propensas a causar tais efeitos colaterais. Esteróides anabolizantes androgênicos podem também agravar a perda de cabelo. Para as mulheres, estes podem incluir um engrossamento da voz, irregularidades menstruais, mudanças na textura da pele, crescimento do cabelo facial e alargamento do clitóris.

É interessante notar que a droga exibe alguma tendência a se converter em dihidrotestosterona no corpo, embora isso não ocorra através da enzima 5-alfa redutase, mas a oximetolona já é um esteróide baseado em dihidrotestosterona, portanto, não há como tal alteração ocorrer.

Além da alocação alfa c-17 adicionada, a oximetolona difere da DHT apenas pela adição de um grupo 2-hidroximetileno. Este agrupamento pode ser removido metabolicamente, reduzindo-se a oximetolona para o potente andrógeno 17alfa-metilo Dihidrotestosterona (mestanolona). Há pouca evidência de que esta biotransformação contribua pelo menos em algum nível para a natureza androgênica desse esteróide. Nota-se que, uma vez que a 5-alfa-redutase não está envolvida, a androgenicidade da oximetolona não é afetada pelo uso simultâneo de finasterida ou dutasterida.

Hepatotoxicidade

A oximetolona é um composto alquilado c17-alfa e esta alteração protege o medicamento da desativação pelo fígado, permitindo uma porcentagem muito alta da entrada de drogas na corrente sanguínea após administração oral e, por isso, podem ser hepatotóxicos.

Uma exposição prolongada ou alta pode resultar em dano no fígado. Em casos raros, com risco de vida, se a disfunção se desenvolver. É aconselhável visitar um médico periodicamente durante cada ciclo para monitorar a função do fígado e saúde geral.

A ingestão de esteróides c17-alfa alquilados é normalmente limitado a 6-8 semanas, em um esforço para evitar a tensão do fígado. Essa droga tem um anel A saturado, que, ligeiramente, reduz sua hepatotoxicidade relativa, mas ainda assim, esse agente, particularmente nas doses comumente usadas, pode apresentar, sim, hepatotoxicidade substancial para o usuário.

Estudos administrando 50 mg ou 100 mg por dia a 31 homens idosos em um período de 12 semanas produziram aumentos significativos nas enzimas hepáticas (transaminases AST e ALT) apenas em pacientes com 100 mg. Um segundo estudo que administra 50 mg diariamente em 30 pacientes até um máximo de um ano (em alguns pacientes) demonstrou elevações na enzima gama glutamil transferase (GGT) em 17% dos pacientes, aumentou a bilirrubina em 10% e aumentou a albumina sérica em 20%.

Um paciente desenvolveu um tumor hepático que poderia ter sido a hepatite da peliose, um risco adverso à vida, caracterizado por cistos cheios de sangue no fígado. Um pequeno número de outros casos de peliose foi ligado à oximetolona, ​​sugerindo que o potencial de hepatotoxicidade ainda deve ser cuidadosamente considerado antes de se usar o medicamento. O uso de um suplemento de desintoxicação do fígado, como o Stabil, Liv-52 ou Essentiale Forte é aconselhável ao tomar quaisquer esteróides anabolizantes/ androgênicos hepatotóxicos.

Cardiovasculares

Os esteróides anabolizantes e androgênicos podem ter efeitos danosos sobre o colesterol. Isso inclui uma tendência a reduzir o colesterol HDL (bom) e aumentar LDL (ruim), que alteram o equilíbrio em uma direção que favorece maior risco de arteriosclerose. O impacto relativo de um esteróide anabólico / androgênico sobre os lípidos séricos depende da dose, via de administração (oral versus injetável), tipo de esteróide (aromatizável ou não aromatizável) e do nível de resistência ao metabolismo hepático.

Os esteróides anabolizantes e androgênicos também podem afetar negativamente a pressão sanguínea e triglicerídeos, causar a hipertrofia ventricular esquerda, aumentando potencialmente o risco de doença cardiovascular e infarto do miocárdio.

