segunda-feira, outubro 3, 2022
Promoção Suplementos Mais Baratos
InícioSaúdeCondromalácia patelar: como a musculação pode ajudar no tratamento

Condromalácia patelar: como a musculação pode ajudar no tratamento

Tempo de Leitura: 4 minutos

A doença conhecida como “joelho de corredor” ou, utilizando termos médicos, condromalácia patelar é resultado do enfraquecimento e amolecimento da cartilagem.

Condromalácia-patelar

Designada como doença crônica, a condromalácia desenvolve-se normalmente de maneira lenta, posterior a conhecida dor patelo-femural (fase que antecede a doença, propriamente dita) e no decorrer dos anos, devido ao forte estresse que tal região sofre. Aliás, o maior estresse de cisalhamento (tensão de forças que é exercida em sentidos opostos ou iguais, porém, em direções opostas e com intensidades maiores do que a superfície tensionada) ocorre justamente na patela. Desta forma, alterações biomecânicas pequenas já podem gerar um grande contratempo. Entretanto, apesar de desenvolver-se lentamente, ela pode ser muitas vezes acelerada caso haja lesões traumáticas frequentes (como no caso dos corredores, ou jogadores de futebol). Ainda no desenvolvimento da doença, ela pode ser também gerada não só por esses fatores anatômicos e biomecânicos, mas também histológicos, fisiológicos, de hábitos de vida (inclusive os alimentares) entre outros.
Outebrige, 1961 define a condromalácia em 4 graus, sendo eles o grau I, onde há apenas o amolecimento da cartilagem, grau II, onde há fragmentações e rompimentos da cartilagem inferiores a 1,3cm de diâmetro, grau III, onde há fragmentações e rompimentos da cartilagem superiores a 1,3cm de diâmetro e grau IV, onde há perda total da cartilagem, sendo assim o caso mais grave.
A condromalácia é uma doença que se desenvolve em maior freqüência nas mulheres. Em primeiro lugar, porque, naturalmente mulheres por questões hormonais possuem maior tendência a desgastes ósseos e cartilaginosos (vide a maior expressão da osteoporose no público feminino, por exemplo), entretanto, as condições anatômicas de inclinação maior que do ângulo do joelho sobrecarregam ainda mais a região. Fatores do meio ambiente, como má postura mais freqüente, utilização de alguns calçados e outros também podem iniciar/agravar essa situação.

Mas, você sabe como diagnosticar a condromalácia?

Normalmente, os primeiros sintomas que, podem ocorrer em ambos os joelhos ou apenas em um é a dor ao realizar movimentos como a flexão (subir escadas, por exemplo) ou realizar impactos mais bruscos no sentido vertical ou diagonal, ardência ao ficar com o joelho flexionado (mesmo que parado) por períodos médios e/ou longos, estalos e edemas devido a derrames. Com isso, através de ressonâncias magnéticas (visto que o raio-X normalmente apresenta condições normais) é possível fazer o diagnóstico e, posteriormente um prognóstico da doença.
A condromalácia é uma doença que, assim como outra qualquer, recomenda-se que seja tratada o mais cedo possível. Mas, em especial, isso é importante não só para aliviar a dor, mas, para que a doença não progrida para um caso irreversível.
Inicialmente, durante o tratamento, normalmente faz-se compressas de gelo na região, além da utilização de analgésicos, antiinflamaórios e fitoterápicos (como a glucosamina) afim de aliviar as dores. Além disso, medidas mais drásticas e clínicas como a imobilização do(s) joelho(s) e fisioterapias, principalmente para o fortalecimento dos quadríceps podem acontecer. Outros métodos que são alternativos são a estimulação elétrica e a aplicação de ondas de calor (superficial e profundo).
Caso o quadro não melhore com o decorrer desses tratamentos, pode ser (e normalmente é) cogitados procedimentos cirúrgicos envolvendo raspagens, ou até mesmo correção, propriamente dita.

