quinta-feira, outubro 6, 2022
Promoção Suplementos Mais Baratos
InícioDicas de musculação em geralHipertrofia e hiperplasia: Entenda a diferença entre eles

Hipertrofia e hiperplasia: Entenda a diferença entre eles

Tempo de Leitura: 4 minutos

Especificamente falando do tecido muscular, sua volumização, ou seu crescimento, exibem dois principais pontos (ou mecanismos, como prefira): A Hipertrofia, em maior escala, e a Hiperplasia, em menor escala, mas não menos importante para tal fato.

Mas, você sabe o que é cada uma delas? Você sabe quais são as formas de otimizar uma ou outra, ou ainda, se ambas são necessárias para aumentar significativamente o tecido muscular e promover o crescimento visível a olho nu? Se quer entender um pouco mais a respeito, recomendo que continue a leitura comigo!

O crescimento dos tecidos do corpo

Existem muitas formas pelas quais os diferentes tecidos do corpo crescem. Falar de cada uma delas, demandaria muito tempo, então, vamos direto a que nos mais interessa que são as formas de crescimento muscular.

O tecido muscular pode crescer por diversos fatores: Aumento das células musculares, aumento no tamanho das células musculares, aumento na concentração de glicogênio intramuscular, aumento de líquidos no interstício celular, entre outros vários… Esse crescimento pode ser duradouro ou não, dependendo de qual deles estamos falando. Obviamente, o que nos interessa são resultados sólidos e, portanto, indispensavelmente temos de considerar dois principais fatores: A Hipertrofia e a Hiperplasia celular.

Tal tecido é formado por algumas células conhecidas como miócitos. Sendo assim, elas constintuem pequenas miofibrilas que formam as fibras maiores e essas formam o tecido muscular. Estamos falando, claro, em termos microscópicos, mas para que tenhamos o tecido muscular formado, dependemos dessas pequeninas estruturas.

Cada uma dessas células é formada por determinadas composições, as quais não iremos tratar aqui. Porém, é importante saber que dentro delas, estão os “órgãos das células”, ou as organelas. Além disso, temos o citoplasma e mais alguns outros itens.

E é justamente esta estrutura que nos fará compreender melhor o que é a hipertrofia e o que é a hiperplasia celular.

A Hipertrofia celular

A Hipertrofia faz menção ao aumento de volume das células, ou seja, aumento no tamanho de seus componentes (organelas) ou mesmo de seu citoplasma.

Claramente podemos perceber que, para que isso ocorra, é necessário que haja síntese protéica, pois as células e seus componentes todos são formados basicamente por aminoácidos, que advém das proteínas. Sendo assim, a síntese protéica, estimulada por conta de fatores normalmente dietéticos, mas ainda, no caso do praticante de atividades físicas pelos mecanismos de adaptação é que fará com que cada célula possa aumentar de tamanho e promover o crescimento muscular.

Isso ocorre frente aos estímulos do treino: Imagine que a cada vez que você ergue uma nova sobrecarga mais intensa, seu corpo tenha que se adaptar aquela nova circunstância. Essa sobrecarga faz com que ocorram microrrupturas nas fibras musculares que precisam ser reparadas. E é justamente isso que a síntese protéica faz, deixando-as mais fortes a cada vez que precisam se adaptar a novo estímulo mais intenso (e é por isso que há uma grande importância em treinar sempre mais intensamente).

Os processos de hipertrofia normalmente são estimulados por fatores hormonais específicos. Entre esses principais hormônios (no caso do tecido muscular) estão a testosterona, o GH e os fatores de crescimento. Porém, outros hormônios podem ter influencia nestes processos.

A hipertrofia ocorre de maneira muito mais fácil e rápida quando comparada com a hiperplasia. Mas, o que seria então a hiperplasia?

A hiperplasia

A hiperplasia não diz respeito ao aumento do tamanho das células existentes, mas ao aumento no número de células. Apesar de não bem compreendido cientificamente este processo, sabe-se que existem algumas “células inativas” no corpo, que quando estimuladas através de processos hormonais específicos, poderão se tornar pertencentes a um tecido. Se estamos estimulando as vias musculares, então, certamente elas serão destinadas em maiores quantidades para essa finalidade.

A hiperplasia ocorre de maneira muito mais difícil no corpo e, pode ser altamente perigosa: Células danosas ou com propensão a tal podem ser multiplicadas, fazendo com que você possa desenvolver um tecido danoso. E é por isso que deve-se ter uma atenção altamente relevante ao uso de ergogênicos que promovem a hiperplasia ou mesmo a fatores mais simples como o próprio treinamento resistido com pesos, que além de estimular a hipertrofia, também estimula as vias de hiperplasia. Óbvio que esse é um fator de maior relevância a pessoas portadoras de alguma doença ou que já foram portadoras algum dia (como o caso do câncer). É óbvio que você não deve ficar pensando que irá ter uma doença simplesmente pelo fato de ter propensão e treinar pesado. Mas, a atenção é sempre essencial para garantir os benefícios das atividades físicas e a conquista por seus objetivos.

Entre os principais hormônios fisiológicos envolvidos com a hiperplasia, estão o GH e seus fatores de crescimento, como o IGF-1. Esses poderosos hormônios, por exemplo, estão em boas concentrações em crianças e púberes, justamente por terem esses efeitos fisiológicos mencionados.

Diferença entre Hipertrofia e Hiperplasia

O treinamento com pesos e o crescimento muscular

Como citado, o treinamento com pesos é essencial para garantir a hipertrofia e a hiperplasia, pois além de promover estímulos físicos, indiretamente, também estimula eventos fisiológicos e hormonais, capazes de realizar, otimizar ou mesmo tornar possíveis que eles ocorram.

Obviamente, para que isso seja de fato possível, faz-se necessário não só uma otimização em seus protocolos de treino, mas também de dieta e de descanso também. Esta tríade será fundamental para o alcance de bons resultados, sejam eles visando quais objetivos forem.

Conclusão

Tanto a hipertrofia quanto a hiperplasia são processos existentes no corpo e fundamentais para promover resultados na musculação. Portanto, é essencial considerar mecanismos sempre os mais intensos possíveis para estimulá-los com êxito e, mais do que isso, preocupar-se também com fatores dietéticos e de descanso que serão cruciais para otimizá-los e torna-los possíveis e progressivos.

Bons treinos!

Sobre o Autor do Post

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui




Enter Captcha Here :

Mais Recentes