A oximetolona tem um forte efeito sobre o controle do colesterol hepático devido à sua resistência estrutural à degradação do fígado e à via de administração. Estudos administrando 50 mg ou 100 mg por dia a um grupo de homens idosos por 12 semanas demonstraram insignificantes aumentos do colesterol LDL, acompanhado de supressões significativas de colesterol HDL. O uso de oximetolona deve ser realizado com extrema cautela em pessoas com colesterol alto ou história familiar de doença cardíaca.

Para ajudar a reduzir a tensão cardiovascular, é aconselhável que se mantenha um programa ativo de exercícios cardiovasculares e minimize-se a ingestão de gorduras saturadas, colesterol e carboidratos simples em todos os momentos durante a administração da droga, complementando a dieta com óleos de peixe (4 gramas por dia, aproximadamente) e uma fórmula natural de colesterol / antioxidante, como Lipid Stabil ou um produto com ingredientes comparáveis ​​é também recomendado.

Supressão de testosterona

Todos os esteróides anabolizantes e androgénicos quando tomados em doses suficientes para promover o ganho muscular, suprimem a produção endógena (natural) de testosterona.

Sem a intervenção de substâncias estimuladoras da testosterona, os níveis de testosterona devem voltar ao normal dentro de 1-4 meses após o término do uso. Observe, no entanto, que 4 meses de supressão de testosterona pode desenvolver hipogonadismo hipogonadotrófico, necessitando-se de assistência ou intervenção médica. Ao descontinuar a oximetolona, a “merda” pode ser tão poderosa quanto os resultados do ciclo.

Para começar, o nível de retenção de água diminui rapidamente e o peso corporal do usuário cai dramaticamente. Mas isso deve ser esperado, e não é muito preocupante. O que, geralmente, é mais preocupante é a restauração endógena da produção de testosterona, que deve ser feito com TPC adequada.

Como Utilizar o Hemogenin?

Estudos demonstraram que tomar um esteróide anabolizante oral com alimentos pode diminuir sua biodisponibilidade. Isso é causado pela natureza solúvel em gordura de hormônios esteróides, o que pode permitir que alguma droga se dissolva com gordura dietética não digerida, reduzindo sua absorção no trato gastrointestinal. Para uma utilização máxima, este esteróide deve ser tomado com o estômago vazio.

Uma das formas de utilizar este anabolizante e não depender de ajuda de fóruns e pessoas despreparadas, é buscar ajuda de algum especialista no assunto. O Ricardo de Oliveira, é um especialista no uso de anabolizantes e tem ajudado a alunos por mais de 20 anos a administrar o uso de Oximetolona (hemogenin) e diversos outros anabolizantes, minimizando os riscos e efeitos colaterais e potencializando os ganhos musculares.

Ele desenvolveu um programa que se chama Fórmula dos Gigantes e neste programa ele coloca toda a sua metodologia de uso de anabolizantes, ensinando a pessoas leigas, como você, a utilizar os mais diferentes anabolizantes de forma segura e eficaz.

Onde encontrar o Hemogenin?

Essa droga permanece amplamente disponível no mercado negro. Embora existam muitas falsificações em circulação, há também suficientes empresas legítimas produzindo a droga.

O Androlic continua sendo vendido na Tailândia, fabricado pela empresa British Dispensary. Ele vem em um frasco escuro de plástico com tampa prateada e rótulo verde-claro. Os comprimidos devem ser verdes, um hexágono e o emblema da serpente da companhia carimbado em sua superfície.

O Anadrol 50 (EUA) raramente é encontrado no mercado negro, devido ao  seu alto custo na farmácia e um controle excessivo em sua distribuição. Nunca compre este produto no mercado negro, a menos que você possa pessoalmente rastreá-lo. Observe que as falsificações já circularam com muita intensidade e você pode ser mais um enganado. Todos os comprimidos de Anadrol-50 são brancos, gravados em sua superfície com 0055 e ALAVEEN. O Irã tornou-se um país de origem ativa para esse esteróides e seu produto genérico de Alhavi é uma das suas exportações mais populares.  Este produto traz 100 comprimidos de 50 mg em um frasco de vidro âmbar escuro. O frasco é selado com uma tira de fita holográfica, que contém uma imagem incorporada do nome da empresa (Iran Hormone) também faz um genérico, que vem em blisters de plástico de 10 comprimidos.