O papel que a musculação pode ter na condromalácia

Um dos principais (entre os inúmeros existentes) benefícios que não só a musculação, mas o exercício físico em si traz é o controle neuromuscular e a maior facilidade em estabilização das condições corpóreas e biomecânicas, claro, desde que praticado da maneira correta.
Entretanto, o tipo de exercício físico com maiores benefícios pode ser discutido por profissionais através da análise de cada caso individualmente, ou seja, não há um consenso do que é exatamente melhor para a condromalácia e nem tampouco para quaisquer doenças, mas sim, o que melhor se aplicará aquele caso. Além disso, devemos levar em consideração as preferências da pessoa, para que o hábito de praticar a atividade realmente aconteça e não seja interrompido pelo desânimo.

condromalacia-exercicio

A musculação pode ser uma boa aliada na condromalácia, visto que através dela conseguimos um fortalecimento e uma hipertrofia nos quadríceps, além de reajustes posturais e neuromecânicos.
Normalmente, cada grau de condromalácia e cada caso apresentarão condições específicas para a prática de musculação, possíveis reduções de ângulos de movimentos e também retirada/adição de exercícios específicos. Por exemplo, deve-se avaliar o tipo de exercício que o indivíduo está realizando e o ângulo que melhor lhe será recomendado de acordo, por exemplo com o tipo de cadeia cinética do movimento (exemplo: cadeia cinética aberta, cadeia fechada). Exercícios de cadeia aberta, normalmente possuem maior solicitação em ângulos próximos a 50-90º e exercícios de cadeia cinética fechada em ângulos de 0-50º. Vale lembrar que, apesar de buscarmos recrutamentos específicos a compressão no local não deve ser alta e intensa demais.
A promoção no aumento de níveis hormonais responsáveis por síntese e, também pelo estímulo que a ciência vem provando que existe nos ossos e cartilagens através da sobrecarga também pode ser uma hipótese a ser cogitada quando o assunto é a musculação, visto seu poder de aumentar a intensidade com que esses processos ocorrem.
Politicamente, não podemos permitir que um paciente que possua condromalácia realize alguns tipos de movimentos e técnicas, entretanto, não é comum que atletas de específicas modalidades costumem fazer alguns tipos de testes em si mesmos buscando alguma resposta otimizada. Entretanto, isso pode ser arriscado e agravar ainda mais a situação.
Conclusão
Por fim, a busca por orientação médica ortopédica, bons orientadores físicos e, claro, uma nutrição adequada, possibilitam não só uma ótima prevenção ou tratamento da doença, mas fazem da musculação algo mais seguro e individual, otimizando cada vez mais os resultados.
Bons treinos!

Sobre o Autor do Post

Artigos Relacionados

21 COMENTÁRIOS

  1. Olá, tenho CP nível 3 e sinto muitas dores e limitação em alguns movimentos, não abandonei o futebol de final de semana mas sinto que após cada jogo fico mal. Gostaria de saber se o cloridrato de glucosamina é melhor que o sulfato. Gostaria de saber também se há expectativa de que o movimento e a situação dos tecidos possam melhor a um estado quase normal. Grato.
    —–
    A forma, tanto faz, mudando apenas onde a substância é ligada.
    Ideal mesmo é SUSPENDER o futebol. Temos de reconhecer nossas limitações.
    Provavelmente, como “novos”, não.

  2. Tenho condromalácia grau 1 e infelizmente sinto dores no joelho. Não em em repouso, mas as vezes durante a musculação. Sinto que a fisioterapia me ajudou, mas me sinto triste por não poder praticar exercícios como antes =/

  3. Eu tenho condromalácia, tem 2 semanas que comecei a fazer musculação e na academia estou fazendo execícios com a bicicleta ergométrica gostaria de saber se ela pode prejudicar?