A oximetolona ainda está disponível na Turquia sob a marca Anapolon. Estes são embalados em um blister de plástico de 20 comprimidos, 1 por caixa. Atrás do blister, lê-se Anapolon Tablet, Oksimetolon 50 mg em tinta preta. Há um bom número de falsificações desta marca, então, compre com atenção. Observe que os comprimidos reais são um tipo de cor branca a amarelada. Um fake atualmente está circulando por aí com os comprimidos brancos puros. Eles são fáceis de detectar quando você sabe o que está procurando. Além disso, alguns falsificadores têm errado o logotipo da empresa. Certifique-se de que as letras AT toquem o logotipo, para formar um gráfico. Muitas vezes, os falsificadores apenas usam duas letras separadas para formar o logotipo, pura preguiça ou burrice.

A Anemoxic da Jinan Pharmaceuticals, na China, é um produto de exportação popular. Ele vem em papelão e tiras de plástico com 20 comprimidos cada. Cada caixa possui uma imagem holográfica e adesivo de segurança na parte de trás para impedir a falsificação.

Oxybolone da Grécia está em circulação também. Deve levar uma etiqueta de farmácia que mostrará uma imagem escondida sob uma luz negra.

O Oxitoland da Landerlan, no Paraguai, é outro item bastante popular aqui nas terras brazucas e no mercado negro, particularmente na América do Sul.

Caixa de Oxitoland

E todo mundo pode utilizar?

Na verdade não. Essa droga/medicamente foi elaborado para tratamento de patogenias especificas, como anemia profunda e por isso só deve ser utilizado com aval de um médico. Mas os anabolizantes se difundiram pelo mundo e hoje qualquer um está usando, por isso ao menos siga as recomendações de contra-indicação do próprio fabricante:

  • Mulher gestantes não devem utilizar, com risco de aborto;
  • Pessoas que estão em fase nefrótica da nefrite;
  • Pessoas que possuem deficiência hepática;
  • Pessoas menores de 21 anos;
  • Pessoas que possuem problemas cardíacos;
  • Pessoas quem pressão alta.

Além disso é bom ficar esperto com a interação de medicamentos. Se for usar este anabolizante, antes entenda se você tem algum tipo de alergia a medicamentos e verifique se você faz uso de algum outro medicamento. Alguns medicamentos podem causar interações com o hemogenin e causar convulsões, sangramentos internos e causar até a morte. Por isso sempre tenha atenção!

Perfil da droga

Nome molecular: [17 beta-hydroxy-2-hydroxymethylene-17 alpha-methyl-5 alpha-androstan-3one]
Peso molecular: 332.482
Fórmula Molecular: C 21 H 32 O 3
Ponto de fusão: 178-180ºC
Produtor original: Syntex
Data de síntese: 1960
Dose efetiva para homens: 100mg/dia
Dose efetiva para mulheres: não recomendado
Meia-Vida: 8h
Tempo de detecção: Superior a oito semanas.
Anabolismo/Androgenismo: 320:45

É válido, antes, durante e após o ciclo contendo oximetolona, avaliações médicas e hemogramas, a fim de realizar o uso sob supervisão médica SEMPRE.

Conclusão

Agora você já sabe exatamente tudo sobre a oximetolona (hemogenin) e não precisa mais depender do conhecimento desatualizado do seu amigo ou professor de academia a respeito dessa droga!

Vale salientar ainda que todas as informações aqui passadas não são de estímulo ao uso de quaisquer tipo(s) de substância(s), sendo essa apenas a ser feita com o aval, supervisão e orientação médica em casos específicos. Tudo aqui proposto é empírico e apenas de caráter INFORMATIVO. Não nos responsabilizamos e tampouco nos envolvemos/opinamos sobre o uso dessa ou de quaisquer outras substâncias.

Importante: O Site dicas de musculação não recomenda qualquer uso de quaisquer substâncias! Consulte sempre um profissional competente. Este artigo é apenas para conhecimento.

Publicado em 1 comentário

Cloridrato de Sibutramina: Guia Completo – O que é, Efeitos Colaterais e Modo de Uso

Tempo de Leitura: 5 minutosUma das doenças que mais cresce em todo o mundo, sem exceções, é a obesidade. Hoje, com a facilidade que temos para encontrar o que queremos, em termos de alimentos, cada vez mais as pessoas estão comendo mais, alimentos processados e gordurosos e se exercitando menos. E a Sibutramina é um dos remédios que pode te ajudar no combate a obesidade.

Aliado a isso, muitos quando estão em estado de pré-obesidade, ou já obesos, não conseguem realizar exercícios físicos, pois o seu corpo não aguenta… E a dificuldade de diminuir o que se come também é muito grande.

E pensando nisso, em como ajudar as pessoas que se encontram em quadros de obesidades, e como lucrar também, é claro, a industria farmaceutica desenvolveu medicamentos que pudessem ajudar a essas pessoas.

E um desses medicamentos é o Cloridrato de Sibutramina, mais conhecido apenas como Sibutramina. E é sobre esse medicamento que vamos conhecer nesse artigo e entender se ele pode realmente ajudar a emagrecer e perder peso.

O que é a Sibutramina?

O cloridrato de sibutramina comprar é uma serotonina seletiva e inibidora de reabsorção de noradrenalina usado por médicos como forma de controle da obesidade.

Este produto farmacêutico destina-se a ser um complemento em uma dieta de calorias reduzidas, o que ajudará no aumento da perda de peso em comparação ao alcançado, modificando-se apenas a ingestão de alimentos.

O cloridrato de sibutramina preço não é conhecido como uma droga de ação rápida, mas por promover perdas lentas, seguras e constantes na massa gorda, que são mantidas à longo prazo.

Gráfico sobre como a Sibutramina age no Sistema Nervoso Central

História

O cloridrato de sibutramina é um dos mais recentes medicamentos concebidos para promoção de perda de peso no mercado dos EUA, recebendo a aprovação da Food and Drug Administration (FDA) em 1998. É vendida nos EUA sob a marca Meridia.

Este produto farmacêutico foi desenvolvido pela Abbott Laboratórios, que também o vende em muitos países sob o nome de Reductil (inclusive no Brasil).

A sibutramina preço está classificada como uma substância controlada, visto que transmite algumas consequências legais importantes para a sua distribuição ou posse.

A droga não está extremamente popular entre os atletas, embora apareça bastante em círculos relacionados a frequentadores de academia que querem perder peso.

Quais Efeitos da Sibutramina?

O cloridrato de sibutramina comprar exerce um efeito de perda de peso através de dois mecanismos distintos:

  • O primeiro é que possui uma característica forte para suprimir o apetite. Durante alguns estudos, pacientes reduziram a sua ingestão diária para até 1.300 calorias (um valor bem baixo) ao ingerir a droga.
  • O segundo é que a sibutramina também estimula o metabolismo e consequentemente, gastos diários de calorias. Uma única dose de 10 mg demonstrou aumentar a taxa metabólica basal em até 30%, um efeito que é mantido por pelo menos seis horas. Esta ação termogênica é conhecida por ocorrer através do sistema adrenérgico, principalmente através do apoio indireto de ativação do receptor beta 3.

Infográfico Efeitos da Sibutramina

Com o uso desta droga, veremos especificamente um forte aumento de termogênese no tecido marrom adiposo, (BAT), que é acompanhada por um aumento na temperatura corporal de 0,5 graus Celsius.

Essa elevação da temperatura corporal é um bom indicador de que a termogênese está ocorrendo, o que você pode entender como uma característica que estamos procurando, também, ao tomar clembuterol.

Para ter uma melhor ideia de exatamente quão bem a sibutramina age, podemos tomar uma pesquisa da Kansas Foundation for Clinical Pharmacology de 2001, onde um grupo de 322 pacientes obesos receberam 20mg de sibutramina ou placebo uma vez por dia, durante 24 semanas.

A conclusão deste estudo foi que 42% dos pacientes no grupo da sibutramina perdeu 5% ou mais de seu peso inicial, enquanto 12% notaram uma perda de 10% ou mais.

A Sibutramina também foi associada a melhorias nos triglicerídeos séricos e nos níveis de colesterol HDL, que estavam exibindo valores ruins no início do estudo.

Outra investigação detalhada foi concluída na China, pelo Departamento de Endocrinologia do Hospital Rui-jin, no mesmo ano, e envolveu apenas 10 mg por dia de sibutramina para um grupo de 120 homens e mulheres. Esta investigação também foi muito relevante, com pacientes perdendo uma média de 6,5 kg até a 24ª semana de uso.