    Se os exercícios forem inadequados com suas condições físicas, sim.
    http://

  4. Senhores, meu filho tem 15 anos e é atleta de futebol e treina todos os dias praticamente. Começou a sentir dores nos dois joelhos, levei ao ortopedista, foi feito uma RM e foi diagnosticado com CONDROMALACIA INCIPIENTE, inicio da condromalacia, por excesso de esforço repetitivo. Ele etá fazendo fisioterapia, mas eu gostaria de saber se ele ficará totalmente bom e se vai poder praticar futebol de competição em alto nível?

    Se a recuperação acontecer adequadamente e ele continuar cuidando, sim. Porém a melhor pessoa para lhe responder isso é o médico ortopedista que esta cuidado do caso.

  5. Adorei a publicação! Parabéns pela iniciativa, muito esclarecedor. A impressão diagnostica do meu exame: sinais de condropatia patelo troclear, sinais sugesivos de hipersolicitaçao do mecanismo extensor do joelho/conflito femoropatelar, leve tendinopatia insercional do quadriceps, pequena efusao articular, com sinais de sinovite. Apesar de ter informado ao médico que fazia academia diariamente, boxe, ritmos, yoga, musculação, ele não proibiu as atividades. Passou medicamentos e fisioterapia e disse para entregar o relatório ao instrutor da academia, mas não informou se durante a fisioterapia ou depois. Achei estranho e marquei com outro médico para tentar obter maiores esclarecimentos. Não sei nem a gravidade, pois li muito sobre níveis e no meu não aparece essa classificação. Eu decide trancar a academia. Mas, como estou preocupada e ainda não fui atendida pelo outro médico queria saber: Diante do que deu no exame eu não poderei mais fazer nem finalizado tratamento, por exemplo dança nem que tome cuidado com os movimentos?


    O interessante é avaliar precisamente seus quadro, com a ajuda de outro profissional e aí sim predestinar suas limitações (caso hajam) com atividades físicas. Porém, se o grau não é elevado e tratável, não a vejo impossibilitada de nada, desde que faça adequadamente.
    http://www.facebook.com/marcelosendonofficial1

  6. Olá, tenho condromalácia grau I, em junho terminei a fisioterapia. E a ortopedista me aconselhou a fazer exercicios para fortalecimento do musculo para melhorar a cartilagem. Hoje vou iniciar na academia, mas quando fico muito tempo parada meu joelho dói um pouquinho. Eu terei realmente melhoras se fizer os exercícios corretos?

    Certamente sim.
    http://www.facebook.com/marcelosendonofficial1

  7. Tenho Condromalacia nível 3 posso fazer caminhada?

    Deve evitar, mas, é bom consultar o médico para ver quais exercícios são permitidos.
    http://www.facebook.com/marcelosendonofficial1

  8. Olá, tenho tendinite e condromalacia, tinha muita dor mais depois que entrei na academia fazem 2 meses melhorei muito porém ainda sinto dor. Gostaria de saber como vou saber se curou realmente e quando vou poder retornar à rotina de exercícios normal. Obrigada!

    Somente um médico para avaliar.
    http://www.facebook.com/marcelosendonofficial1

  9. Olá tenho 21 anos sou militar do EB, e tenho a condromalacia grau II e já estou fazendo fisioterapia, eu gostaria de saber se eu poderia continuar a vida militar pois pretendo fazer CFO, e exige muito do corpo durante o curso.
    Depois que já estiver fortalecida a cartilagem e etc, eu vou voltar a correr, pular, jogar bola ? (Viver normal) ?
    —-
    Somente uma avaliação médica para dizer isso. Mas, tudo é possível com o devido tratamento e com cuidado.

    • Denise, procure um médico qualificado que estude seu caso, em particular. Ele poderá lhe orientar sobre qual modalidade seguir, através de exames clínicos. De posse desses exames, mostre a um profissional de Educação Física e a um Fisioterapeuta, que, em conjunto, lhe darão um caminho a seguir.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui




Enter Captcha Here :

Mais Recentes