Como é fornecida?

O cloridrato de sibutramina é mais comumente fornecida em cápsulas de 5 mg, 10 mg e 15 mg.

Características estruturais?

O cloridrato de sibutramina é uma inibidora de receptação de serotonina norepinefrina de ação central, estruturalmente relacionada com a anfetamina.

É quimicamente composta de uma mistura racémica de (+) e (-) de 1- (4-clorofenil) -N, N-dimetil-a- (2-metilpropil)-ciclobutanometanamina.

Efeitos colaterais?

O efeito colateral mais comum com a sibutramina é um aumento da pressão sanguínea, uma característica que contra-indica seu uso em pacientes com pressão alta ou outro problema cardiovascular.

O cloridrato de sibutramina deve ser descontinuado imediatamente se algum dos efeitos colaterais mais sérios ocorrer ou se aparecerem sintomas de:

  • Toxicidade;
  • Incluindo excitação;
  • Inquietação;
  • Perda de consciência;
  • Confusão;
  • Agitação;
  • Fraqueza;
  • Tremores;
  • Torpeza;
  • Aumento dos batimentos cardíacos;
  • Pupilas dilatadas;
  • Vômitos;
  • Dificuldade em respirar;
  • Dores no peito;
  • Inchaço de pés;
  • Tornozelos ou pernas;
  • Desmaios;
  • Desorientação;
  • Depressão;
  • Febre alta;
  • Dor no olho;
  • Tremor;
  • Sudorese em excesso.

Outros efeitos secundários comuns incluem boca seca, insônia, irritabilidade, dor nas costas, estômago e constipação, que tendem a se tornar reduzidos em magnitude à medida que o usuário se acostuma a droga.

Indicações e Modo uso?

O cloridrato de sibutramina é aprovado pela FDA (Food and Drug Administration) para o controle da obesidade, incluindo perda e manutenção do peso e deve ser usado em conjunto com uma dieta reduzida em calorias.

Este medicamento pode ser usado por pacientes que têm fatores de risco adicionais relacionados ao peso, incluindo hipertensão controlada, diabetes e dislipidemia (alto colesterol).

A dose inicial recomendada para a maioria dos pacientes é de 10 mg uma vez por dia, que deve ser ajustado para 15 mg após 4 semanas, se a perda de peso não tenha sido suficientemente iniciada. As doses mais elevadas geralmente não são recomendadas.

Como ingerir o Cloridrato de Sibutramina

Onde Encontrar?

Como a obesidade é um problema onipresente no Reino Unido e EUA, o número de prescrições escritas para este medicamento, todos os anos, são bastante altas.

Existem muitos médicos e clínicas que se especializam em terapia de perda de peso, alguns dos quais podem, inclusive, enviar a droga através do correio (dependendo das leis locais).

No Brasil, Sibutramina 15 mg com 30 cápsulas (genérico) pode ser encontrado por menos de 30 reais em algumas redes de farmácias, em promoções feitas periodicamente. Porém por ser um remédio de tarja preta, precisa de receita médica para ser comprado.

Você pode comprar, sem a necessidade de receita médica, em sites da internet. O preço é um pouco mais alto, mas é válido por não precisa de receita médica (o que te faria gastar mais dinheiro para ir ao médico).

Conclusão:

Neste artigo você pode conhecer um pouco mais sobre a sibutramina, um remédio muito utilizado para a perda de peso e que tem resultados reais… Porém um medicamento perigoso, devido aos seus diversos efeitos colaterais.

Portanto se você esta pesquisando esse remédio com o intuito de utilizá-lo. Recomendo de faça um acompanhamento médico. Lembre-se sempre: a sua saúde vale muito mais do que qualquer risco que você venha a correr.

Publicado em Deixe um comentário

Leg Press: Variar a posição dos pés irá ativar músculos diferentes?

Tempo de Leitura: 6 minutos
Nos últimos anos o treino de pernas vem sendo um grande destaque nas academias, seja para o público feminino ou masculino. E um dos exercícios que ganhou uma grande notoriedade com as relevância do treinos de pernas é o Leg Press e suas variações dos pés na execução do exercício.

O leg press, pressão nas pernas no português, é um dos exercícios mais comuns para os membros inferiores, possibilitando um bom trabalho das coxas, tanto na região de trás quanto na frente e das panturrilhas e glúteos. Entretanto, apesar de ser um dos exercícios mais comuns, algumas dúvidas perduram na maioria das pessoas e é justamente o posicionamento dos pés neste exercício um dos assuntos de maiores questionamentos.

Diante dessa situação, neste artigo falaremos um pouco mais a respeito das variações do posicionamento dos pés no leg press, para que você consiga entender se isso é realmente válido ou não, e acabe de vez com essa dúvida.

E então, vamos lá?

A Anatomia e o exercício Leg Press

O leg press é um exercício multiarticular, ou seja, um exercício que envolve mais de uma articulação na realização de seus movimentos e recrutando uma grande quantidade de músculos.

Falando neles, os principais envolvidos são:

  • Quadríceps: os vastos lateral, medial e intermédio trabalham bastante, porém o reto femoral muito pouco, uma vez que ele é mais bem solicitado em exercícios de cadeia cinética aberta;
  • Isquiotibiais: posteriores de coxa, que envolve o bíceps femoral, o semitendíneo e o semimembranáceo. Sua participação não é tão grande quanto pensam, dependendo da amplitude de execução;
  • Glúteo máximo: músculo bastante trabalhado neste exercício, sendo o mais forte extensor do quadril.

Esses músculos estão em “cadeia” e muitas vezes toda a ativação deles se faz simultaneamente, dependendo da angulação a qual realizamos um movimento.

Leg Press com Alta Carga

Apesar de serem músculos antagônicos, os da região da frente (anterior) e de trás (posterior) das coxas, eles agem em conjunto em determinados movimentos e isso ocorre no leg press que, de uma forma ou de outra, se aproxima do movimento que realizamos no agachamento livre (não entenda isso como “ser igual”, ok?).

Sabendo disso, podemos pensar que, quanto mais profundo for o movimento na flexão dos joelhos então, mais conseguimos solicitar os isquiotibiais e os glúteos também, apesar de boa parte da carga ainda se encontrar na região dos quadríceps.

Tudo isso acima é realizando o leg press com os pés em posição neutra, ou seja, retos e para frente.

E quando variamos o posicionamento dos pés isso pode mudar algo?

A grosso modo, se entendermos que um movimento é sempre um movimento e pequenas alterações de angulações não têm tanta função assim, podemos pensar as variações do leg press nada tem haver com recrutar mais uma região ou outra de músculos.

Por princípios biomecânicos essa é uma verdade, pois estamos realizando a flexão e extensão dos joelhos e quadril, e nada mais. A maioria dos estudos mostram que não há diferença entre realizar o leg press com os pés mais para cima, mais barra baixo, mais abetos, mais fechados etc. Desde que eles estejam em padrões básicos biomecânicos, esses estudos demonstram que as ativações musculares são as mesmas.

Porém, por que então atletas ou indivíduos mais avançados na musculação conseguem sentir diferenças nos trabalhos de diferentes formas? Óbvio! Condição neuromotora.

Para que qualquer movimento ocorra é necessário ter uma linha de fluência entre a mente e o músculo. Isso significa que, se você não tem um controle do movimento que quer fazer, você utilizará mecanismos acessórios para este movimento ocorrer.

O indivíduo que possui maior controle neuromotor, consegue promover ativações diferentes em regiões diferentes, isto é, consegue enfatizar maior trabalho nos posteriores de coxa, consegue enfatizar maior trabalho nos quadríceps e assim por diante.

Quando se tem este pleno controle é que se consegue ter eficiência no movimento. Instintivamente, nosso intuito é levantar o peso e, creio que o instinto deva ser preservado, mas se pudermos aliar com o conhecimento e com a conexão mente e músculo, nossos resultados poderão ser surpreendentes.

Os estudos normalmente NÃO UTILIZAM INDIVÍDUOS APTOS para este controle e, muitas vezes, indivíduos relativamente inexperientes. Assim, é óbvio que o intuito do mesmo quando entra no leg press é levantar o peso com a extensão dos joelhos e pronto! Por isso nos estudos não mostram nenhuma diferença nas variações.

E quais variações do Leg Press existem?

A seguir, conheceremos algumas das principais variações das posições dos pés no Leg Press, entretanto, saiba que existem outras várias as quais podem ser aplicadas em momentos específicos e/ou com pessoas específicas para um determinado objetivo.

– Leg pres tradicional: Com os pés em posição neutra e pernas na altura que possibilite que seus joelhos estejam alinhados com a cabeça do seu úmero (região do ombro), você deverá apoiar totalmente a coluna no leg press, promover uma retração escapular e estabilizar bem a região lombar, evitando quaisquer levantada do quadril.

Nesta variação, temos uma plena ativação dos quadríceps femorais, mas quando descemos um pouco mais de 90º já conseguimos ativar bem os isquiobibiais. Por não permitir um movimento tão profundo como o agachamento livre, essa variação no leg press tem um trabalho menor nos glúteos.

– Leg pres com os pés afastados: O leg press também pode ser executado com uma distância maior entre uma perna e outra. Normalmente, quando se faz isso, o recrutamento dos adutores da coxa é maior e também do bíceps femoral, sob amplitudes mais elevadas. Se os pés estiverem voltados para fora, o trabalho nos adutores é ainda maior, mas se eles estiverem mais retos, você consegue solicitar mais o quadríceps, em especial o vasto lateral.

Diferentes Posicionamentos dos Pés no Leg Press

– Leg press com os pés próximos: Essa é uma variação pouco usada, mesmo por atletas. Isso se deve ao fato de que os joelhos sofrem uma sobrecarga relativamente mais intensa, o que pode não ser interessante para algumas pessoas. Sendo assim, se você é iniciante, NÃO RECOMENDO esta variação.

O leg press, quando executado dessa forma, permite que você isole bem os quadríceps femorais, em especial o reto femoral. Quanto maior for a amplitude do movimento mais você consegue solicitar a inserção proximal da musculatura.

– Pés posicionados no alto ou abaixo: Quanto mais para cima estiverem os pés, maior a tendência de recrutar os isquiotibiais (posteriores das coxas). E, quanto mais baixos eles estiverem na plataforma, então, maior é o recrutamento do quadríceps femoral. Nesta variação, é muito comum pessoas levantarem o quadril, portanto, atente-se para não fazê-la e não acabar tendo algum tipo de lesão.

É importante salientarmos novamente que, TODAS AS VARIAÇÕES AQUI PRECISAM DE CONTROLE NEUROMOTOR. Você deve se concentrar na musculatura que quer atingir e deve priorizar seu uso. Para isso, não foque primordialmente em cargas nem nada do tipo. A qualidade do movimento é o que realmente fará a diferença.

Execução do Leg Press

Basicamente, você irá ajustar o encosto do aparelho ao seu tamanho, para que suas costas fiquem confortáveis, a postura adequada e a amplitude preservada.

Com o aparelho travado, você irá esticar suas pernas, elevando a carga, tomando o cuidado de não estender demais os joelhos, evitando travá-los, para não gerar uma sobrecarga desnecessária na região, podendo causar uma lesão.

Execução Correta do Leg Press

Após esticar as pernas, você irá soltar a trava do aparelho e irá começar a flexionar os joelhos, descendo o peso, até o final. A amplitude recomendada é a máxima, a fim de obter o maior recrutamento muscular possível, sobretudo do quadríceps e do glúteo máximo.

Depois basta repetir o exercício, estendendo as pernas e elevando a carga e flexionando e descendo o peso, tudo de forma controlada, sem nenhum tipo de empurrão ou alavancada.

Conclusão

Apesar da ciência nos mostrar que as variações no leg press não alteram os trabalhos musculares, sabemos que na prática essa não é uma verdade absoluta, desde que consigamos levar em consideração o uso do controle neuromotor.

Além disso, conhecer as técnicas de variações e preservar a qualidade do movimento são essenciais para que essas variações gerem resultados positivos. De nada adiantará você usá-las sem saber exatamente como.

Portanto, fique sempre ligado em dicas e, principalmente, comece a conhecer seu corpo e também um pouco mais sobre pontos essenciais da prática de cada exercício que irá realizar.

Bons treinos!